COBERTURA ESPECIAL - PCC - Gangues - Segurança

01 de Fevereiro, 2018 - 09:20 ( Brasília )

Jungmann defende pacto nacional para enfrentamento ao crime

Sistema de segurança do Brasil está "falido".

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, defendeu, nesta quarta-feira, uma união nacional de todas as esferas do poder público como saída para o enfrentamento da atual crise de segurança instaurada em no País. Durante abertura da conferência “O Futuro começa hoje: ações da PMERJ 2018”, promovido pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, em parceria com a ONG Viva Rio, o ministro alertou que o crime no Brasil atingiu dimensões transnacionais, especialmente com ilícitos como tráfico de drogas e de armas, o que torna seu combate cada vez mais difícil.

No entanto, Jungmann destacou que com ações pensadas de forma conjunta é possível se atingir resultados satisfatórios, reação esta que, segundo o ministro, já está em curso. “Para que possamos construir a saída capaz de reverter a atual situação, é preciso acreditar, é preciso ter esperança, e é preciso ter a noção de que juntos: sociedade, forças policiais, forças de outros níveis, nós podemos, sim, virar esse jogo, já temos indicadores que apontam para isso”, disse.

Na visão do ministro, o fato de não existir um fluxo estável de recursos para a segurança é outro fator que dificulta o combate ao crime. Diante disso, a única saída para os estados acaba sendo solicitar o apoio de forças federais.

O ministro da Defesa ressaltou, no entanto, que o que deveria ser uma medida extrema em casos extraordinários, acabou virando rotina. “Estou há dezoito meses à frente do Ministério da Defesa, e já estamos indo para a nossa 11ª Garantia da Lei e da Ordem”, lamentou o ministro.

Ao lado de autoridades como o secretário estadual de Segurança do Rio de Janeiro, Roberto Sá, e do comandante da Polícia Militar do Rio de Janeiro, Wolney Dias, o ministro defendeu a constante parceria e explicou que o papel das Forças Armadas é de apoio às autoridades policiais. “Nós entendemos que o papel central compete às polícias Militar e Civil, à Guarda Municipal e à Secretaria de Segurança. Nós não temos liderança e nem devemos ter”, afirmou.

Sistema de segurança do Brasil está "falido"¹

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta quarta-feira (31) que o sistema de segurança do Brasil está "falido". Segundo avaliação dele, algumas das razões para isso são "nacionalização" e a "transnacionalização" do crime.

Jungmann usou o exemplo do traficante Antônio Bonfim Lopes, o Nem, um dos protagonistas dos confrontos que aconteceram pelo controle da Rocinha em 2017, hoje preso na penitenciária de segurança máxima de Porto Velho, em Rondônia.

"Nem está a 5 mil quilômetros do Rio de Janeiro. Mesmo assim, declara uma guerra na Rocinha, o que leva as Forças Armadas a serem convocadas. O sistema também faliu porque o governo federal não tem mandato sobre a situação dos estados, apenas em situações extraordinárias, que não deveriam acontecer", explicou ele.

Jungmann disse, ainda, que há "um certo masoquismo" na divulgação da violência no Rio. O ministro lembrou também que, em 18 meses no cargo, decretou 11 vezes a Garantia da Lei da Ordem, que autoriza a intervenção federal militar para auxílio às forças de segurança estaduais. Só em Natal, a capital do Rio Grande do Norte, segundo ele, foram três pedidos em um ano.

"O problema da segurança não vai se resolver na Defesa. Não. Está havendo uma banalização disso", afirmou ele.

Durante sua palestra no evento "O futuro começa hoje", sobre novas ações para a Polícia Militar do estado, no Rio de Janeiro, o ministro disse que há certo "masoquismo" em relação à divulgação da violência no Rio. Confrontado, ele disse que é preciso haver um "equilíbrio narrativo".

"Vários indicadores estão estabilizados, alguns estão revertendo, você teve uma redução de 70% de roubo de cargas quando trouxe a polícia rodoviária federal. Se você apenas coloca a denúncia, que de fato tem que fazer parte, você passa a noção de que nada está mudando, e que leva a descrença. Essa descrença leva à paralisia", avaliou Jungmann.

Mais tarde, em entrevista por telefone à Globonews, o ministro também comentou os tiroteios na Cidade de Deus. Os confrontos na região deixaram três mortos e interromperam três vezes o trânsito na via, uma das mais importantes da cidade.

"É um fato grave e extremamente lamentável. O Rio de Janeiro levou décadas para chegar ao estado que está. Nós estamos ajudando o Rio há sete meses. As Forças Armadas não podem combater o crime na Rocinha, porque se fossem enfrentar com poder letal a criminalidade, seria uma tragédia. As Forças Armadas são feitas para destruir", avaliou o ministro. Segundo ele, a justiça do Rio deveria emitir mandados coletivos para ajudar nas prisões e apreensões."

Jungmann ainda pediu um minuto de silêncio pelos policiais mortos no Rio de Janeiro. Em 2017, foram 134 policiais mortos no Estado, e 13 este ano. Entre 1994 e 2016, segundo dados da própria polícia militar, foram 3 mil policiais mortos.

"Esta é a mais singela das homenagens, porque quando eu leio nos jornais a perda de um policial, a gente fica pensando nas famílias. A vontade que dá e pegar um avião e estar ao lado de vocês, porque eu sei o que representa de dor, de sofrimento, e isso tem alcançado números absolutamente inaceitáveis", afirmou o ministro.

Bloqueios marítimo e aéreo

O ministro explicou algumas medidas que pretende tomar nos próximos meses para ajudar no combate ao crime no Rio de Janeiro. A primeira, segundo ele, foi a atuação permanente da PRF nas vias expressas do Rio.

“Um outro aspecto é o bloqueio marítimo, que nós vamos fazer nas diversas baías. Um terceiro é aquilo que eu me referi à parte aérea, assim como uma corregedoria autônoma, integrada”, disse Jungmann.

¹Henrique Coelho, G1 - Fotos: Rômulo Vidal/PMERJ


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


11/Setembro

11/Setembro

Última atualização 09 DEZ, 20:13

MAIS LIDAS

PCC - Gangues