05 de Outubro, 2012 - 10:30 ( Brasília )

Segurança

Exército e TRE são recebidos a tiros em favelas da Zona Oeste do Rio de Janeiro

Incidente com tropas em Sulacap e Santa Cruz não teve feridos

Miguel Caballero
 

A três dias da eleição, tropas do Exército que estão no Rio desde segunda-feira para dar segurança ao processo eleitoral foram, pela primeira vez, alvo de violência, ontem, em duas favelas da cidade. Ao chegarem, por volta das 8h, à favela Minha Deusa, em Sulacap, e à de Antares, em Santa Cruz, ambas na Zona Oeste, os militares foram recebidos com tiros de fuzil e fogos de artifício. Segundo a 1ª Divisão do Exército, que coordena o trabalho das tropas, não foi possível identificar os autores dos disparos nem de onde eles saíram. Ninguém ficou ferido.

Os episódios nas regiões dominadas por traficantes foram considerados fatos isolados pelos militares e não houve reação. Também havia fiscais do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) nas ações.

Após a entrada do Exército na Favela de Antares, quatro homens (dois menores de idade) foram detidos por policiais militares que faziam patrulhamento nos arredores da comunidades. Com eles foram apreendidos maconha, cocaína, crack, além de uma pistola. Há suspeita de que o grupo tentava fugir após a chegada da tropa federal.

Já durante a incursão à Favela Minha Deusa, em Sulacap, foram encontradas seis munições de fuzil 5,56mm. Apenas ontem, os fiscais do TRE apreenderam cerca de uma tonelada de material utilizado para fazer propaganda irregular. Além de Sulacap e Santa Cruz, houve fiscalização, sem incidentes, nas comunidades Anil e Tirol, ambas em Jacarepaguá.

Desde o início da semana, 3.545 militares estão nas ruas do Rio, ocupando territórios controlados pelo tráfico ou por milícias, das 8h às 18h, para garantir as atividades de campanha de todos os candidatos. No domingo, dia da votação, o total chegará a cinco mil homens em vários pontos do Rio.

Presidente do TRE vai à favela

As operações conjuntas das Forças Armadas e do TRE prosseguem hoje. Uma tropa do 1º Batalhão de Infantaria Motorizado ocupará, pela manhã, a favela da Coreia, em Senador Camará, na Zona Oeste, considerada atualmente uma das mais violentas do Rio. O presidente do TRE, desembargador Luiz Zveiter, anunciou que vai acompanhar pessoalmente a incursão.

A força-tarefa para garantir segurança no processo de votação contará com a ajuda também da Polícia Civil no domingo. Em reunião ontem com o presidente do TRE, a chefe da polícia, delegada Martha Rocha, determinou que serão deslocados 7.731 policiais para ficarem à disposição da Justiça Eleitoral no dia da eleição.

- Vamos tocar nossa rotina de domingo de maneira eficiente, com essa missão especial junto ao TRE-RJ - disse Martha Rocha.

Além da operação na Favela da Coreia, os militares ocuparão hoje outras três regiões da Zona Oeste sob comando de milícias ou do tráfico: Muzema, no Itanhangá; Jardim Maravilha, em Pedra de Guaratiba; e Carobinha, em Campo Grande.

As tropas federais atuarão também em sete cidades do interior do estado nas eleições. O Exército destacará 1.200 homens para reforçar a segurança em Campos, Macaé, Itaboraí, Rio das Ostras e Magé; já a Marinha controlará as cidades de Cabo Frio e São Gonçalo.