COBERTURA ESPECIAL - Panorama Haiti - Defesa

03 de Abril, 2012 - 09:00 ( Brasília )

Subsecretária da ONU diz apreciar modelo brasileiro de apoio militar à população civil do Haiti


A subsecretária-geral para Assuntos Humanitários da Organização das Nações Unidas (ONU), Valerie Amos, afirmou hoje ter apreço pela maneira como os militares brasileiros integrantes da missão de paz do Haiti se relacionam com a população civil do país caribenho. Valerie reuniu-se nesta manhã com o ministro da Defesa, Celso Amorim, na sede do Ministério, em Brasília.

Durante o encontro, a representante da ONU manifestou o interesse do organismo internacional de conhecer a experiência de apoio das Forças Armadas brasileiras às ações humanitárias que envolvem a população haitiana.  “O Brasil tem hoje um papel-chave nesse tipo de operação”, reconheceu Valerie.

Para o ministro da Defesa, as tarefas desempenhadas pelos brasileiros da Minustah estão bastante relacionadas com atividades típicas de operações humanitárias. Amorim lembrou à subsecretária que a atitude dos militares brasileiros em relação aos civis nas operações de paz é algo que é ensinado “na prática” durante as simulações realizadas nos treinamentos preparatórios para esse tipo de missão.

O Brasil possui hoje o Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB). Criado em 2005 e sediado no Rio de Janeiro, o centro realiza a preparação de militares, policiais e civis brasileiros para missões de paz e de desminagem humanitária. Nos últimos anos, o centro também vem recebendo pessoas de outros países para estágios e cursos.

Celso Amorim convidou a representante da ONU e sua equipe para conhecer o trabalho desenvolvido pelo CCOPAB e reiterou a disposição do Brasil de ajudar as Nações Unidas. “Não é preciso ser rico para demonstrar solidariedade”, disse.

O ministro também ressaltou o relevante auxílio prestado pelas Forças Armadas brasileiras nas recorrentes situações de desastres naturais no país. Amorim lembrou a existência de tratativas e estudos sobre o suporte militar a desastres naturais no âmbito do Conselho de Defesa Sul-Americano (CDS) da Unasul.

O ministro afirmou ainda que estuda a criação de um fórum permanente de discussão e troca de experiências entre os estados brasileiros e entre o Brasil e países amigos nas questões que envolvem apoio das instituições de defesa a desastres naturais e operações humanitárias.

Em visita oficial ao Brasil, Valerie Amos também teve encontros com os ministros das Relações Exteriores, Antonio Patriota, e da Educação, Aloizio Mercadante. Segundo a ONU, o objetivo central da visita é estabelecer diálogos sobre mecanismos de fortalecimento da relação com o Brasil para os temas humanitários.