COBERTURA ESPECIAL - Panorama Haiti - Defesa

30 de Maio, 2011 - 19:00 ( Brasília )

Peacekeepers receberam homenagem por trabalho em favor de um mundo fraterno

O dia do Integrante de Missão de Paz foi comemorado pelas Forças Armadas Brasileiras. O ano de 2010 foi trágico para as tropas em Missão de Paz

Jose Romildo, com o apoio do CCOPAB
Fotos: Élio Sales (MD) e CCOPAB
Assessoria de Comunicação Social
Ministério da Defesa

Brasília, 27/05/2011-  O mundo está orgulhoso do trabalho desenvolvido pelos peacekeepers “em prol da proteção de nossos de nossos irmãos mais vulneráveis e da construção de um mundo fraterno, justo e equilibrado”. Esta foi a mensagem do ministro da Defesa, Nelson Jobim, em Ordem do Dia lida durante solenidade que comemorou o Dia Internacional dos Peacekeepers, na sexta-feira (27/05), no Setor Militar Urbano, em Brasília.

Ainda no evento, o ministro interino da Defesa, general Enzo Martins Peri, depositou flores em frente a um capacete azul, que simbolizou os militares brasileiros que morreram em território estrangeiro na luta pela paz. Compareceram à cerimônia o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, o chefe do Estado-Maior Conjunto da Defesa, general José Carlos de Nardi, o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito e o comandante interino da Marinha, almirante Luiz Umberto de Mendonça. O general Enzo substituiu o titular da pasta, ministro Nelson Jobim, que se encontra participando da Conferência dos Ministros de Defesa da América do Sul, em Buenos Aires.

Os peacekeepers desfilaran juntamente com tropas da Marinha, Exército e Aeronáutica. Representantes diplomáticos de nações que contribuem com as ações de paz da ONU também compareceram  para assistir ao desfile e participar das homenagens aos peacekeepers.

Atualmente, existem 2249 peacekeepers brasileiros em missões da ONU em todo o mundo. A última missão em que peacekeepers brasileiros foram chamados a atuar foi a Força-Tarefa Marítima, aprovada pelo Ministério da Defesa, em janeiro deste ano, composta por 10 oficiais e praças da Marinha brasileira, unidade que integra a Força Interina das Nações Unidas no Líbano (Unifil). A maior missão de paz de que o Brasil participa é a Missão para a Estabilização do Haiti (Minustah), iniciada em 2004. Atuam no Haiti, hoje, 2166 militares brasileiros.

Jobim fez referência aos resultados do trabalho dos peacekeepers. “Tropas da ONU têm salvado inúmeras vidas e produzido resultados tangíveis. Muitos países estão hoje em situação mais estável por causa de seus esforços, incluindo Namíbia, El Salvador, Moçambique, Angola, entre outros”, disse Jobim, na mensagem.

CCOPAB

O dia 29 de maio é, na verdade, a data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) para comemorar o Dia Internacional dos Mantenedores da Paz. Como a data caiu em um domingo, o Ministério da Defesa antecipou as comemorações no Brasil para sexta-feira (27/05). A data foi instituída pela ONU para homenagear homens e mulheres das Forças Armadas dos países membros do organismo que contribuem para estabilidade política, econômica e social do mundo, para a resolução de conflitos, para o progresso social e para a defesa dos direitos humanitários das nações em perigo.

O Centro Conjunto de Operações de Paz do Brasil (CCOPAB), em 27 de maio último, também realizou uma cerimônia militar, homenageando os Mantenedores da Paz das Nações Unidas (“Peacekeepers”). A cerimônia aconteceu na Av. Duque de Caxias, Vila Militar, Rio de Janeiro. Estiveram presentes à solenidade alguns integrantes da primeira participação de tropa do Brasil em uma missão de paz (Batalhão Suez) e do Destacamento Brasileiro da Força Interamericana de Paz (FAIBRAS), na missão da Organização dos Estados Americanos (OEA), na República Dominicana; também compareceram comandantes de Organizações Militares da Vila Militar e outras personalidades civis.

Homenagem póstuma, com a aposição floral, no memorial dos militares e civis brasileiros mortos em missões de paz foi realizada durante a cerimônia. A homenagem se destinou aos que, com extrema dedicação e coragem, perderam suas vidas na intermediação necessária para o fim das hostilidades e na busca de uma paz duradoura. Outro evento relevante ocorrido nessa cerimônia foi a entrega da medalhas do Batalhão Suez a militares e civis que vêm prestando significativa colaboração em prol da causa da paz.

ORDEM DO DIA
DIA INTERNACIONAL DOS “PEACEKEEPERS”
BRASÍLIA, 2011.05.27.

Neste dia, prestamos homenagem aos homens e mulheres que participam de operações de paz da ONU em todo o mundo e nos recordamos com gratidão de seus sacrifícios – que incluem muitas vezes a entrega da própria vida a serviço da paz.

Tropas da ONU têm salvado inúmeras vidas e produzido resultados tangíveis. Muitos países estão hoje em situação mais estável por causa de seus esforços, incluindo Namíbia, El Salvador, Moçambique, Angola, entre outros.

Hoje, a manutenção da paz das Nações Unidas está sob grande pressão devido ao aumento do volume e da complexidade das operações em todo o globo. Nos últimos anos, a ONU criou novas missões em rápida sucessão, o que aumentou não somente a demanda por tropas bem equipadas e treinadas, mas também por policiais qualificados. Cerca de 124.000 soldados de 115 países estão atualmente servindo em mais de uma dezena de missões ao redor do mundo.

Para aumentar a eficácia das missões de paz, estamos trabalhando para assegurar que os mandatos de manutenção da paz sejam credíveis e exeqüíveis. A liderança das missões precisa ser forte e estar amplamente respaldada do ponto de vista político. Da mesma forma, a construção da paz apresenta-se como crucial para o sucesso das estratégias de saída das crises que suscitaram a criação das missões de paz.

A Missão de Estabilização da ONU no Haiti (MINUSTAH) é um exemplo do que pode ser feito por meio da solidariedade internacional. O Brasil, ao liderar essa missão, afirma de modo inequívoco sua vocação para o altruísmo e o avanço dos valores humanistas.

Tragicamente, as Nações Unidas sofreram ano passado o maior número de baixas em um missão de paz, quando 96 soldados da MINUSTAH morreram no terremoto de 12 de janeiro no Haiti. Neles estão incluídos vários heróicos brasileiros.

Quando nos lembramos desses indivíduos e honramos as suas memórias, comprometemo-nos a apoiar continuamente os milhares de soldados e policiais mobilizados em todo o mundo, responsáveis por garantir que milhões de inocentes tenham suas vidas preservadas da barbárie da violência.

Para os capacetes azuis da ONU desdobrados em torno do mundo, e em especial para os oficiais e praças das Forças Armadas brasileiras que ora servem em missões de paz, registre-se aqui o meu muito obrigado pela sua dedicação, profissionalismo e coragem. O mundo, em geral, e o Brasil, em particular, está orgulhoso do trabalho que desenvolvem em prol da proteção de nossos irmãos mais vulneráveis ??e da construção de um mundofraterno, justo e equilibrado.

NELSON AZEVEDO JOBIM
MINISTRO DE ESTADO DA DEFESA