COBERTURA ESPECIAL - Riots - Segurança

09 de Outubro, 2013 - 10:09 ( Brasília )

Vandalismo e medo de violência já causaram prejuízo de R$ 1,3 bi

Conta inclui danos sofridos pelo comércio e gasto com reforço policial

Luiz Ernesto Magalhães

A violência dos protestos ou simplesmente o temor de que passeatas pacíficas terminem em tumultos provocados por black blocs já custaram ao Rio pelo menos R$ 1,319 bilhão desde junho. Nessa conta estão prejuízos do comércio com a queda nas vendas e horas extras pagas a policiais e outros servidores públicos, entre outras despesas, segundo levantamento feito ontem pelo GLOBO. A conta final é difícil I de fechar, porque bancos e seguradoras não divulgaram su-j as despesas, e muitos prejuízos ainda estão sendo calculados.

Desse total, o prejuízo maior é do comércio e de atividades de prestação de serviços em tomo I dele. Indicado pela Associação Comercial do Rio para comentar a situação, o presidente do Clube dos Diretores Lojistas e do Sindi-lojas, Aldo de Moura Gonçalves, ressalta que não existe uma conta precisa. Mas ele estima que o prejuízo, sem contar o vandalismo, chegue a R$ 1,3 bilhão. Além desse valor, R$ 19,1 milhão teria sido arcado por governos e prestadoras de serviços públicos.

Desde junho, ocorreram pelo menos dez protestos que terminaram de forma violenta no Centro. Houve problemas ainda na Zona Sul e na Barra. Quando há expectativa de confusão, muita gente evita ir ao Centro para fazer compras, es; critórios liberam funcionários antes da hora e lojas fecham mais cedo. Com isso, não é só o comércio que deixa de faturar, mas também prestadores de outros serviços, como taxistas e ambulantes legalizados. No dia seguinte aos protestos, muita gente ainda evita freqüentar essas áreas, devido à depredação.

Sem poder prever que passeata terminará de forma violenta, a Secretaria de Segurança estima que já tenha gastado R$ 15 milhões para reforçar o policiamento durante as manifestações. Para se ter uma ideia, os R$ 15 milhões representam a soma que a PM pagou a soldados para trabalharem, fora do seu horário, na Copa das Confederações e na Jornada Mundial da Juventude. Os gastos com armamento não letal não foram divulgados. Ao todo, 53 PMs ficaram feridos durante os atos.



Outras coberturas especiais


Fundação EZUTE

Fundação EZUTE

Última atualização 19 OUT, 20:20

MAIS LIDAS

Riots