15 de Julho, 2014 - 12:30 ( Brasília )

Segurança

Polícia do Chile usa cobre em guichês de imigração para controle de contaminação entre países

35 cabines no setor de controle de imigração, no Aeroporto Internacional de Santiago, no Chile, receberam lâminas de cobre, o objetivo é coibir a transmissão de vírus e bactérias entre países

São Paulo, 15 de julho de 2014 – Em uma ação inédita no mundo, organizada pela Internacional Copper Association (ICA/Procobre) do Chile em conjunto com a Polícia de Investigação do Chile (PDI), representantes da indústria do cobre e instituições ligadas ao transporte aéreo apresentaram as novas instalações das 35 cabines feitas em cobre da Polícia no Aeroporto Internacional Arturo Merino Benítez, em Santiago, utilizada para procedimentos de imigração.

Pelo Chile transitam mais de 6 milhões de pessoas pelo controle de imigração coordenados pelo Escritório Nacional de Estrangeiros e Polícia Internacional. O Objetivo do ICA é contribuir para o controle de doenças transmissíveis por vírus e bactérias, principalmente em locais com alto tráfego de pessoas.

“Está comprovado cientificamente que o cobre inibe 99% de bactérias e vírus presentes em superfícies como as existentes no aeroporto. Com o metal, não só protegemos passageiros chilenos e estrangeiros, como também evitamos possíveis contágios de funcionários da PDI que interagem diariamente com centenas de pessoas, destacou Marcos Sepúlveda, diretor executivo do Procobre no Chile.

O cobre é o único metal que, por suas propriedades antimicrobianas, pode eliminar vírus da Salmonella, E. Coli e o Influenza A/H1N1, por exemplo. Por essa propriedade, desde 2008 a Environmental Protection Agency (EPA), organização encarregada de proteger a saúde humana, nos Estados Unidos, aprovou o registro de ligas de cobre ao certificar sua ação bactericida para uso em superfícies de contato.

Por isso, o metal é cada vez mais usado em espaços com alto trânsito de pessoas e, consequentemente, maior risco de contaminação em massa, como aeroportos, escolas, sistemas de transporte públicos e hospitais.

Ações brasileiras

No Brasil, espaços com alta concentração de pessoas também já receberam superfícies de cobre, como os guichês e corrimões do estacionamento do aeroporto de Congonhas e dois Consultórios Odontológico. De acordo com o diretor executivo do Procobre Brasil, Antonio Maschietto, o objetivo é expandir ainda mais a aplicação no País. “Estamos em negociações com instituições de saúde e educação, por exemplo, para expandir o projeto brasileiro e apresentar resultados eficientes no controle de contaminações”, destaca.

Segundo o executivo, a indústria brasileira também está se preparando para iniciar a produção de móveis e acessórios em cobre, com este mesmo fim. A inciativa começou por meio do setor de saúde. As empresas Hospimetal e Fami lançaram grades de cama, porta soro e bandejas para medicamentos, procedimentos médicos e alimentação de pacientes fabricadas em latão (liga de cobre). Os produtos já estão adaptados para entrar na linha de produção atual de cada empresa.