31 de Maio, 2013 - 16:26 ( Brasília )

Pensamento

Comentário Gelio Fregapani - Bolsas, Clima, Energia, Linha vermelha, Economia e O complexo de vira-lata



Assuntos:  Bolsas, Clima, Energia, Linha vermelha, Economia e  O complexo de vira-lata
 


Bolsas tudo

Inicialmente, concordamos que o  melhor programa social que existe chama-se trabalho. É ele que garante dignidade ao ser humano. Nos anos 40 se ensinava às crianças que o trabalho afastava três grandes males: o tédio, o vício e a necessidade. A própria Escola Superior de Guerra indica, como um dos objetivos nacionais o “pleno emprego”, entretanto, é forçoso reconhecer que é mais fácil indicar do que realizar. Sempre haverá quem, por motivos alheios a sua vontade, esteja sujeito aos males citados, especialmente à necessidade.  As “cestas básicas” talvez tenham sido instituídas como uma caridosa forma de amparo aos mais carentes, mas sem dúvida foram usadas como f orma de controle social, no mínimo desde o Império Romano. Não foram inventadas pelo Lula, mas entre nós, ele as ampliou ao limite do inconcebível sem olhar os efeitos colaterais. Infelizmente a ampliação continua no atual governo.
   
No nosso País, o sistema de fornecimento de cesta básica/bolsa família não foi de todo ruim. Foi ele que manteve a indústria, a agricultura e o comércio funcionando durante a última crise financeira, mas nação alguma pode sustentar esse sistema permanentemente a não ser que tenha uma receita de petróleo que financie todos os gastos.
   
Considerando a tendência de redução da população, a bolsa família em função do número de filhos é um excelente investimento a longo prazo, mas daí para a proliferação de bolsas – bolsa prostituta, bolsa universitário, bolsa aidético, bolsa toxicômano, bolsa tudo, vai faltar quem paga, além de amolecer uma multidão que não mais sentirá necessidade de trabalhar. Um dia essas bolsas terão que ser retiradas, e aí quero ver. A recente depredação de agências da Caixa já deu a resposta.
   
A verdade é que não se sai da pobreza sem trabalho. A assistência tem que ser provisória, senão gera dependência e parasitismo. Cabe ao Governo promover o desenvolvimento para gerar empregos .Enfim, dar condições a que cada um cuide de sua vida, pois em breve o poço terá que secar, seja por decisão governamental ou por o Estado ter falido.

A antiga formula romana de “Pão e Circo” só funciona por pouco tempo. É só estudar  História.
 
Algumas consequencias geopolíticas das mudanças no clima
   
È verdade que o gelo do Oceano Ártico está derretendo aceleradamente, o que deu motivo para a falaciosa teoria do aquecimento global.  Já está provado que ciclicamente o Atlântico e o Pacífico, isolados do Ártico por uma barreira de gelo nas rasas passagens, se aquecem e derretem a barreira, penetrando e derretendo as banquisas do Oceano Ártico. A evaporação daquele oceano, agora liquefeito, rapidamente condensa e congela, causando grandes nevascas no hemisfério Norte, mas no oceano Ártico o gelo continua derretendo até que a neve acumulada naquele hemisfério seja tanta que baixe o nível do mar, a ponto de obstruir as rasas passagens das águas do Atlântico e do Pacífico. O oceano Ártico, isolado dos mares quentes, volta a congelar, e ao subir o nível dos mares pelo derretimento da capa de neve, novamente o ciclo climático recomeça.

    
Estamos vivendo a fase de derretimento do gelo do Ártico e do aumento das nevascas no Hemisfério Norte. No início do processo serão exploradas as jazidas de petróleo que consta existirem no Ártico e que podem ser fonte de atrito e será aberta a rota marítima direta da América, Europa e Ásia pelo Ártico. Em um prazo maior haverá outra Idade do Gelo no Hemisfério Norte e as nevascas impedirão a habitação humana dos 50 graus norte até as proximidades do oceano Ártico.

   
O fenômeno não deve ser idêntico no Hemisfério Sul pois o Antártico não está sobre um oceano, mas sobre um continente, mas mudanças no clima  e no regime de chuvas podem ser esperadas.    

 
A inserção da energia eólica na matriz energética

A matriz de energia a base de hidrelétricas tem colocado o nosso País em uma posição vantajosa, e vinha em desenvolvimento contínuo desde o governo de Jucelino até o final do período militar. Bruscamente interrompido o desenvolvimento por FHC em benefício das termoelétricas a gás boliviano, resultou no “apagão”e na dependência, de acordo com o plano tucano para manter o País satelizado.
   
Retomada a construção de hidrelétricas no atual governo, enfrenta a forte oposição do movimento ambiental/indigenista, e o que é pior, os “donos” não mais o Estado nem empresários nacionais, mas firmas estrangeiras e as vezes estatais estrangeiras.

    
É neste “imbróglio” que desponta uma fonte complementar, barata e limpa, com condições de ser inteiramente nacional: a energia eólica. Mercê de ventos fortes e constantes principalmente no litoral nordestino, teria condições de fornecer até 10% das necessidades nacionais, deslocando as caras e poluentes termoelétricas que  são oriundas de uma negociata de fazer sombra ao”mensalão petista”.

    
Como se poderia esperar, o lobby das “termo” e seus aliados entrou em ação para dificultar, e se possível impedir o desenvolvimento das eólicas; de uma forma ou outra conseguiram que a eólica não entrasse no leilão passado; que para o próximo tivessem que construir as linhas de transmissão, que as termo recebem de graça, além de outras restrições para que essa fonte, das mais competitivas fique mais cara
daqui para frente. Certamente os custos das eólicas vão subir entre 10% e 15% e oferta de novos projetos tende a ser menor.
    
Os efeitos serão sentidos no dia no dia 23 de agosto, quando a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) realiza o primeiro leilão de energia nova deste ano, para projetos que vão entrar em operação em setembro de 2015. Todos sabemos que esse tipo de conchavo só prospera em ambientes fechados. Na medida em que mais gente tome conhecimento eles tendem a diminuir, pois dificilmente as pessoas agem mal em público.
 
A “Linha Vermelha”
   
No jargão dos estrategistas, “linha Vermelha” significa o limite cuja ultrapassagem não será tolerada. Assim, a OTAN anuncia que a linha vermelha no Irã seria a construção de um artefato nuclear, e na Síria o uso de agentes químicos, (as vezes parece que seja a possibilidade de vitória do Governo).

   
Em nossa situação interna, podemos, em um exercício de futurologia, traçar duas linhas vermelhas:  Uma relativa a nós, militares, que seria a ameaça concreta de vinganças no modelo argentino. Chefiados por seus comandantes ou não, certamente os tanques estariam na rua. Como ninguém deseja isto, é improvável que o Governo seja tão tolo a ponto de dar asas à famigerada Comissão da Vingança.

   
A segunda das linhas vermelhas se refere a questão indígena; A indignidade das ações na Raposa-Serra do Sol alertou os demais produtores rurais. A repetição dessas ações na Região Sul e no Mato Grosso tenderia a desencadear a revolta latente, onde tudo acabaria nas mãos do Exército. Se bem que chegaram notícias que tropas do Exército recentemente aceitaram destruir garimpos na Amazônia, irresponsavelmente retirando a presença brasileira, tem-se como provável que ao menos parte da tropa se alinharia a uma revolta contra a Funai.


Felizmente o Governo, ao que parece, já não deixou que seus radicais ultrapassassem essa última linha. Que seja assim para termos paz interna 
 
Política econômica e industrial e a inflação
    
É evidente que a inflação está aumentando, apesar de algumas medidas corretas tomadas de proteção da indústria nacional tomadas pelo Governo.
Por exemplo: construir no Brasil as sondas e plataformas do pré-sal é um dos pilares da política industrial de governo, pois. além de agregar tecnologia, é dos que mais geram emprego.  Ao estabelecer a reserva de mercado, o Brasil trilha o mesmo caminho de outros países que se viram diante da riqueza do petróleo. Foi assim que a Noruega se tornou a  potência em tecnologia para a exploração em alto-mar e a Coréia do Sul, líder na produÍ ão de sondas. No passado processos semelhantes ocorreram com a Inglaterra, com a Alemanha, com os EUA e foram a causa primária do crescimento deles. Hoje ocorre com a China.
    
Uma indústria nascente não pode competir com uma estabelecida sem proteção. É necessário tempo para que os fabricantes nacionais ganhassem fôlego para competir globalmente. Há que se contar ainda com o bloqueio e a sabotagem dos “futuros” concorrentes.
    
Criar tecnologia custa dinheiro, e isto causa inflação. Claro que a corrupção e o superfaturamento também contribuem para a inflação, mas isto acontece também nas compras prontas feitas no exterior.
    
A longo prazo as obras de infraestrutura, o descongestionamento dos  “gargalos” a criação de tecnologia própria, a proteção da indústria nacional autêntica e a baixa dos juros promovem o desenvolvimento e acabam com a inflação. Isto, logicamente, contraria interesses estrangeiros e seus parceiros no Pais, como o Banco Central. Este, falaciosamente, anuncia: temos que aumentar os juros para evitar a inflação. Torpe falácia! Com o aumento dos juros aumentam inutilmente as despesas governamentais; diminuem ou mesmo cessam os investimentos privados que podem obter mais lucros emprestando ao Governo; há menos demanda, o que pode momentaneamente baixar os preços de venda, mas certamente aumentará os custos da produção, causando mais inflação. Eles, do Banco Central, alinhados com as finanças internacionais, sabem bem disto. A Presidente Dilma também sabe, pena que, visando as eleições tenha se rendido com medo que a inflação momentânea a prejudicasse. 
   
A propósito, apesar de todas as dificuldades, dos erros e até dos superfaturamentos foi lançado ao mar o superpetroleiro Zumbi dos Palmares. Enfim retomamos a construção naval. Foi preciso coragem para enfrentar as pressões e até mesmo para pagar mais caro.

Na entrega do navio disse a Presidente: “... com o nome de um herói brasileiro...” Sinto muito presidente Dilma, mas desta vez errou feio. Zumbi não é um nosso herói negro; foi um inimigo.
   
Nosso herói negro é Henrique Dias .

 
O Complexo de vira lata
    
Nós somos sempre o que acreditamos ser. Quem se lembra dos tempos do Getúlio quando nos ufanávamos do nosso País e da nossa raça forte e amorenada, da época do Juscelino com aquele otimismo ao construir Brasília e rasgar a estrada até Belém, dos tempos do “meu Brasil eu te amo”, do Médici, com o orgulho com que construímos Itaipu e Tucurui ,custa a entender o atual desânimo que invadiu a alma da nossa gente.
   
A verdade é que os povos mudam, e as vezes rapidamente. A História nos mostra a transformação dos alemães de 1930, quando nem mais queriam ter uma pátria, para os de 39, quando o orgulho nacional fez que se agigantassem. Observamos também a China, que em 45 era a terra da mãe Joana e oito anos depois enfrentava altivamente a maior potência do mundo.
    
A alteração do “animus” nacional é causada por vários fatores, inclusive pela situação econômica, mas não só por isto, desde antes do tempo de Gengis Kan que os fatores psicológicos conduzidos pelo inimigo tem levado um povo antes orgulhoso até mesmo à rendição.
    
Hoje esse processo, agora mais técnico, se denomina de Guerra de 4º Geração. É o que ocorre contra nós; A imprensa estrangeira, dentro e fora do Pais insiste que não daremos certo e ironizam nossas figuras justa ou injustamente, e são cada vez mais aplaudidas até por gente nossa, uns por oposições partidárias, outros por, justamente indignados pelos erros governamentais e pela corrupção generalizada, fazem coro à manobra do inimigo, sem saberem que algumas das suas ácidas críticas podem nem ser verdadeiras, mas contribuem mais para baixar a auto estima do que para solucionar as mazelas realmente existentes.
   
Assim, é comum vermos a desmoralizante expressão “eta povinho”, que pouca relação tem com a mazela aventada ou então conclui-se “esta m. não tem solução”, o que também não é verdade.
     
Pior é um jornalista infelizmente brasileiro, escrevendo de Nova Iorque, que para atacar o atual governo reduz o nosso País a pó. Esse classifica como comunistóides as posições nacionalistas de alguns de nós, o que o caracteriza como “a serviço do estrangeiro”.
Esse pessoal que só fala mal e não ajuda em nada me faz imaginar que, se por azar tivessem a mãe na zona, se limitariam a falar mal dela em vez de trabalhar para tirá-la de lá.
 
Viagem e mudança
    
Por algumas semanas estarei fora do ar. Peço aos meus amigos e correspondentes que evitem, nesse intervalo, me mandarem e mails
 
 
Que Deus guarde a todos nós
 
Gelio Fregapani