COBERTURA ESPECIAL - Russia Docs - Geopolítica

25 de Novembro, 2015 - 09:20 ( Brasília )

Obama pede cautela a Rússia e Turquia

Presidente dos EUA defende necessidade de evitar incidentes como abate de caça russo por militares turcos. Ban Ki-moon pede "avaliação completa" sobre episódio, e ministro do Exterior alemão, "prudência".

Após o abate de um caça russo por militares turcos , o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, defendeu uma redução das tensões entre Rússia e Turquia.

Obama conversou por telefone nesta quarta-feira (24/11) com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, sobre a questão. Ambos os líderes concordaram sobre a necessidade de evitar uma repetição do episódio. Moscou e a coalizão internacional liderada pelos EUA que promove ataques aéreos contra alvos do grupo extremista "Estado Islâmico" (EI) na Síria ainda agem de forma independente no conflito.

O principal impasse para uma união de forças está no fato de a Rússia ser aliada e combater ao lado do presidente sírio, Bashar al-Assad, enquanto a coalizão internacional apoia grupos da oposição moderada e defende a saída de Assad.

Obama ressaltou ainda que os "Estados Unidos e a Otan apoiam o direito da Turquia defender sua soberania". O comunicado da Casa Branca reforça que os líderes buscarão medidas para evitar tais incidentes.

Após o presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciar que o abate do avião militar russo pela Turquia teria "consequências sérias" nas relações entre os dois países , Obama disse que espera que "todos os envolvidos possam recuar e determinar a melhor maneira de atender seus interesses".

"Avaliação completa e credível"

O ministro alemão do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, adotou uma postura semelhante à do líder americano e pediu aos dois países "bom senso e prudência", além de expressar a preocupação de que o incidente possa prejudicar as negociações internacionais sobre o conflito sírio.

"Isso pode significar não somente um retrocesso, mas também a destruição do fio de esperança que acabamos de construir", reforçou Steinmeier, ao pedir que ambos os países dialoguem para diminuir as tensões.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, também pediu medidas urgentes para acalmar as tensões e exigiu uma "avaliação completa e credível" sobre o incidente.

"Ele exige que todos que estão envolvidos em atividades militares na Síria, principalmente ataques aéreos, maximizem medidas operacionais para evitar consequências indesejadas", afirmou Stephane Dujarric, porta-voz do secretário-geral.

O abate do caça é o incidente mais sério envolvendo militares russos desde que Moscou deu início a bombardeios na Síria em apoio a Assad, no final de setembro.

OTAN manifesta apoio à Turquia após derrubada de jato russo¹

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), Jens Stoltenberg, manifestou apoio à Turquia nesta terça-feira depois que o país derrubou um avião de guerra russo perto da fronteira com a Síria e rejeitou qualquer sugestão de que o incidente aconteceu fora das fronteiras turcas.

Perguntado se havia alguma possibilidade de o avião ter sido realmente derrubado dentro da Síria, Stoltenberg disse: "As avaliações que temos de aliados são consistentes com as informações que temos da Turquia", disse ele em entrevista coletiva.

"Nós estamos em solidariedade com a Turquia e apoiamos a integridade territorial de nosso aliado da Otan", disse Stoltenberg.

OTAN pedem calma à Turquia¹

Após reunião de emergência em Bruxelas, embaixadores da Otan pediram nesta terça-feira à Turquia para ter "cabeça fria", depois que a Turquia abateu um avião de guerra russo perto da fronteira com a Síria, disseram diplomatas.

Diplomatas presentes à reunião disseram à Reuters que embora nenhum dos 28 embaixadores da Otan tenha defendido as ações da Rússia, muitos expressaram preocupação de que a Turquia não escoltou o avião de guerra russo para fora de seu espaço aéreo.

"Há outras maneiras de lidar com incidentes desse tipo", disse um diplomata que não quis ser identificado.

¹ Com Reuters