COBERTURA ESPECIAL - Russia Docs - Defesa

18 de Julho, 2017 - 12:20 ( Brasília )

A indústria militar russa avança na esfera civil

Rússia traça planos para substituir importações com produção própria

Por ordem do presidente da Rússia, Vladimir Putin, a indústria de defesa do país está se diversificando e tenta avançar no setor civil para evitar repetir a experiência do final dos anos oitenta e início dos anos noventa.

Naqueles primeiros programas de “conversão” ditados por acordos de desarmamento com os Estados Unidos, sofisticadas fábricas de armamentos começaram a produzir panelas e pás de titânio que envergonhavam os engenheiros de mísseis e carros de combate.

Hoje a situação é outra: a Rússia executa um programa de rearmamento das Forças Armadas e quer desenvolver (e rentabilizar) as aplicações civis das tecnologias militares, mas não pretende reduzir a indústria de defesa, que conta com boa demanda.

Em 2016, a Rússia vendeu 15 bilhões de dólares em armas (cerca de 47,8 bilhões de reais), dos quais 13,1 bilhões de dólares vieram da fabricante Rosoboronexport, segundo Serguei Chemezov, diretor do gigantesco consórcio estatal Rostec, do qual a empresa faz parte.

Diante das sanções ocidentais, a Rússia traçou planos para substituir importações (incluindo tecnologia) com sua própria produção. Na cidade de Nizhny Tagil, no coração dos Urais, está localizada a Uralvagonzavod (UVZ), a maior fábrica de carros de combate do país e uma das maiores do mundo.

De suas vastas e bem protegidas instalações, saíram blindados emblemáticos como o T34, o T72 e o T90 e, em suas oficinas, são dados os últimos retoques à série Armata, a ser produzida e incorporada ao Exército a partir de 2019.

Enquanto os blindados da UVZ servem às batalhas de Bashar al-Assad na Síria, a 140 quilômetros ao sul de Nizhny Tagil, na cidade de Ecaterimburgo, o último “irmão pacífico” desses poderosos carros de combate foi exibido ao presidente Putin.

Trata-se de uma escavadora blindada apta para terrenos íngremes do Ártico e campos minados. Fundada em 1936, a UVZ se desenvolveu a partir de 1941, graças à saída das empresas militares da antiga URSS ocidental (especialmente da Ucrânia) após a invasão nazista.

Hoje, produz vagões, plataformas ferroviárias, carros de combate e tratores, além de blindados. “Não afundamos, mas tampouco viemos à tona. Primeiro temos que emergir, nos estabilizar e, em seguida, alçar voo”, disse o novo diretor da UVZ, Alexandr Potapov, vice-ministro de Indústria da Rússia que em março foi enviado a Nizhny Tagil para sanear a empresa, afogada em dívidas de crises passadas.

Potapov está renegociando empréstimos com bancos russos e descreve a situação como “complicada”. As sanções ocidentais “criaram incentivos adicionais e nos mobilizaram em busca de novos parceiros e novos mercados”, mas o problema é que não há dinheiro barato para a indústria russa e estávamos acostumados a trabalhar com os bancos europeus”, disse Vasily Brovko, um dos diretores do Rostec.

Por ordem de Putin, em dezembro passado a UZV foi integrada ao Rostec. Este megaconsórcio estatal, fundado em 2007, é formado atualmente por 700 fábricas, organizadas em 14 holdings (nove delas no setor militar).

Liderando esse tipo de megaministério, gestor de diversos ativos industriais do Estado russo, está Chemezov, um veterano da KGB que foi colega de Putin como espião na República Democrática Alemã. De acordo com o diretor da UVZ, 30% da produção é destinada ao setor civil, com o restante direcionado ao segmento militar (encomendas do Ministério da Defesa e exportações).

Putin ordenou que as empresas de defesa aumentem a produção civil em 50% até 2030, mas o consórcio Rostec fixou esta meta para 2025. Potapov, que acaba de voltar de Cuba e está prestes a ir para a Índia (dois bons clientes da UVZ), disse que o volume comercial consolidado da empresa aumentou entre 39% e 41% no primeiro semestre em relação no mesmo período de 2016.



No total, 65.000 pessoas trabalham na UVZ, das quais 29.000 estão em Nizhny Tagil. O volume de produção (civil e militar) estimado para 2017 é de 140 bilhões a 145 bilhões de rublos, disse Potapov.

Muito afetada pela crise de 2008, a UVZ “não tinha encomendas em 2010”, diz Boris Mineiev, subdiretor do jornal Taguilski Rabochii. O ano de 2013 foi “particularmente ruim”, e a UVZ pagava a 8.000 pessoas dois terços do salário médio para não fazer nada, porque não queria que demissões causassem tensões sociais, diz o jornalista. Segundo Mineiev, a UVZ se beneficiou das restrições protecionistas impostas pela Rússia em meados de 2013 aos vagões e carros de combate, que na época eram importados da Ucrânia a preços muito baratos.

Mas aquelas medidas não foram suficientes, já que o mercado russo estava saturado com vagões ferroviários. A precária situação financeira da UVZ também foi prejudicada pela gestão, ordenada por Putin em 2007 ao estilo de uma “locomotiva”, de cerca de 40 empresas em várias partes da Rússia, algumas praticamente falidas, para que fossem saneadas e reestruturadas.

A UVZ saneou essas empresas e reestruturou seus processos de produção em um único consórcio, até que, em dezembro de 2016, o presidente o entregou ao Rostec.

Entre as funções deste gigante está a coordenação e a busca de mercados internacionais para suas empresas, assim como a subordinação da indústria estatal à política do Kremlin. O Rostec tenta se adaptar às sanções impostas pela União Europeia e pelos EUA (tanto como empresa estatal russa quanto como produtora no setor de armamentos).

A Rússia está atrás da Espanha nas exportações de alta tecnologia (7,9 bilhões de dólares e 2,2% de participação no mercado global, no caso espanhol, e 7,5 bilhões de dólares e 2,1% do mercado mundial, no caso russo).

“A Rostec é uma empresa global estatal e, quanto maior o barco, menores são as sacudidas quando há tempestade”, diz Serguei Nosov, prefeito de Nizhny Tagil, justificando a integração da UVZ ao megaconsórcio. “A Rostec nos dá estabilidade e a Rosoboronexport garante a chegada de dinheiro das exportações”, disse Nosov, uma figura relevante da política russa em regiões dominadas pela indústria pesada.

Um dos problemas agora enfrentados pela UVZ é a fronteira entre a produção militar e a civil, pois ambas dependem das instalações em Nizhny Tagil.

Dos carros de combate às lâmpadas

Nizhny Tagil não é o lugar ideal respirar ar puro, mas tem melhorado muito graças ao prefeito Serguei Nosov, segundo afirmam vários moradores desta cidade industrial de 360.000 habitantes, que responde por quase 25% do Produto Interno Bruto da província de Sverdlovsk.

O nível de poluição do ar, embora problemático, diminuiu; as estradas são bem pavimentadas; criou-se um corredor verde no centro da cidade; o teatro foi restaurado (graças à intervenção de Putin); e a iluminação pública foi substituída por outra de baixo consumo.

O “reacender” de Nizhny Tagil foi liderado pela Shvabe, uma empresa civil criada a partir da fábrica óptico-mecânica de Ecaterimburgo, antes produtora de lentes e olhos-mágicos para carros de combate e metralhadoras, e que hoje fabrica lâmpadas e incubadoras para maternidades.

A iluminação urbana faz parte do projeto “cidade inteligente” que o consórcio estatal Rostec quer lançar com a ajuda da indústria militar (semáforos com economia de energia, câmeras de segurança, bilhetes integrados de transporte, drones para controle ecológico e serviços para turistas).

O objetivo é criar 50 cidades inteligentes até 2025, diz Vasily Brovko, integrante do grupo de trabalho liderado por Putin para a “digitalização” da economia russa.


VEJA MAIS