COBERTURA ESPECIAL - Presidência da República - Pensamento

14 de Julho, 2019 - 11:55 ( Brasília )

PUGGINA - O CENTRÃO E A MÍDIA, ANTES E DEPOIS




Percival Puggina

Membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e titular do site www.puggina.org, colunista de dezenas de jornais e sites no país. Autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia; Pombas e Gaviões; A Tomada do Brasil. Integrante do grupo Pensar+.


Acompanho o Centrão desde o processo constituinte, no qual cometeu o pecado mortal, por ordem de Sarney e Saulo Ramos, de barrar o parlamentarismo. Reconheço  porém que sem ele, confiada a tarefa à esquerda, teríamos um produto final ainda pior.

Sim, sim, a esquerda de então era tão desmiolada quanto a atual. Lula, como constituinte por São Paulo, em discurso do dia 22 de setembro de 1988, falando pela bancada, anunciou que o partido votaria contra a nova Constituição por não ver atendidas as principais reivindicações do PT. Bem opostos eram os motivos  que causavam simétrica apreensão e justificado desgosto ao constituinte Roberto Campos (aprendamos dele e que Deus o tenha).

 Desde então, o Centrão tem participado de todos os governos. Seja quem for o presidente da República, os partidos do conciliábulo da governabilidade o apoiarão com o entusiasmo e o empenho que os favores do governo possam comprar.

A regra de ouro, que poderíamos apelidar, de modo rebuscado, "princípio da comutatividade", foi enunciada por Robertão (ex-deputado Roberto Cardoso Alves): “É dando que se recebe”. Estranhamente, um princípio que o povo conhece e recita de cor, tão aplicado à vida de nossas instituições, com crédito, portanto, para integrar os princípios constitucionais do Estado brasileiro, não aparece nem de soslaio na Carta de 1988. Talvez por embaraço, mas também disso ela foi feita.

Assim viveram, o Centrão e seus protagonistas, durante três décadas, gerando carreiras políticas longevas e famílias que se tornaram casas reais em seus estados, tal o acúmulo de recursos e poder político. A imprensa observou atentamente o fenômeno e o reprovou, legislatura após legislatura.

O Centrão, suas práticas, seu realismo cínico e o envolvimento de muitos de seus membros em casos de corrupção foram sendo identificados e apontados. Afinal, com pequenas variações, um mesmo grupo de partidos governou com Sarney, Itamar, Fernando Henrique, Lula, Dilma e Temer.

Em 2018, no primeiro turno das eleições presidenciais, oito de seus partidos apoiaram Geraldo Alckmin. Essas legendas reuniam mais da metade dos deputados federais na legislatura que findava. Alckmin, porém, ficou com apenas 4% dos votos, o que mostra a revoada do Centrão para ninhos não tucanos.

A sociedade aproveitou as urnas para uma vigorosa lição, substituindo quase a metade das cadeiras (47%) da Câmara dos Deputados e 85% do Senado. Renascia a esperança de termos, enfim, um parlamento mais preocupado com o bem do país do que com as próximas eleições. Aos três meses da posse, porém, o Centrão já estava reconstituído, com tabela de preço na porta.

As perguntas que faço, não sem tristeza e constrangimento, são as seguintes:

• E daí? Melhorou? O perfil desse Congresso é superior ao anterior? 

• Quando haveremos de aprender a dar valor às regras do jogo político e pressionar por uma reforma institucional, reconhecendo que as regras vigentes são determinantes das condutas e perfis dos eleitos?

• Que jornalistas são esses que após décadas de críticas ao princípio da comutatividade e seus custos, agora, por odiarem Bolsonaro mais do que ao Centrão, tecem loas a esse grupo e o exaltam como referência de legitimidade e essência da governabilidade, enquanto incitam os cidadãos a ficarem em casa cuidando das próprias vidas?

Parcela significativa da sociedade, mesmo não entendendo o quanto são viciosas as regras do jogo político, observando a conduta das instituições, percebeu haver medidas que iriam ser adotadas e não o foram porque ela se mobilizou; e haver outras que só foram adotadas porque ela se mobilizou. Isso, só isso, não resolve nosso problema, mas é só o que a sociedade pode fazer no curtíssimo prazo.


Abaixo capas de jornais brasileiros, em 11 Julho 2019.









 


VEJA MAIS