COBERTURA ESPECIAL - PCC - Gangues - Segurança

04 de Junho, 2018 - 00:30 ( Brasília )

PCC - 1º Brasileiro chefe de um cartel de drogas

Da Bolívia, Fuminho domina a produção e envia drogas e armas para o PCC

Nota DefsaNet

Série especial sobre o PCC publicada na edição de Domingo de O Estado de São Paulo (OESP), 03JUNHO2018.


PCC usa doleiros e já fatura mais de R$ 400 milhões OESP Link

PCC - Em 4 anos, facção cresceu 6 vezes de tamanho fora de SP OESP Link

PCC - Grupo vende 45 mil números de rifa e cobra mensalidade OESP Link

PCC - 1º Brasileiro chefe de um cartel de drogas OESP Link


Não pertence à série, mas leitura recomendada:

Eduardo Fernandes - A Hipótese PCC e a Quinta Coluna da Segurança Pública DefesaNet Link

 
 


Marcelo Godoy
O Estado de S.Paulo

 

Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, vive há mais de dez anos na Bolívia. Estabeleceu-se na região de Santa Cruz de la Sierra. "Ele organizou um cartel, o primeiro chefiado por um brasileiro", disse um dos policiais envolvidos na investigação de seu grupo. Fuminho domina a produção da droga. Da Bolívia, ele envia drogas e armas para o PCC. Usa contêineres nos Portos de Santos, Itajaí e Rio e veleiros no Nordeste para enviar cocaína para a África e para a Europa.

Aliou-se à 'Ndrangheta, a máfia calabresa, para abastecer a Europa. Em 2016, um veleiro enviado da Bahia por Fuminho foi apreendido pela Diretoria Antimáfia da Itália ao se aproximar de Gioia Tauro, o gigantesco porto de contêineres da Calábria, no sul da Itália. Arrastava 500 quilos de cocaína em uma rede embaixo do casco.
 

 

Fuminho já foi comparado ao traficante Pablo Escobar. Foto: Polícia Civil


"Se você revistasse o barco não encontraria nada", contou o policial. De acordo com ele, a máfia calabresa é a principal compradora da droga de Fuminho. "Um quilo de cocaína em São Paulo vale US$ 5 mil. Na Europa, vale até US$ 40 mil. Quase metade do lucro fica com os integrantes da facção." Além de atrair a atenção da política italiana, Fuminho e o líder máximo do PCC, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, despertaram interesse da agência antidroga americana, Drug Enforcement Administration (DEA).

Agentes da DEA tentaram prender Fuminho pela primeira vez em 2014, quando o chefão foi localizado nos Estados Unidos por meio de escutas no telefone de Wilson José Lima de Oliveira, o Neno, que cuidava da arrecadação da mensalidade dos filiados à facção. Pouco antes de os agentes americanos chegarem à mansão de Fuminho, os dois embarcaram em um avião e foram para o Panamá.

De lá, Fuminho voltou à Bolívia e Neno veio ao Brasil, onde seria preso três anos depois na Grande São Paulo. Para a polícia, além de mandar matar os líderes do PCC Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Souza, o Paca, em fevereiro, no Ceará, Fuminho é o mandante do assassinato de Eduardo Ferreira da Silva, também em fevereiro, no Tatuapé, zona leste. Silva estava em uma Mercedes quando foi cercado por três pistoleiros encapuzados. Ele era o responsável pela escolta da mulher de Marcola e era suspeito de desviar dinheiro da facção.

Bancos 

Fuminho começou no mundo do crime como ladrão de banco. E atuou nos anos 1990 ao lado de Marcola. Nunca entrou para a facção e se transformou no mais importante aliado do grupo. "Vou repetir o que eu já disse: ele está virando o Pablo Escobar brasileiro", disse um outro delegado. Para a polícia paulista não há dúvida: Fuminho é o maior traficante do País.

 


VEJA MAIS