24 de Março, 2011 - 11:25 ( Brasília )

Segurança

Policiais do Rio usam salas high-tech para simular tiros

Laser é usado no lugar das balas para descobrir se alvos foram atingidos Aluno vai interagir com personagens de filmes; governo do Estado investiu R$ 2,1 milhões em equipamentos

O treinamento das polícias Militar e Civil do Rio passou a contar com salas de tomada de decisão. Nelas, de acordo com o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, serão feitas simulações de ações policiais.

Para montar as três salas -duas para a PM e uma para a Polícia Civil- foram investidos R$ 2,1 milhões na compra dos equipamentos.

Em uma delas, por exemplo, policiais podem simular tiros. No lugar da bala, usa-se um laser para atingir imagens de alvos espalhadas em cinco telas. O laser permite visualizar se o policial acertou o disparo.

A sala tem 120 metros quadrados e está equipada para permitir que o aluno interaja com personagens de filmes, como o de um bêbado que reage a uma abordagem.

Nesse caso, a simulação é feita como se o policial usasse uma arma não letal que emite descargas elétricas.

"Será apresentada ao policial uma série de realidades. Ele [o policial] vai ser testado e treinado para resolver cada uma delas. Temos 30 cenários diferentes", afirmou o secretário.

Após apresentar o novo sistema de treinamento, Beltrame disse que vai propor ao governo do Estado a redução do tamanho de quartéis da Polícia Militar no Rio.

Ele disse que encaminhou a proposta à Secretaria de Estado da Casa Civil.

A ideia, segundo o secretário, é que os batalhões funcionem em prédios menores, como na cidade de Los Angeles, nos Estados Unidos.

As áreas atualmente ocupadas pelos quartéis têm grandes pátios, quadras esportivas e até piscinas.

De acordo com o secretário, os terrenos dos quartéis poderiam ser vendidos para a iniciativa privada.

O projeto prevê que menos soldados fiquem dentro dos quartéis. Com isso, aumentaria o contingente de policiais nas ruas e a segurança dos moradores do Estado.