03 de Junho, 2011 - 09:46 ( Brasília )

Segurança

Governo iniciará mega-ação policial na Amazônia

Até Forças Armadas farão parte da operação para evitar novos assassinatos no Pará, no Amazonas e em Rondônia

Chico de Gois

BRASÍLIA. Uma reunião entre a presidente Dilma Rousseff, quatro ministros e os governadores do Pará, do Amazonas e de Rondônia definiu que uma grande ação policial será desencadeada nesses três estados que vêm enfrentando violência no campo, com o assassinato, nos últimos dez dias, de líderes ambientalistas. Pelo plano traçado, participarão da ofensiva a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, a Força Nacional de Segurança e até mesmo as Forças Armadas.

Não está definido de que forma os militares agirão nem as cidades onde atuarão. De acordo com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, caberá aos governadores solicitar a presença das tropas e depois, em comum acordo, definir as áreas onde elas serão necessárias. O objetivo dessa ação coordenada, segundo Cardozo, é coibir novos homicídios e, ao mesmo tempo, fazer a apuração imediata dos crimes já ocorridos. A operação já tem nome: Operação Em Defesa da Vida.

Cardozo diz que problema será resolvido desta vez
O ministro afirmou que, na semana que vem ele e os ministros da Defesa, Nelson Jobim, e da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, acompanhados de representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), visitarão os três estados para apurar a situação de impunidade nesses locais.

- É necessário que tenhamos inquéritos rápidos para apurar homicídios e é necessário que tenhamos também ações judiciais rápidas para que sejam punidos aqueles que praticaram atos ilícitos - disse Cardozo.

Apesar de o governo federal ter adotado ações semelhantes às anunciadas ontem em situações que ocorreram no passado - e que não resolveram o problema da violência no campo no Norte do país -, Cardozo prometeu que agora as coisas serão diferentes.

- Não estamos jogando palavras ao vento. O que foi falado será cumprido - declarou.

O ministro lamentou a morte do lavrador Marcos Gomes da Silva, assassinado anteontem em Eldorado do Carajás (PA). Apesar da violência e diante de uma lista apresentada pela Comissão Pastoral da Terra que aponta mais de 1.800 pessoas ameaçadas de morte no campo, Cardozo reafirmou o que a ministra da Secretaria de Direitos Humanos havia dito no início da semana: é impossível colocar proteção individual para cada uma dessas pessoas.

- A proteção a pessoas ameaçadas entra em uma política global - declarou.

Governadores pedem união entre os entes federativos
Os governadores elogiaram a reunião e destacaram que é preciso união entre os entes federativos para poder superar o problema.

- Se temos alguma chance efetiva de vencer isso, a exigência fundamental é que estejamos juntos- afirmou Simão Jatene, do Pará, que observou que o combate ao crime não tem fronteiras e que os estados não sentem que haverá uma intromissão federal indevida em seus territórios.

- O crime não tem essa história de ser federal, estadual ou municipal. Ele tem de ser esclarecido e punido - defendeu.

Para Confúcio Moura, de Rondônia, houve uma manifestação política clara de que o governo federal e os estaduais querem resolver a questão. Omar Aziz, do Amazonas, disse que, além da força policial, é preciso haver políticas de desenvolvimento sustentável para os estados.

- Não adianta só força policial. É preciso haver regularização fundiária e desenvolvimento sustentável para a região.