COBERTURA ESPECIAL - Panorama Haiti - Geopolítica

20 de Março, 2012 - 08:31 ( Brasília )

Militares brasileiros ajudam a melhorar situação sanitária do Haiti


A população de Porto Príncipe, no Haiti, começou a receber este mês a ajuda de militares brasileiros e japoneses para a desobstrução de canais e valas da cidade, antes da estação das chuvas.

O objetivo é minimizar problemas causados pelo acúmulo de lixo, como inundações, propagação de doenças e interrupção do tráfego, além de melhorar a situação sanitária da capital haitiana.

A iniciativa, conhecida como Projeto Ravinas, atende a um pedido feito pelo governo do país caribenho à Missão das Nações Unidas para a estabilização no Haiti (Minustah).

Na primeira fase do projeto, 30 militares brasileiros da Companhia de Engenharia de Força de Paz no Haiti (Braengcoy) e 18 oficiais da Companhia de Engenharia do Japão atuam juntos na limpeza de um canal na Rue Capois, área central da cidade, próxima ao Palácio Nacional.

“A principal dificuldade desse trabalho é que a população joga nos canais pneus, latas, embalagens plásticas e de isopor, garrafas PET, além de todo o esgoto da área. A distância do local de coleta do material até o aterro sanitário também é uma barreira a ser superada”, explica o subtenente do Exército Antonio Ezequiel de Sousa Barros, que coordena as ações da Braengcoy.

Até o último dia 14, já haviam sido recolhidos 1.700 m³ de entulho no local, índice superior à meta prevista pelo governo do Haiti, de 1.600 m³. O maquinário empregado na região inclui duas escavadeiras, uma retroescavadeira, duas pranchas, dez caminhões basculantes e um caminhão de transporte de água.

Os trabalhos de limpeza são auxiliados pela Companhia de Engenharia da Guatemala e pelo 2º Batalhão de Infantaria Brasileiro (Brabat II). Enquanto a companhia guatemalteca fica responsável pelo apoio de segurança durante os deslocamentos, cabe ao Brabat II realizar a segurança no local da ação e armazenar os equipamentos, que ficam estacionados na base brasileira em Porto Príncipe.

Além da Rue Capois, militares brasileiros e japoneses vão trabalhar também na limpeza da favela Fort Dimanche. Numa etapa posterior, as companhias de engenharia do Chile/Equador e do Paraguai vão ajudar a desobstruir os canais da favela de Village de Dieu, no sudoeste da capital haitiana. A primeira fase do projeto vai até o final de março. A duração estimada das duas etapas é de 70 dias.