03 de Abril, 2019 - 08:45 ( Brasília )

Segurança

Coronel do Exército traz experiência internacional para a Segurança Empresarial de Itaipu

Alfredo Taranto atuou nas forças de paz da ONU, no Haiti, e foi adido militar do Brasil na Espanha e no Marrocos. Ele foi apresentado nessa segunda-feira (1º) à equipe.

Adido militar do Brasil na Espanha e no Marrocos, em 2015 e 2016, o coronel do Exército Alfredo Santos Taranto assumiu nessa segunda-feira (1º) a Superintendência de Segurança Empresarial da Itaipu Binacional. O oficial também foi assistente do general brasileiro que comandou as tropas estrangeiras (Force Commander) na Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), em 2005 e 2006.

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, general Joaquim Silva e Luna, e o diretor administrativo, João Pereira dos Santos, participaram da apresentação aos gestores da área. Silva e Luna disse que a experiência e o olhar externo trazido pelo novo superintendente vai ajudar a empresa a identificar qualidades e também necessidades de mudança. “Porque mudar é condição natural da vida. No caso da segurança, essa mudança tem que acontecer antes da necessidade.”

Natural de Itu (SP) e criado em Belo Horizonte (MG), Alfredo Taranto chegou à Itaipu exatamente um dia após ter passado para a reserva no Exército. Além da experiência internacional, ele acumula uma vasta atuação em território nacional, que inclui o comando do Grupo de Artilharia de Campanha da Selva em Boa Vista (RR), unidade militar responsável por 700 quilômetros da faixa de fronteira com a Guiana e a Venezuela.

Também foi oficial e atuou na área de inteligência do Estado Maior do Comando Militar do Sul do Exército e serviu três anos na Presidência da República, do final de 2011 ao final de 2014, como coordenador de eventos presidenciais. “Comandei aproximadamente 150 eventos, no Brasil e no exterior”, disse.

Taranto atuou ainda na gestão de recursos humanos como subdiretor da Diretoria de Controle de Efetivos e Movimentações do Exército, área responsável pelo plano de carreira de 70 mil militares brasileiros.

Formado pela Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende (RJ), Taranto calcula já ter feito 15 mudanças de endereço até chegar à reserva. No período, intensificou a formação, incluindo o curso de Comando do Estado Maior, feito na Escola de Estado Maior, no Rio de Janeiro.

Também concluiu três mestrados: em Operações Militares, em Ciências Militares e em Estudos Estratégicos em Segurança Internacional – este último, na Universidade de Granada, na Espanha.

Nova missão

Na Itaipu, o superintendente vai comandar uma área que nasceu praticamente junto com a usina, em outubro de 1974 – na época, como Assessoria de Segurança Física. Hoje, a Segurança Empresarial (margem brasileira) tem 154 empregados do quadro próprio, com dois departamentos e quatro divisões. A missão é “prover a segurança das pessoas e garantir a integridade física das instalações, bem como do processo de geração de energia elétrica na Itaipu Binacional”.

Alfredo Taranto salientou que o diálogo é uma das suas principais características e que as portas da superintendência estarão sempre abertas, a todos os setores da empresa. Ele acrescentou que, no começo do trabalho, pretende ouvir muito e falar pouco. “Minha expectativa é aprender e compartilhar. Trago uma visão de fora para se somar à equipe que já desenvolve um trabalho estupendo há algumas décadas”, disse.

As primeiras impressões de Itaipu e da equipe, segundo ele, foram as melhores possíveis. “A empresa me surpreendeu positivamente. Eu já esperava encontrar o que encontrei em termos de profissionalismo, em termos de comprometimento dos seus empregados. Mas eu acho que vai um pouco além do comprometimento. Você sente nas pessoas que trabalham na Itaipu Binacional o amor pela empresa. E isso faz com que ela seja um padrão de referência para todos os brasileiros e, tenho certeza, também para os paraguaios”, concluiu.



ÚLTIMAS

Segurança

MAIS LIDAS