13 de Novembro, 2014 - 10:20 ( Brasília )

Pensamento

Comentario Gelio Fregapani - Shale Gás, Estado Islâmico, Gayzismo, Impeachment?, Perspectivas, Esperanças e desesperanças e Separatismo


Assuntos

No Mundo: Shale Gás, Estado Islâmico e Gayzismo

No nosso País: Impeachment?, Perspectivas, Esperanças e desesperanças e Separatismo
 
No Mundo


Os EUA fizeram recentemente uma venda de petróleo bruto para a Coréia do Sul.  Muitos viram o fato como indício de que o shale gás seria um sucesso, que os EUA  seriam novamente  exportadores de petróleo.  Entretanto, talvez seja apenas uma operação de guerra comercial para baixar o preço e quebrar a economia da Rússia, Irã, Venezuela e de outros exportadores que lhe são hostis, mesmo com sacrifício momentâneo. Quem sabe?

O Estado Islâmico (ISIS) já demonstrou que não será facilmente dominado. Com seu barbarismo sem limites nos dá ímpeto de nos aliarmos aos EUA em uma nova Cruzada, mas temos algumas indagações: Como podem os terroristas do Estado Islâmico (ISIS) vender petróleo no mercado internacional, tão controlado por Washington? Haverá alguma aliança secreta entre eles? O que há por trás  disto tudo?

Como todos sabem, o comunismo (ou marxismo) tem como alvo central a extinção da propriedade privada. Na leitura marxista, a família tradicional monogâmica (homem, mulher e filhos) é a causa do surgimento da propriedade privada, é o que Engels escreveu em seu livro "A origem da família, da propriedade privada e do Estado.” Em consequencia, para eles, a instituição da família deve ser destruída.

 Deu para perceber a origem do “gayzismo” militante?". Não é bem coisa de gays, esses preferem a privacidade. É coisa de comuna mesmo.

No nosso País


Impeachment?

Aparentemente derrubar um Presidente filiado ao maior partido do Congresso não seria fácil, mas não se trata apenas dos 48% dos votos da oposição, mas também da “rebelião” do PT e da base aliada na Câmara, apavorada com os desdobramentos da Operação Lava-Jato  que tudo indica, tem potencial para implicar uma centena de deputados do governo e uns quantos da oposição.

Muito do que está impulsionando o “impeachment” tem intenção de forçar a Presidente a brecar as investigações, coisa que ela não conseguiria fazer e talvez, nem deseje já que nunca se afinou muito com a turma do Zé Dirceu. Somando os “rebelados” com boa parte da oposição que prefere afundar o País a ficar por mais quatro anos fora do governo, fica fácil prever que haverá embates no Congresso, como também na  opinião pública, pois a sabotagem da economia pela oligarquia financeira, com os investimentos secando e a mídia promovendo o pessimismo,  tende a conferir legitimidade ao afastamento da Presidente. O STF até poderia tentar barrar um impeachment, mas a falta de credibilidade faz com que, mesmo com legalidade, lhe falte legitimidade.

Nem tudo ficaria bom. Um processo de impeachment poderia demorar meses para tramitar. Os negócios seriam paralisados por conta da incerteza à espera do desfecho, afundaria ainda mais a economia e poderia trazer outros efeitos colaterais inconvenientes para a politicalha, incluindo convulsões sociais e o “quem” assumiria o governo, que acabaria nas mãos doa militares, os únicos com credibilidade. Só neste caso os corruptos teriam o que merecem.
 

Perspectivas

A suspeita de fraude vinha de antes da eleição e se fundamentava pelo passado partidário de influentes pessoas do TSE, de qualquer forma, a intensa campanha ampliou a suspeita, deixando prever que uma derrota não seria aceita pela oposição. Salta aos olhos a analogia com a situação política de 1930.

Afinal, teria havido fraude? Certamente. Provavelmente tem havido fraudes em todas as eleições em nosso País. É claro que fraudes muitas vezes podem não ter sido decisivas, mas sempre houve e talvez tenham sido reduzidas na medida em que se aprimoraram os métodos de fiscalização. A eleição está terminada. Preocupante é que poderá acontecer no futuro próximo, pois parece evidente que as dificuldades do novo período governamental serão imensas. Para reconquistar o apoio da população Dilma terá que reiniciar para valer faxina que uma vez ensaiou e interrompeu em nome da “governabilidade”, mas isto jogaria os sanguessugas aliados e partidários nos braços da oposição, o que resultaria em impeachment certo.

Poderia ela talvez apoiar-se nas Forças Armadas pedindo-lhes apoio (intervenção a pedido de um dos três poderes, conforme a Constituição), mas como faria isto enquanto apóia a revanchista Comissão da “Verdade”? Ela teria que enfrentar com força e firmeza as invasões do MST e dos movimentos indigenistas, teria que dar um basta no excesso de ambientalismo que trava o progresso, mas como faria isso contra as proprias bases de seu partido?

E com as dificuldades econômicas causadas pela queda de preços das nossas commodities somadas as dificuldades impostas pelas oligarquias financeiras internacionais, que fará a economia declinar e aumentará o nível de desemprego?  Isto provavelmente colocará  a população contra o Governo reforçando o setor da oposição que não aceita acordos.

Enquanto isto, com o governo enfraquecido e o País convulsionado, as pressões estrangeiras para a tomada dos recursos naturais e até mesmo para a independência das áreas indígenas terão reforçadas as condições para desmanchar o País que juramos defender.

Esperanças

Se o País conseguir se equilibrar até lá, já a partir do segundo semestre de 2015 começarão a entrar em funcionamento grandes obras como a transposição do São Francisco; as Hidrelétricas de Belo Monte, de Jirau e de Santo Antônio; a expansão de metrôs, dezenas de pontes, grandes trechos da Ferrovia Norte Sul; ampliação e modernização de vários aeroportos e de portos, de plataformas de petróleo e até a refinaria Abreu e Lima, que, se controlada a roubalheira, será a mais moderna do país.

O futuro senador Antonio Reguffe (DF) prometeu na campanha que não usaria o carro oficial com motorista se eleito. Como deputado já não tinha assessorias e não aceitou receber auxilio Moradia nem os 14° e 15°  salários.

A editora Capax Dei lança o magnífico livro “Como se Constrói uma Nação” Vale a pena ler. Editora Capax Dei Link
 
Desesperanças


Prisioneiro da base parlamentar, governo tende a caminhar para a mesmice.

Enquanto no plenário do Senado, o senador Aécio Neves fez duro discurso condicionando a aceitação do diálogo à apuração e  punição dos crimes  do Petrolão, numa reunião dos dirigentes do PT e PSDB, ficou combinado assim: “Vamos excluir os agentes políticos e os citados nas delações premiada. Todo mundo concordou, e os grandes acusados, mais  envolvidos no Petrolão sairão livres da CPI. Nem ouvidos serão, sejam eles do Governo ou da Oposição. Punição? – Não, pizza.
 
De juros e encargos da dívida em 2013 o nosso Brasil pagou R$ 156 bilhões. Com os juros dos mais altos do mundo,só em 2014  pagamos R$ 825 bilhões credores da dívida, o que equivaleu a 51% dos gastos públicos até 9 de setembro de 2014.

É infantil acreditar que juros altos controlem a inflação,eles apenas encarecem a produção. Ainda temos a remessa de lucro, que em 2013 alcançou quase US$ 40 bi.  Não pode dar certo, pois não sobra recurso algum para investimento. As despesas com o assistencialismo e mesmo com a corrupção desenfreada se eclipsam diante do montante de jurosNossas veias estão abertas. A fortuna que sai do Brasil anualmente está impedindo que a maior parte da riqueza gerada pelo nosso trabalho e pela generosidade do nosso solo (incluindo as jazidas minerais, que dão “uma safra só”) seja empregada no desenvolvimento humano e social, que deveria ser o verdadeiro objetivo da atividade econômica. 

Noventa e seis quilombolas reivindicam área maior do que Sergipe na Amazônia, cada quilombola teria uma área de 45 parques Ibirapuera, A área reivindicada pertence ao parque ecológico do Jaú, portanto é uma área inútil enquanto for vedada a exploração econômica.  Só para comparar, na Raposa/ Serra do Sol, cada índio dispõe de “apenas” meio Ibirapuera.

É um jogo de absurdos, mas ao menos nenhum quilombola falou , até hoje, em independência como uns quantos índios incitados pelas ONGs o fazem.

No início dos anos 80, a jornalista belga Cláudia Andujar maquinou a farsa da nação ianomâmi e o governo federal desencadeia uma operação secreta de espancamento de garimpeiros para contentar as pressões anglo-americanas. Já neste século foi mais grave, pois retirou a força os brasileiros que legitimamente e secularmente cultivavam a terra na Raposa-Serra do Sol e para a criação dessa reserva utilizou-se laudos fraudulentos conjugada à violência terrorista. Agora, temos nova farsa em estado de gestação: a nação Cué-Cué Marabitanas entre a ianomâmi e a S. Marcos, esta colada na Raposa, em conjunto abrangendo praticamente toda a fronteira Norte. O arco indigenista de 3.000 km de extensão se fecha sobre a Amazônia.
           
O que se pode deduzir da manobra indigenista, com pleno apoio da Funai e do Cimi e de milhares de ONGs, tanto nacionais quanto estrangeiras, o problema no norte de Roraima e Amazonas é muito mais grave do que imaginamos. Estamos ameaçados de perder território e enquanto isto ficamos discutindo reeleição ou não e financiamento público de campanhas políticas.

 

Petrobrás

A campanha pela nossa autonomia no campo do petróleo foi das mais polêmicas da história A partir. de 1947 o país dividiu-se entre aqueles que achavam que o petróleo deveria ser explorado por uma empresa estatal brasileira os que defendiam que deveria ser  explorado por empresas privadas, estrangeiras ou brasileiras. Os nacionalistas argumentavam que se o Brasil não criasse uma empresa estatal, aquele produto estratégico para o desenvolvimento econômico, seria oligopolizado pelas grandes corporações internacionais. Pelo país afora os debates se ascenderam.A campanha nacionalista foi liderada pelo escritor Monteiro Lobato.

Em 1953 encerrava-se uma CPI que desvendou centenas de assassinatos, ligações ocultas da ESSO com políticos e as propinas pagas a colaboradores que a ajudaram a ocultar por duas décadas a descoberta do petróleo. A ESSO recebera fortunas para pesquisar o petróleo no solo brasileiro. Mapeou o petróleo do Recôncavo, mas negou a sua existência por 20 anos.

Os nacionalistas, a favor do monopólio estatal, foram taxados de comunistas pela grande imprensa que defendia os interesses privatistas, mas mesmo assim a oficialidade do Exército mostrou-se simpática a estatização do petróleo,. Finalmente, depois de uma batalha parlamentar de 23 meses, o Senado terminou por aprovar a criação da Petrobrás, sancionada por Vargas em outubro de 1953.   

Sob ataques, a Petrobras:  quase virou  Petrobrax . FHC encaminhou ao congresso a alteração do estatuto da Petrobras para possibilitar a posse de um presidente estrangeiro (Reischtull), que colocou cerca de 35% das ações da Petrobras a baixos preços na bolsa de Nova Yorque, fazendo um início de “desnacionalização" . Entre 1996 e 2002 a Petrobras  teve a terrível baixa nos quadros de funcionários.

Cerca de 15 mil profissionais experientes, pressionados por ameaças de demissões, saíram em  desligamentos voluntários, desmontando a estrutura organizacional. Forçada pelo genro David Zilbersztajn ( presidente da ANP),  a Petrobras teve que entregar para a ANP os mapas do petróleo que a empresa lutou mais de 40 anos para obter e a investiu bilhões nas descobertas e os mapas foram dados de graça para as companhias estrangeiras, que compraram os blocos a preços de banana nos leilões dos blocos petrolíferos. Mais um pouco de tempo daquele governo a Petrobrás teria o mesmo destino da VALE – a desnacionalização.

Durante os governos do PT diminuiu significativamente as desnacionalizações, mas iniciou a era das grandes corrupções e gestão deficiente. Entretanto, a Petrobrás tem avançado e ainda há muito idealismo em seus quadros. Na gestão de Graça Foster, contra as expectativas, alguns dos malfeitos vão sendo corrigidos. A exposição das milionárias corrupções claro que lhe abalou a credibilidade, mesmo assim tem seguido avante.

A guerra contra a Petrobrás tem sido contínua, mas ao que pesem os superfaturamentos, fez muitos investimentos para se preparar para o pré-sal. Ultrapassará a atual crise e as extrações de Petróleo devem se quadruplicar nos próximos três anos. É importante que não se permita a desnacionalização, especialmente agora que estamos próximos da vitória.

Incoerência

Não se comemora a Revolução de 30, movimento popular que rompeu com o atraso da política do café com leite. Proíbe-se comemorar a Revolução de 64, um movimento popular legítimo que elevou o nosso País a uma potência. Certamente se comemorará a Proclamação da República, uma traiçoeira sedição militar que vergonhosa e ilegalmente acabou com o melhor governo que já tivemos e lançou o nosso País no caos, causando diversas revoluções e rebeliões, inclusive genocídios.

Contudo, serve para lembrar que nenhum governo se sustenta sem ao menos o consentimento de suas Forças Armadas. Fiquem cutucando a onça com as falsidades da Comissão da “Verdade”e vejam o que acontecerá.
.
Separatismo

É assustadora a força pela implosão do País – Brasil.

Só insensatos duvidam que a união faz a força. Quanto mais dividido um país, mais fraco ele fica.  Os ambiciosos sempre usaram a estratégia de dividir os povos a conquistar Quando o nosso Brasil, vítima da predação comercial, exportava suas mercadorias sob direção das casas comerciais britânicas e tinha as finanças externas e a infra-estrutura controladas por bancos e empresas estrangeiras, não havia pressões para separatismos, mas ao aparecer, com capitais nacionais,  a promissora industrialização depois da Revolução de 1930, começa o fomento ao divisionismo, que aumenta a cada passo que damos em direção a soberania, com ligeiros intervalos como quando precisaram de nossa aliança na II Guerra e na Guerra Fria.

A partir do colapso da União Soviética, desnecessário o nosso apoio, surge outro tipo de pressão: as gigantescas reservas indígenas para se tornarem independentes a longo prazo, visando agora o roubo das fantásticas jazidas minerais de seu subsolo.  Mais de 10% do território já está dividido em áreas indígenas fugindo ao espírito de integração. Reavivam-se línguas pré colombianas no esforço para afastar os diferentes grupos da comunidade nacional 

Esses são os antecedentes do presente tsunami de ambição que leva os pró-imperiais de hoje a fomentar a divisão entre as regiões Norte / Nordeste e o Sul, atribuindo a uns as misérias do País e ao outro o papel de explorador,  quando elas  provêm do modelo dependente, adotado, quando a política passou a favorecer os cartéis transnacionais entretanto, um exame de nossa História mostra que o separatismo não vingará.Separatismo porque votam mal?

Quem não vota mal neste nosso Brasil  A gauchada mesmo, volta e meia, coloca um “comunopetista” no governo do estado. Mas lá, Caxias conclamou “Marchemos ombro a ombro e não peito a peito” e quando o estrangeiro ofereceu auxílio aos Farroupilhas recebeu como resposta: “O primeiro soldado de vossas tropas que atravessar a fronteira, fornecerá o sangue com que será asnada a paz de Piratini com os Imperiais. Acima do nosso amor à república colocamos o nosso brio, a integridade da Pátria.

Analisando com profundidade concluímos que as oligarquias financeiras internacionais sabem que não conseguirão separar o Sul do Norte/Nordeste e as pressões visam mesmo é enfraquecer a união nacional para tornar mais palatável a independência indígena. Isto e o acovardamento oficial desarmando as pessoas de bem formam um eficiente conjunto de Operações Especiais capazes de nos amputar a parte do território com as mais ricas jazidas. Eles não conseguirão  seus intentos.
 
Que Deus nos inspire na luta pela nossa integridade
 
Gelio Fregapani

Notas DefesaNet

Pelas comemorações dos 50 anos do Centro de Instrução de Guerra de Selva (CIGS), a Revista Verde Oliva entrevistou o Cel Gelio Fregapani, que foi o 6º Comandante do CIGS. Link