COBERTURA ESPECIAL - Pacífico - Geopolítica

23 de Agosto, 2017 - 09:50 ( Brasília )

Coreia do Norte avança com programa de foguetes, em meio a sinais de alívio das tensões


O ditador norte-coreano, Kim Jong Un, ordenou a produção de mais motores de foguetes de combustível sólido, disse a mídia estatal nesta quarta-feira, à medida que o regime prossegue com seus programas nuclear e de míssil em meio a um impasse com os Estados Unidos, mas houve sinais de alívio das tensões.

A reportagem da agência de notícias KCNA não teve as tradicionais ameaças robustas contra os Estados Unidos após semanas de acentuadas tensões, e o presidente norte-americano, Donald Trump, expressou otimismo sobre uma possível melhora nas relações bilaterais.

"Eu respeito o fato de que ele está começando a nos respeitar", disse Trump sobre Kim em um evento em Phoenix, no Estado de Arizona. "E talvez --provavelmente não, mas talvez-- algo positivo possa sair disso", disse.

O texto da KCNA, sobre uma visita de Kim a um instituto químico, foi publicada não muito depois de o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, parecer se mostrar aberto à paz, elogiando o que chamou de recente contenção mostrada pela reclusa Coreia do Norte.

Kim foi orientado sobre o processo de produção de pontas de ogivas nucleares para mísseis balísticos intercontinentais e de motores de foguetes de combustível sólido, durante sua visita ao Instituto de Material Químico da Academia de Ciência de Defesa, disse a KCNA.

"Ele instruiu o instituto a produzir mais motores de foguetes de combustível sólido e pontas de ogivas nucleares de foguetes ao expandir ainda mais o processo de produção de motores e a capacidade de produção de pontas de ogivas nucleares de foguetes e jatos de motor com material de carbono/composto de carbono", disse a KCNA.

EUA impõem sanções contra entidades russas e chinesas por auxílio à Coreia do Norte

Os Estados Unidos impuseram nesta terça-feira novas sanções relacionadas à Coreia do Norte, mirando companhias chinesas e russas e indivíduos por apoiarem programas bélicos de Pyongyang, mas não chegaram a completar um esperado foco em bancos chineses.

O Tesouro dos EUA sancionou seis entidades chinesas, uma russa, uma norte-coreana e duas com sede em Cingapura. As entidades incluem uma subsidiária de uma companhia chinesa sediada na Namíbia e uma entidade norte-coreana operando na Namíbia.

As sanções também miravam seis indivíduos --quatro russos, um chinês e um norte-coreano. A ação segue sanções mais duras da Organização das Nações Unidas acertadas neste mês, após a Coreia do Norte testar seus dois primeiros mísseis balísticos intercontinentais em julho.

A China reagiu com irritação, dizendo que Washington deve “corrigir imediatamente seu erro” de impor sanções unilaterais sobre companhias e indivíduos chineses para evitar prejudicar a cooperação bilateral. A embaixada russa não respondeu um pedido de comentário.

O Departamento do Tesouro dos EUA informou que as novas sanções miram os que ajudam indivíduos já alvos de sanções apoiando os programas nuclear e de mísseis da Coreia do Norte e seu comércio energético. As sanções incluem três importadoras chinesas de carvão
.


VEJA MAIS