22 de Outubro, 2012 - 16:00 ( Brasília )

Instituto Tecnológico Naval - Parceria para o setor naval

OSX cria instituto para gerar conhecimento técnico nacional

Em setores da economia que estão renascendo, como a indústria naval, a demanda vai além da mão de obra. A exigência do governo federal de cumprimento de metas de conteúdo local estende à cadeia de fornecedores a necessidade de qualificação. Pensando nisso, a OSX, empresa do setor de construção naval do grupo EBX, de Eike Batista, criou o seu Instituto Tecnológico Naval (ITN), que vai não apenas formar mão de obra, como também desenvolver tecnologias com selo verde-amarelo em parceria com instituições acadêmicas.

Na sua primeira fase de atuação, o instituto vai capacitar pessoal. As primeiras 21 turmas começaram em junho passado. Até 2013, serão formadas 3.100 pessoas, segundo o diretor de Construção Naval da OSX, Danilo Baptista. Os cursos, gratuitos, são realizados com o Senai, em Campos, e englobam assuntos como metalmecânica, automação, construção civil e gestão.

treinar até os fornecedores

Na segunda fase, o ITN dará suporte técnico e supervisionará a operação do estaleiro do grupo, que está sendo construído no Porto do Açu, em São João da Barra (Norte Fluminense). Por cinco anos, 40 especialistas da sul-coreana Hyundai - sócia da OSX no estaleiro - permanecerão no Brasil trocando experiências com funcionários da OSX. Oito deles já chegaram. Está previsto ainda o envio de 80 colaboradores brasileiros a um estaleiro da Hyundai na Coreia do Sul. O estaleiro em Açu deve entrar em operação em 2014.

O ITN também vai mapear fornecedores com potencial de desenvolvimento de novos materiais e equipamentos, além de fazer parcerias com instituições de pesquisa brasileiras e internacionais, a fim de desenvolver novas tecnologias. Estes são dois pontos-chave do ITN, pois visam a tornar o setor naval mais competitivo.

- Focamos em produtividade. Mas nosso esforço vai além. Vamos desenvolver fornecedores, para, num primeiro momento, cumprir as metas de conteúdo local e, num segundo, nos tornarmos competitivos no mercado internacional, sem necessidade de proteção à indústria brasileira. Vamos desenvolver nossas tecnologias - diz Danilo Baptista.