COBERTURA ESPECIAL - Russia Docs - Geopolítica

25 de Outubro, 2017 - 11:45 ( Brasília )

Cem anos após revolução, Rússia de 2017 é mais parecida do que se imagina com a de 1917


Completou 100 anos hoje, quarta-feira, usando o antigo calendário russo, que os bolcheviques de Vladimir Lenin invadiram o Palácio de Inverno no que hoje é São Petersburgo e assumiram o poder.

Não muita coisa mudou, pelo menos em termos econômicos, segundo uma pesquisa do Renaissance Capital, um banco de investimento especializado na região que diz que as Rússias de 1917 e 2017 têm mais em comum do que se poderia esperar.

A dívida, por exemplo: pouco antes da Revolução de Outubro, cerca de um terço da dívida russa estava nas mãos de estrangeiros. Hoje é a mesma coisa.

Antes de 1917, estrangeiros recebiam entre 5 e 8 por cento de renda de dividendos de ações de prestadoras de serviço russas. Hoje é a mesma coisa.

A Rússia pré-soviética ficava atrás das grandes potências mundiais em poderio industrial, mas era considerada equivalente a Brasil e México. Hoje é quase a mesma coisa.

As matérias primas eram o esteio da Rússia antes de 1917, representando dois terços de suas exportações. Essa porcentagem continua igual em 2017, segundo o Renaissance, banco de investimento que se concentra em mercados emergentes.

Finalmente, a Rússia era a maior exportadora de grãos à época. O banco calcula que, entre 2015 e 2017, os países da antiga Rússia imperial eram novamente os maiores exportadores de grãos do mundo.

Isso não significa, claro, que nada mudou. A era soviética, por exemplo, levou a uma alfabetização generalizada, mas o economista Charlie Robertson, do Renaissance Capital, observa que as áreas mais bem-sucedidas do país hoje são aquelas nas quais a alfabetização era mais alta em 1917.

A União Soviética também testemunhou a industrialização, mas nada competitiva quando comparada com a de Reino Unido, Estados Unidos e Japão.

Robertson estima que a Rússia poderia muito bem ter tido conquistas muito maiores se não fosse pela revolução e pelos anos soviéticos que a seguiram, que ele diz terem freado o desenvolvimento de uma economia moderna.

“A Rússia estava convergindo com a Itália, industrializando-se tão rápido quanto o Japão e superando a Espanha na primeira metade do século 20”, escreveu em uma nota.

“Se aquele progresso pudesse ter sido mantido, e sem... surtos de fome e a invasão contínua de inimigos estrangeiros, achamos que a Rússia seria mais populosa, mas rica e mais democrática do que é hoje”, afirmou.


VEJA MAIS