COBERTURA ESPECIAL - Especial Espaço - Tecnologia

25 de Outubro, 2011 - 08:32 ( Brasília )

Rússia tem novas prioridades no espaço

Há um provérbio russo que diz “sem desgraça, não há graça”. Foi exatamente a desgraça, na forma de uma série de acidentes sucessivos de espaçonaves russas, que levou os dirigentes da Agência Espacial Russa (Roskosmos) a mudar radicalmente os projetos.

Andrêi Kisliakov

Em meados de outubro, o presidente da Roskosmos, Vladímir Popóvkin, disse, durante seu discurso na Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo), que a partir de agora o principal vetor das atividades espaciais nacionais será o desenvolvimento qualitativo e quantitativo de esquadrões de satélites artificiais, com destaque para a ampliação da rede de serviços de navegação por satélite, monitoramento remoto da Terra e comunicações. O programa de voos tripulados para a Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) passou para o segundo plano.

De agora em diante, a agência espacial russa vai procurar maximizar na prática o retorno financeiro do dinheiro investido em programas espaciais.

No dia 24 de agosto, o programa espacial russo viveu um dos episódios mais desagradáveis ??de sua história, envolvendo um acidente do foguete lançador Soiuz-U, registrado no Guiness, o livro dos recordes, como o foguete mais confiável do mundo, e o cargueiro espacial Progress, com cargas destinadas à ISS. Naquele mesmo mês, aconteceu outra perda irreparável: o satélite de comunicação Express-AM4 errou a órbita devido a uma falha no veículo de lançamento. No ano passado, só em dezembro, três satélites do sistema Glonass (Sistema Global de Navegação por Satélite) se transformaram em lixo espacial pela mesma razão, ou seja, uma falha no veículo de lançamento.