COBERTURA ESPECIAL - Especial Espaço - Tecnologia

26 de Agosto, 2014 - 12:58 ( Brasília )

CLA - Missão Não Cumprida

Governo deve priorizar programa espacial


Rubens Barbosa
Presidente do Conselho de Comércio Exterior da FIESP

 

O aproveitamento do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e o desenvolvimento de veículos lançadores de satélites (VLS) são prioridades no âmbito do Programa Nacional de Atividades Espaciais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. O funcionamento de um centro de lançamento competitivo permitiria a entrada do Brasil no importante nicho de mercado de satélites de telecomunicações e de meteorologia.

Texto básico para o leitor entender as desventuras do setor espacial brasileiro

EEI - A história de uma crise anunciada: AEB versus NASA Júlio Ottoboni 2013 Especial para DefesaNet Link

A Agência Espacial Brasileira tenta atualmente reatar (2013) com a NASA, sua correspondente dos Estados Unidos. Uma missão das mais difíceis, principalmente no momento que as políticas externas de ambos países estão envoltas em casos de espionagens e acusações. Mas essa história de desencontros e desagrados vem de longe, de pelo menos uma década de sucessivas atrapalhadas e dos famosos ‘contos do vigário’.

Um programa desse porte só será possível se houver um entendimento com o governo dos EUA. A Base de Alcântara só poderá tornar-se viável comercialmente quando um novo acordo de salvaguardas entre o Brasil e os EUA tiver sido negociado, uma vez que, por motivos ideológicos, o anterior nunca foi ratificado.

A oposição do PT a esse acordo, que iria regulamentar o uso comercial da base de lançamento de foguetes de Alcântara por empresas americanas, na prática, excluiu o Brasil de um mercado anual de US$ 12 bilhões. Procurando contornar essa dificuldade, o país está tentando desenvolver um VLS próprio, outro com a Ucrânia e conduzindo um programa de lançamento de satélites com a China. Anuncia-se para o dia 29, como parte desse esforço o lançamento em Alcântara de foguete de sondagem, que pela primeira vez testará no Brasil combustível líquido embarcado.

A grande ironia em todo esse Affair é que, sem o acordo com os EUA, nem o programa com a Ucrânia poderá avançar, apesar dos milhões de dólares investidos pelo Brasil.

No fim da visita do presidente Obama ao Brasil, em março de 2011, ficou decidido que os entendimentos sobre o acordo de salvaguarda seriam retomados com o objetivo de renegociar o texto para consideração do Congresso Nacional. Com isso, poderia ser viabilizado o programa de lançamento de satélites com a Ucrânia e ficaria aberta a porta para a cooperação entre empresas brasileiras e americanas na área de lançamento de satélites, tornando de fato efetivo o uso da Base de Alcântara. Com a divulgação da espionagem da NSA à presidente Dilma e a relação entre os dois países bastante dificultada, os entendimentos nem chegaram a começar.

Espera-se que, nos próximos quatro anos, sem preconceitos partidários e com razoável dose de pragmatismo, o futuro governo empreste ao programa espacial brasileiro uma efetiva prioridade. Com a conclusão da negociação do acordo de salvaguarda tecnológica com os EUA e com recursos financeiros adequados para garantir a continuidade dos esforços – que, por falta de apoio, caminham com grande dificuldade -, os programas poderão avançar e ser concluídos com êxito.

Em agosto de 2003, sério acidente na Base de Alcântara paralisou o projeto por algum tempo e fez desaparecer uma elite técnica que conduzia o programa do veiculo lançador de satélite. O VLS-1, que estava sendo preparado, explodiu e matou 21 cientistas, adiando ainda mais o projeto que colocaria o Brasil numa posição competitiva no mercado de satélites comerciais.

É urgente recuperar o tempo perdido.

 

Nota DefesaNet

O acordo de Salvaguardas proposto em 2000 foi atacado da Direita à Esquerda, no espectro político brasileiro.

Discursos apopléticos liderados por "especialistas na soberania nacional". O resultado foi a involução do Programa Espacial Brasileiro, em cerca de 30 a 40 anos. Aliado a isto o fatídico acidente de 22 Agosto de 2003.

Abandonamos a participação na Estação Espacial, e fomos gentilmente convidados a se retirar de programas da NASA (ver box acima).

O  que rendeu neste período foram manchetes de páginas polícias com briga a socos de responsáveis pela área espacial brasileira.

Matérias relacionadas

CLA - Integra do Acordo de Salvaguardas Brasil - EUA (2000) Link

MCTI Esclarecimentos sobre as Salvaguardas do acordo com os EUA sobre o CLA 2001 Link

Empresa do Programa Espacial Brasileiro paralisa obras na Base de Alcântara 2013 Link


Saída de Raupp Deixa a Área Espacial Perdida no Espaço 2014 Link


AEB sepulta missões tripuladas Julio Ottoboni 2013 Link