19 de Outubro, 2012 - 09:30 ( Brasília )

SOF

PARA-SAR realiza curso de PARACOMANDOS




No período setembro a novembro de 2012, o PARA-SAR vem ministrando o curso de PARACOMANDOS, da Força Aérea Brasileira, o mais difícil desta área operacional. O curso  permite que os paraquedistas do Esquadrão fechem um ciclo de formação que possui a duração total de nove meses, composto pelos cursos de Salvamento e Resgate (com o módulo de Combate-SAR), de Salto Livre Militar e de Mergulho Autônomo.

O PARACOMANDOS, paraquedista operacional em ações de comandos e operações especiais, adquire habilidades decorrentes de instruções, tais como treinamento físico militar, lutas, topografia, orientação e navegação, operações de helitransportadas, combate em terreno acidentado, ações de comandos na selva, emprego de explosivos, natação utilitária e operações anfíbias.

O militar também adquire técnicas de infiltração e exfiltração, planejamento de combate, emprego de armamentos, equipamentos optrônicos, comunicações, operações de guerra irregular, operações psicológicas, operações de combate em edificações e em áreas urbanas, operações de contraterrorismo, patrulhas de combate, reconhecimento especial e guiamento aéreo avançado. O curso possui fases na Amazônia e no Pantanal, bem como na região serrana de Itatiaia-RJ e na Marambaia-RJ.

Os instrutores são formados no próprio EAS (PARACOMANDOS) ou nos Centros de Instrução da MB (COMANDOS ANFÍBIOS-COMANF) e do EB (COMANDOS) além de contar com instruções específicas do Batalhão de Operações Especiais-Toneleros-MB e do BOPE-PM RJ.O aluno 04, um tenente infante, esclarece que “o curso de PARACOMANDOS destaca-se dos demais cursos operacionais, pelo nível de cobrança, riqueza de detalhes em todas as atividades e pela profundidade do estudo e emprego de técnicas e materiais.”

Contando com a constante supervisão da Segunda Força Aérea, o curso de PARACOMANDOS faz parte do esforço do Comando Geral de Operações Aéreas para uma melhor estruturação do PARA-SAR no cumprimento das operações especiais focadas na manutenção da soberania do espaço aéreo, com vistas à defesa do País.