01 de Agosto, 2011 - 09:52 ( Brasília )

Segurança

O cartel dos estrangeiros - Um país sem fronteiras

Máfia do leste europeu e outros grupos internacionais infiltrados no Brasil comandam o lucrativo mercado do narcotráfico

Alana Rizzo

São Paulo — Há, no país, um grupo de novos brasileiros que quase ninguém vê. Se tiverem sorte, nem a polícia. Os sérvios Goran Nesic e Dejan Stojanovic estavam nesse seleto time, até serem presos. Constavam em listas internacionais de procurados pela Justiça, mas, no Brasil, levavam uma vida quase protocolar. Evitavam relacionar-se com vizinhos e também não ostentavam todo o luxo que tinham. Casados com brasileiras, eles elegeram o estado de São Paulo para viver e comandar o lucrativo mercado do tráfico de drogas. A escolha levou em consideração a infraestrutura da capital e a localização geográfica em relação ao Porto de Santos. Uma agência de turismo na capital paulista garantia a fachada do negócio.

Durante dois anos, o grupo, formado por outros cidadãos da antiga República da Iugoslávia, foi monitorado pela Polícia Federal. Mesmo com visto de permanência no país, concedido pelo Ministério da Justiça, o grupo do Leste Europeu usava documentos falsos — todos tinham vistos regularizados — para garantir a entrada e a saída do Brasil. Nesic, por exemplo, tinha quatro identidades falsas: duas sérvias, uma argentina e uma brasileira. A remessa de cocaína era feita pelo mar. A droga era comprada na Bolívia, passava pelo Brasil e seguia para a Europa e a África do Sul. Cooptavam tripulantes estrangeiros de navios cargueiros ou de cruzeiros de turismo para transportar a carga.

A cocaína era transportada por tripulantes dos navios, escondida no corpo ou em bagagens de mão. Ou pelo método conhecido como “pescaria”, no qual a coca era levada em flexboats (sofisticados botes infláveis com potentes motores de propulsão), à noite, até bem próximo do navio ancorado, para ser então “pescada” para o interior por algum tripulante aliciado pela quadrilha. Outro método utilizado pelos criminosos que atuavam no Espírito Santo era o de ocultar drogas em blocos de granito e mármore para enviá-los à Europa. Uma fiscalização da Polícia Federal descobriu o esquema e foram encontrados no interior das rochas 179 pacotes de cocaína, totalizando 158,7kg do entorpecente.

Núcleos
A Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) identificaram a atuação de três núcleos no país, distribuídos em três estados. O cérebro ficava em São Paulo e era composto por estrangeiros. Na Região Norte, brasileiros controlavam a chegada da droga e, no Espírito Santo, o grupo coordenava as ações portuárias. Os portos escolhidos geralmente estavam ao sul. Cada uma das células era ainda subdividida entre financiadores e colaboradores.

A investigação começou a partir de informações da Serious Organized Crime Agency (Soca), da Inglaterra, e contou com o apoio da Drug Enforcemente Administration (DEA) e das polícias da República Sérvia e da África do Sul. Com o grupo, foram encontrados R$ 2 milhões e 620 quilos de cocaína. A Justiça acatou o pedido do bloqueio das contas bancárias, o sequestro de 31 imóveis, 15 veículos e três barcos. O patrimônio da organização é avaliado em R$ 16 milhão.

Dos 29 denunciados pela Procuradoria da República em São Paulo, seis agiam no núcleo que operava no Espírito Santo e cinco pessoas em estados da Região Norte. A Justiça Federal desmembrou as denúncias relativas a esses réus e as remeteu para as unidades da Federação correspondentes.