COBERTURA ESPECIAL - Especial Espaço - Tecnologia

12 de Julho, 2012 - 15:00 ( Brasília )

IPEA - Os desafios da indústria espacial no Brasil


Estudo "Desafios e oportunidades para uma indústria espacial emergente: o caso do Brasil", considera que o País está em posição privilegiada para desenvolver o setor.

"O processo de crescimento econômico recente do Brasil coloca o país em posição privilegiada para um processo de estruturação da demanda que aja como elemento dinamizador do Programa Espacial Brasileiro e, consequentemente, da indústria espacial local"

É o que observa o estudo "Desafios e oportunidades para uma indústria espacial emergente: o caso do Brasil", divulgado nesta quarta-feira (11) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que faz, no entanto, uma ressalva. "É fundamental garantir a efetividade das ações em setores como agronegócio, planejamento e uso da terra, energia, construção civil, saúde e educação para a sustentabilidade do processo de desenvolvimento, as quais podem ser beneficiadas por meio da maior intensidade de utilização de aplicações espaciais".

A publicação avalia, porém, que no Brasil, "embora haja crescentes demandas de vários atores - órgãos do governo, universidades e centros de pesquisas, organizações não-governamentais, empresas de prestação de serviço de geoinformação, imprensa, empresas pertencentes a variadas indústrias - não se observa a sistematização dessas necessidades com vistas a orientar o planejamento de médio e longo prazo do setor (espacial)".

Quanto ao perfil desse segmento, o trabalho do Ipea considera que o País "encontra-se em um estágio ainda inicial no desenvolvimento de uma indústria espacial, as firmas identificadas concentram-se em torno da fabricação de subsistemas e componentes de satélites, lançadores, e fornecimento de bens e serviços para a infraestrutura de lançamento e de serviços de solo.

O estudo - apresentado pela técnica de Planejamento e Pesquisa Flávia de Holanda Schimdt, com a mediação do assessor técnico da Presidência Murilo Pires, na sede do Ipea, em Brasília - avalia, ainda, que "o setor passa por um movimento de transformação do atual cenário de tecnologia, impulsionada pela indústria e agências espaciais para uma situação em que ele é cada vez mais orientado pela demanda, exercida pelos operadores e pelas comunidades de usuários, o que tem trazido maior permeabilidade dos produtos e serviços espaciais em diversas áreas".

Demanda pública - Para o Ipea, o mercado nacional possui uma demanda que decorre, majoritariamente, de entidades públicas e é baseada em recursos públicos, "como no caso da pesquisa científica e das necessidades militares, da previsão do tempo e da observação da Terra em geral". Segundo a instituição, "mesmo nas exceções a essa situação, como as telecomunicações, a difusão de TV e as imagens da Terra em alta resolução, grande parte das firmas tem a sua estabilidade sustentada por pedidos do setor público".

Os indicadores de mão de obra apontam a qualificação diferenciada e o potencial de produtividade dessas firmas em relação às médias nacionais. O salário mensal médio pago no setor é de R$ 2,5 mil. Da mesma forma, fica patente a qualificação do pessoal na observação dos indicadores relacionados à escolaridade, quando as firmas em tela apresentam média de 11,6 anos de estudo dos funcionários, o que já é uma justificativa possível para a elevada renda média observada.

O nível tecnológico das firmas pode ser ainda observado a partir do percentual de engenheiros, cientistas e funcionários com ensino superior. Os engenheiros chegam a ser quase 9% do pessoal ocupado no setor. O pessoal com ensino superior é de 37% do total empregado pelo conjunto de firmas.

No que se refere à distribuição de empresa do setor espacial no país, a tabela abaixo mostra grande concentração no estado de São Paulo (77,8%) ou 119 firmas, seguido de longe pelo Rio de Janeiro (6,5%), com dez firmas, vindo depois Minas Gerais e Maranhão, com 3,9% cada, ou seis firmas.



Link para download  do Comunicado 153 - Desafios e oportunidades para uma indústria espacial emergente: o caso do Brasil  pdf


Nota DefesaNet

Também de interesse os artigos:

COMDEFESA - Satélites: Investimento Estratégico Link

O fim da Era Espacial? The Economist Link

THE ECONOMIST - The military uses of space Link

ESPAÇO - Armas no Espaço - Declaração Brasileira 2011 Link

A destruição de um satélite por míssil à luz do Direito Espacial 2007 Link


ASAT - Teste Chinês 2007 Link