COBERTURA ESPECIAL - Prosub - Naval

04 de Março, 2013 - 15:20 ( Brasília )

UFEM - Discurso do Comandante da MB

Apresentação sobre a UFEM pelo Comandante da Marinha Almirante-de-Esquadra Moura Neto


CERIMÔNIA DE INAUGURAÇÃO DA UFEM
Apresentação sobre a UFEM pelo Comandante da Marinha
Almirante-de-Esquadra Moura Neto
Itaguaí, 01 de Março de 2013



Estamos inaugurando, hoje, após três anos de obras, a Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas, a UFEM, parcela significativa de um grande empreendimento, cuja função é permitir que o Brasil possa projetar e construir seus próprios submarinos,aí incluído o submarino com propulsão nuclear, arma que proporciona uma invejável capacidade de dissuasão e defesa, e que o País almeja e persegue, há algum tempo, através do Programa Nuclear da Marinha,

que tantos avanços tecnológicos já garantiu,tais como as ultracentrífugas, responsáveis pelo enriquecimento de urânio, e que já estão sendo disponibilizadas para a INB, Indústrias Nucleares do Brasil, em Resende, para a produção do combustível a ser utilizado nas usinas nucleares de Angra dos Reis,e a construção da planta nuclear para a propulsão do submarino, 100% projetada e sendo produzida no Brasil, e que, por sua característica dual, poderá servir de base para o projeto de plantas nucleares para a geração de energia elétrica.
 
A UFEM será responsável pelas primeiras etapas de construção dos submarinos e está localizada nas proximidades da NUCLEP, onde os cilindros reforçados do casco resistente serão fabricados e onde,no dia 16 de julho de 2011, a Presidenta da República deu início ao corte da primeira chapa desse tão ambicionado empreendimento.
 
As instalações, que estamos inaugurando, consistem de um complexo industrial, onde estamos neste momento, e um conjunto de vários outros edifícios que lhe servem de apoio,tais como uma Escola de Soldagem para qualificar os soldadores, na sensível arte de soldar cascos de submarinos, e entre os quais há representantes da mão-de-obra local, contratados no âmbito do Programa Acreditar.
 
Cabe-me ressaltar, nesse ponto, que o empreendimento como um todo, foi projetado com a preocupação de atender às exigências ambientais, utilizando água aquecida por células solares e água para serviços de esgoto reaproveitada ou proveniente da chuva, como ocorre, por exemplo, no Vestiário dos Funcionários.
 
Na área industrial propriamente dita, temos, à minha direita, a Oficina de Estruturas, que tem a função de fabricar todas as estruturas metálicas que não sejam os cilindros do casco, tais como:

- estruturas externas,
- anteparas internas,
-conveses internos,
-tanques externos de lastro,
- berços que servirão de base para vários equipamentos,
- e tanques internos
.

 
Próximo a essa oficina, temos um Pátio de Estocagem de Chapas de Aço, para o armazenamento e o manuseio do material base da Oficina de Estruturas.
 
Ainda ao lado da Oficina de Estruturas, e próximo ao Pátio de Estocagem de Chapas de Aço, temos a Oficina de Marcenaria e Isolamento Térmico, que será responsável pela confecção do mobiliário, pelo isolamento térmico, pela colocação de lastros e pela montagem das blindagens para a radiação.
 
 Ainda do lado direito, após a Oficina de Estruturas, estão localizados os Laboratórios de Ensaios Não Destrutivos, incluindo duas câmaras para gamografia e raio X.
 
À minha esquerda, na extremidade oposta, está localizada a Oficina de Eletricidade, responsável pela preparação dos vários quilômetros de cabos elétricos, pela montagem de conectores, pela preparação dos equipamentos elétricos que serão instalados a bordo e, finalmente, pela passagem de cabos elétricos e testes das seções.
 
Ainda à esquerda, um pouco mais próximo, está a Oficina Mecânica, destinada à preparação e ao apoio dos trabalhos mecânicos de construção.
 
Continuando a descrição, chegamos à Oficina de Tubulações, que compete em dimensões com a Oficina de Estruturas e está localizada à minha direita, na altura das cadeiras dos convidados. Essa oficina tem duas ilhas, conhecidas como ilha de cobre e ilha de aço, que são responsáveis pela fabricação dos trechos de redes que serão instalados a bordo.
 
Após a Oficina de Tubulações, existem duas outras, sendo a primeira a Oficina de Dutos, responsável pela fabricação dos dutos e de seus suportes;e a segunda, a Oficina de Pintura, responsável pelo acabamento final dos tubos e dutos que serão instalados a bordo.
 
Finalmente, chegamos à Oficina Principal de Montagem, onde a nossa cerimônia está ocorrendo. Aqui, as seções e subseções, que receberemos da NUCLEP, começarão a ser processadas para se transformarem em partes do submarino, recebendo os produtos produzidos nas demais oficinas.
 
Os trabalhos, aqui realizados, incluem a junção das subseções, com toda a complexa tecnologia de alinhamento necessária.

Estão incluídos, nesse caso, os serviços de soldagem das calotas de vante e de ré,e a união dos tanques de lastro ao casco resistente.
 
 Aqui, também serão instaladas as estruturas internas, como anteparas e tanques,eos fixadores e peças de penetração do casco, que somam mais de cem unidades, e que têm de ser soldadas com precisão,  incluindo as escotilhas, a canópula, o torreão,e as peças para instalação dos tubos de torpedo. Fruto da transferência de tecnologia pela empresa francesa DCNS, os seis tubos de torpedo para o quarto submarino convencional serão construídos no Brasil, representando um marco inédito para a indústria de defesa do País, no processo de nacionalização da construção dos submarinos.
 
Entre todas essas penetrações no casco resistente, talvez a que mereça maior atenção, seja o escotilhão para manutenção, que permite a retirada de componentes do sistema de propulsão do submarino, sem a necessidade de se cortar o casco resistente.
 
Esse escotilhão para manutenção tem que ser usinado no local, com ferramentas especiais, e suas dimensões e precisão exigem tecnologia especial, para garantir a segurança do submarino.
 
Após esses trabalhos, conduzidos na UFEM, as seções e os berços serão transferidos, por uma estrada e um túnel, para o Estaleiro de Construção, ao lado da Base Naval,onde os berços e equipamentos serão instalados nas seções, que serão unidas e verificadas,  para o posterior lançamento do submarino ao mar, por meio de um elevador de navios. A partir dessa fase, serão iniciados os testes de cais e de mar.
 
Durante todo o projeto e construção do empreendimento, houve a preocupação em utilizar, ao máximo, a indústria nacional, o que resultou em vencer desafios, tais como a fabricação, no Brasil, da maior prensa da América do Sul, com capacidade de 8000 toneladas, e que existem poucas no mundo.
 
Vários outros equipamentos, como as pontes rolantes de 150 toneladas, que estão acima de nós, foram fabricados no Brasil, totalizando um índice de 95% de nacionalização, resultando em uma injeção na indústria eletro mecânica nacional de 360 milhões de reais, que serão acrescidos, até o término da construção do Estaleiro e Base Naval, de outros 694 milhões de reais.
 
Resumindo, estamos dando, hoje, um grande passo que nos permitirá, não apenas projetar e construir nossos próprios submarinos, dotados de avançada tecnologia, como, também, ver concretizado o nosso sonho maior,  que é o de construir submarinos com propulsão nuclear, ingressando no restrito grupo de países que detêm essa tecnologia, hoje composto por China, Estados Unidos da América, França, Inglaterra e Rússia. Uma aspiração legítima para um País, com capacidade de garantir sua soberania e defender as suas riquezas e o seu povo.
 
Muito obrigado!

Almirante-de-Esquadra Moura Neto

Assista ao Vídeo DNTV  Fábrica de estruturas metálicas para construção do submarino nuclear brasileiro Link



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 18 JAN, 18:40

MAIS LIDAS

Prosub