COBERTURA ESPECIAL - Nuclear - Geopolítica

20 de Novembro, 2018 - 11:30 ( Brasília )

Russia - Putin diz que Rússia irá retaliar se EUA deixarem tratado de mísseis nucleares

Mísseis Iskander (SSC-8) rompem o INF e o MCTR

Inclui material NATO e Kremlin.Ru


O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse nesta segunda-feira que o Kremlin iria retaliar caso os Estados Unidos se retirassem do tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), de 1987, segundo reportaram agências de notícias russas.

Putin discutiu possíveis retaliações russas com as principais autoridades do Ministério da Defesa russo e acrescentou que o Kremlin está pronto para discutir o tratado INF com Washington.

O documento, da época da guerra fria, que livrou a Europa de mísseis nucleares baseados em terra, veio a ser discutido em meio a uma nova onda de tensões entre o Ocidente e a Rússia, particularmente após a anexação da península da Crimeia, no leste da Ucrânia, em 2014.

O governo do presidente norte-americano Donald Trump acusa a Rússia de não respeitar o acordo de 31 anos e alertou que abandonará o tratado como resultado. O Kremlin nega ter violado o pacto.

A OTAN e um emissário russo discutiram a questão durante conversas no dia 31 de outubro, com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, tendo exigido que Moscou fizesse mudanças rápidas para obedecer completamente as exigências do tratado.

Ele disse que o desenvolvimento russo do míssil de cruzeiro SSC-8, de base terrestre e alcance intermediário, representava um “risco sério à estabilidade estratégica”. Líderes europeus temem que um colapso do INF poderia levar a uma nova e desestabilizadora corrida armamentista.

Nota DefesaNet

Após o presidente Donald Trump ter anunciado que os Estados Unidos poderiam ser retirar do INF e uma grita mundial contra esta ação os principais players reconhecem que a Rússia avançou na questão nuclear.

Ver extrato do discurso do Secretário-Geral da OTAN, Berlim 12 Novembro 2018..

Também a Declaração do Presidente Vladimir Putin, Kremlin, 19 Novembro 2018, na Reunião com a Cúpula Militar Russa. 


 

 

 

 Secretário-Geral da NATO, Jens Stoltenberg, na Conferência
'' Conversa da OTAN em torno do Brandenburg Tor ''
Berlim 12 Novembro 2018

Parte do discurso refetente ao INF


 

 

 

Durante décadas, os acordos de controle de armas criaram confiança e reduziram as armas nucleares. Um desses acordos era o Tratado de Forças Nucleares de faixa intermediária, o Tratado INF. Um Tratado nasceu dos esforços transatlânticos. E uma pedra angular do controle de armas na Europa.

Nos anos 70 e 80, e vejo que alguns de vocês viveram naquela época, assim como eu, toda uma geração de líderes políticos foi moldada pelo debate sobre forças nucleares intermediárias na Europa. E eu faço parte dessa geração.

A implantação de mísseis SS20 soviéticos foi motivo de profunda preocupação.

E a Alemanha estava no centro desse debate.  

Graças a políticos corajosos, como o chanceler Helmut Schmidt, a OTAN decidiu por uma via dupla, a decisão da via dupla. Combinando firmeza com diálogo.

Portanto, em 1979, os ministros da defesa da OTAN decidiram implantar novos mísseis nucleares na Europa em resposta à União Soviética.

Ao mesmo tempo em que tenta dialogar com a União Soviética. Essa não foi uma decisão fácil. Mas ao fazê-lo, eles criaram o terreno para o tratado INF. Assinado pelos EUA e União Soviética em 1987.

Isso não apenas reduziu o número total de armas nucleares. Proibiu toda uma categoria de armas especificamente projetadas para atingir a Europa. Então foi uma conquista real no trabalho para o desarmamento nuclear.

A implantação de novos mísseis russos está colocando em risco este tratado histórico.

Durante anos, a Rússia desenvolveu, produziu, testou e colocou em campo um novo sistema de mísseis. O SSC-8. Esses mísseis são móveis. Eles são difíceis de detectar. Eles podem ser armados com armas nucleares. Eles reduzem o tempo de aviso para minutos. Eles diminuem o limite para o conflito nuclear. E eles podem alcançar cidades européias como Berlim.

Durante anos, os Aliados, incluindo a Alemanha, levantaram suas preocupações. Tempo e de novo.

Os EUA levantaram o assunto formalmente em níveis seniores mais de 30 vezes. Começando sob a administração de Obama.

Aliados repetidamente pressionaram a Rússia. Assegurar conformidade total, verificável e transparente. E, após anos de negação, a Rússia agora reconhece a existência de um novo sistema de mísseis. 

Os Estados Unidos estão cumprindo integralmente suas obrigações sob o Tratado INF. Então, enquanto não há novos mísseis dos EUA na Europa. Existem novos mísseis russos.

O novo sistema de mísseis russo representa um sério risco para a estabilidade estratégica da área euro-atlântica.

A OTAN não tem intenção de implantar novos mísseis nucleares na Europa. Mas como uma Aliança, estamos comprometidos com a segurança e a segurança de todos os Aliados. Não devemos permitir que os tratados de controle de armas sejam violados com impunidade. Porque isso prejudica a confiança no controle de armas em geral.

Por isso, pedimos à Rússia que garanta a conformidade e retorne ao diálogo construtivo com os Estados Unidos. 

As ameaças ao Tratado INF são sérias, mas não são as únicas que estamos enfrentando. Nosso ambiente de segurança é desafiador. E exige que todos nós nos mantenhamos fortes. Por conseguinte, o aumento dos esforços da UE em matéria de defesa é importante para a segurança da Europa. E isso pode tornar a OTAN mais forte. Então, saúdo estes esforços. Mas apenas se estiverem ancorados na parceria transatlântica. Que tem sido a base da paz e segurança europeias nos últimos 70 anos. 

À medida que avançamos na defesa na Europa, devemos fazê-lo para fortalecer as relações transatlânticas. Porque os aliados não europeus desempenham um papel central na segurança europeia.

 





Presidente Vladimir Putin

Encontro com altos funcionários do Ministério da Defesa
Kremlin 19 Novembro 2018

O Presidente realizou o primeiro da série de reuniões com altos funcionários do Ministério da Defesa sobre a construção militar e o desenvolvimento das Forças Armadas nacionais e da indústria de defesa.
 
Presidente da Rússia, Vladimir Putin : Boa tarde, colegas,
 
Tradicionalmente, em maio e novembro de cada ano, realizamos uma série de reuniões sobre o desenvolvimento das Forças Armadas.
 
Essas reuniões com altos funcionários do Ministério da Defesa, outros departamentos e empresas líderes da indústria de defesa nos permitem discutir os principais aspectos da construção militar e ajustar nossos planos, se necessário.
 
A agenda de hoje inclui uma ampla gama de questões - desde o aumento do potencial de combate do Exército e da Marinha até a preservação da paridade militar e um equilíbrio estratégico de forças no mundo.
 
Vimos que, lamentavelmente, a situação mundial não se tornou mais estável nos últimos anos. Tem até se deteriorado em algumas regiões. Está longe de ser estável no Oriente Médio e no Afeganistão. O estado de coisas na península coreana permanece um tanto vago. Apesar dos acordos de Minsk, o confronto armado no sudeste não está diminuindo. A OTAN continua construindo seu potencial de combate perto de nossas fronteiras a cada ano. O futuro dos acordos fundamentais de controle de armas está na balança.
 
Sob essas condições, devemos ver o desenvolvimento estável e equilibrado do Exército e da Marinha, tornando-os capazes de neutralizar qualquer ameaça potencial, sem permitir que alguém nos empurre para uma corrida armamentista. Precisamos tomar decisões flexíveis que não desperdiçam recursos orçamentários. Nosso progresso nos últimos anos mostra de forma convincente que é exatamente assim que aprendemos a trabalhar.
 
Quais são os objetivos que considero prioritários a esse respeito?
 
Primeiro, precisamos melhorar o treinamento de combate enquanto usamos especificamente nossa experiência na Síria. Tarefas cada vez mais complexas e não convencionais devem ser praticadas durante manobras, exercícios de comando e de equipe e campanhas navais. Devemos desenvolver a prática de inspeções instantâneas de unidades e monitorar continuamente a prontidão de mobilização de órgãos governamentais federais e regionais, empresas do setor de defesa e outros setores.
 
Em segundo lugar, devemos continuar equipando o Exército e a Marinha com armas e equipamentos modernos. Vamos discutir isso em detalhes em uma reunião separada. No entanto, gostaria de pedir aos vice-ministros da Defesa e aos comandantes-em-chefe dos serviços e armas que informem sobre como suas unidades estão adotando novos modelos de armas e equipamentos militares.
 
Terceiro, precisamos nos concentrar no trabalho educacional com o pessoal. O alto espírito moral e patriotismo de nossos soldados e oficiais sempre foi a espinha dorsal ética de nosso Exército.
 
Essas tradições devem ser revividas e ativamente desenvolvidas. Neste contexto, gostaria de lhe pedir que apresentasse os resultados do seu trabalho sobre o estabelecimento dos órgãos político-militares das Forças Armadas e informasse sobre suas prioridades e objetivos.
 
Finalmente, sugiro discutir nossas medidas em resposta à retirada dos EUA do Tratado INF.
 
Gostaria de enfatizar novamente que estamos sempre prontos para o diálogo com nossos parceiros americanos sobre essa questão fundamental. Esperamos que os americanos abordem esta questão com total responsabilidade, porque sua decisão de se retirar deste tratado não pode permanecer sem resposta.
 
Permitam-me relembrar, a este respeito, que quando os EUA se retiraram do tratado de defesa antimísseis dissemos abertamente e honestamente que teremos que tomar medidas de resposta. Nós fizemos e agora a Rússia tem armas hipersônicas que podem superar qualquer defesa antimísseis.
 
Esperamos que o senso comum e a responsabilidade mútua se tornem a base de um diálogo há muito esperado sobre as questões de estabilidade estratégica e consolidação do sistema de segurança coletiva.
 
Vamos ao trabalho.

VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Venezuela

Venezuela

Última atualização 10 DEZ, 16:20

MAIS LIDAS

Nuclear