COBERTURA ESPECIAL - OTAN - Geopolítica

07 de Julho, 2016 - 11:00 ( Brasília )

Merkel ensaia aproximação da Rússia antes de cúpula da OTAN


A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, ofereceu a Moscou sua "mão estendida ao diálogo" nesta quinta-feira, um dia antes de líderes da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) se reunirem em Varsóvia, na Polônia, para cimentar uma política de dissuasão contra o que veem como uma Rússia cada vez mais ousada.

A Alemanha, que ajudou a suavizar a Guerra Fria com sua 'Ostpolitik', ou a aproximação de Estados comunistas no leste europeu, quer uma relação construtiva entre a Rússia e a Otan, disse Merkel.

"Isto significa dissuasão e diálogo, o comprometimento claro com a solidariedade com nossos parceiros na aliança... e uma mão estendida ao diálogo", disse ela ao parlamento.

A cúpula de dois dias será dominada pela reação da entidade à Rússia e pelo conflito no leste da Ucrânia, que o Ocidente acusa Moscou de fomentar a um custo de mais de 9 mil vidas. O conflito levou o Ocidente a impor sanções econômicas à Rússia e provocou contramedidas de Moscou.

A Rússia diz que é a aliança, e não Moscou, que está aumentando o risco de um conflito mais abrangente na Europa, citando a maior modernização da OTAN desde a Guerra Fria e o escudo de defesa de mísseis dos Estados Unidos como motivos para se preocupar.

Os EUA querem entregar o comando e o controle do escudo de mísseis à OTAN em Varsóvia. Merkel disse que o sistema, que é parte da reação norte-americana para garantir proteção de mísseis do Irã, está posicionado de maneira puramente defensiva.

OTAN e Rússia voltam a discutir o conflito na Ucrânia¹

A OTAN e a Rússia voltarão a conversar, em 13 de julho em Bruxelas, poucos dias depois da cúpula da Aliança em Varsóvia, anunciou o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg.

O encontro em nível de embaixadores focará na crise dentro e ao redor da Ucrânia e na necessidade de implementar a totalidade dos acordos de Minsk para por fim ao conflito, afirmou Stoltenberg.

Este será o terceiro encontro do chamado Conselho OTAN-Rússia, uma instância de diálogo entre os aliados e Moscou.

Depois da anexação da Crimeia por parte da Rússia, em 2015, a OTAN suspendeu a cooperação prática com Moscou. O Conselho se reuniu uma vez em junho desse ano. O segundo encontro foi em abril de 2016.

Rússia está preocupada com instalação de novas forças ucranianas em Donbass²

A Rússia está muito preocupada com a transferência de unidades do exército da Ucrânia, treinadas pela Organização do Tratado do Atlântico Norte, para perto da linha de contato com os rebeldes do leste do país, segundo afirmou nesta quarta-feira o representante russo na OTAN, Alexander Grushko.

"Nós estamos preocupados com o fato de que membros das Forças Armadas da Ucrânia que foram treinados por instrutores da OTAN estão sendo transferidos para a linha de contato em Donbass", declarou Grushko em entrevista ao Kommersant.

Nesta semana, o ex-chefe do Serviço de Segurança da Ucrânia, Igor Smeshko, afirmou que não vê qualquer chance de o seu país fazer parte da aliança militar ocidental no curto prazo. No entanto, os ucranianos contam com um pacote de ajuda da organização, anunciado pelo secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, que prevê apoio na criação de estruturas eficientes na área de segurança.


Com ¹AFP e ²Sputnik News