COBERTURA ESPECIAL - Especial Espaço - Tecnologia

15 de Dezembro, 2014 - 09:00 ( Brasília )

CBERS 4 poderá restaurar credibilidade do Brasil junto ao cúpula do clima



Júlio Ottoboni
Exclusivo DefesaNet

 
O lançamento bem sucedido do CBERS 4 e a retomada do envio de imagens sobre a Floresta Amazônica e áreas como o cerrado e o pantanal poderá restabelecer a credibilidade do governo brasileiro junto a ‘cúpula do clima’. Essa é a denominação do grupo de nações lideradas pela ONU e pelo IPCC que discutem as mudanças climáticas no Peru. A explosão dos desmatamento da floresta deu-se exatamente nos períodos de inatividade dos satélites Cbers, depois que o CBERS 3 se perdeu com a falha em seu lançamento pelo foguete chinês Longa Marcha 4.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) ficou praticamente 4,6 anos sem imagens de satélites do programa de sensoriamento remoto sino-brasileiro, denominado CBERS. Com isso foram usadas diversas outras imagens, no entanto sem a mesma eficiência do satélite de sensoriamento remoto brasileiro.  Neste período houve uma explosão do desmatamento da Amazônia que chamou a atenção de autoridades internacionais, ambientalistas e dos cientistas.

Um dos efeitos combinados do desmatamento é a estiagem que castiga o sudeste, principalmente São Paulo, desde 2013, e a mudança no regime de chuvas das áreas afetadas pela umidade amazônica, que envolve todo sudeste, centro-oeste, parte do norte e do sul do país, além do Paraguai, Bolívia e norte da Argentina.

Segundo informações de integrantes do COP 20, em Lima, no Peru, que sedia a Conferência das Nações Unidos sobre Mudanças Climáticas as autoridades brasileiras estão sendo duramente cobradas pelos descuidos com a floresta, que teve períodos com mais de 1000% de áreas desmatadas. E também pelos dados divulgados oficialmente não baterem com nenhuma das entidades que monitoram o desmatamento na região.

Os países do COP 20 querem maior transparência do governo de Dilma Rousseff quanto as medidas para conter o desmatamento e também as queimadas na região. Até o momento o Brasil tem se esquivado de debater o assunto com maior profundidade. O discurso é o de se posicionar contra a postura dos países desenvolvidos e exigir que esses devam permanecer com as maiores responsabilidades nos cortes de emissões em relação aos países em desenvolvimento.

Uma das vantagens do CBERS é ter suas imagens distribuídas gratuitamente para qualquer organismo interessado. Nestes últimos 5 anos o Brasil teve que adquirir imagens de diversos satélites dos mais diferentes países, muitos deles com ângulos de inclinação que não só dificultavam a análise da região como acabava por induzir os pesquisadores ao erro. Também há fortes suspeitas, inclusive denunciadas em diversas instância e para o DefesaNet, em primeira mão, sobre a modificação dos dados do desmatamento dentro do INPE, por ordem direta da Casa Civil do governo federal. ( Ver matéria EXCLUSIVO - Questões ambientais se transformam em novas armas na política Link)

O CBERS 4 assume, então, a condição única de ser o mais importante satélite de sensoriamento remoto a cobrir a região panamazônica, que envolve 8 países e uma colônia. E poderá diminuir tanto a margem de erro como qualquer tentativa de fraudar os dados sobre a derrubada de árvores na maior floresta tropical do planeta e que interfere diretamente do clima de toda América do Sul e Central.