04 de Maio, 2012 - 09:47 ( Brasília )

Marinha anuncia independência no desenvolvimento de motores para mísseis Exocet


DNTV

EXOCET - Teste com motor desenvolvido pela AVIBRAS Link

Vídeo mostra 4 seqüências do lançamento do míssil Exocet MM40 remotorizado.

Nielmar de Oliveira

O Brasil se tornou um país independente na construção e certificação de motores para mísseis Exocet MM40, artefato antinavio de superfície de médio alcance. A informação foi dada em entrevista hoje (03) pela Marinha do Brasil, ao informar que os testes de lançamento do motor brasileiro foram realizados com sucesso no último dia 18 de abril.

A independência foi obtida a partir de parceria tecnológica envolvendo, além da Marinha do Brasil, a Avibras (empresa aeroespacial brasileira de capital privado 100% nacional) e o grupo europeu MBDA – líder mundial em fabricação de mísseis e sistemas de mísseis. Para o desenvolvimento do motor, fabricado e certificado pela Avibras em parceria com o grupo europeu, foram investidos R$ 75 milhões.

 

Matérias Relacionadas

Importante Entrevista com o Vice-Almirante (RM1) RONALDO FIÚZA DE CASTRO 24 Abril 2009 DefesaNet Link

EXOCET -Equipado com novo motor brasileiro é testado com sucesso 04 Maio 2012 DefesaNet Link
 
Marinha anuncia independência no desenvolvimento de motores para mísseis Exocet Agência Brasil – 04 Maio 2012 Link

LAAD Bastidores 1 - Marinha Adquire o EXOCET AM39 Block 2 Mod 2 – 26 Abril 2011 DefesaNet Link


MBDA - Pronta para ampliar sua cooperação com o Brasil MBDA 28 Março 2011 Link

O projeto possibilitará que, no futuro, os motores possam ser exportados e ainda utilizados em outros modelos de mísseis, nacionais e internacionais. Na avaliação do vice-almirante Ronaldo Fiúza de Castro, o principal êxito do programa foi o de conseguir acordo entre as empresas envolvidas para a transferência de tecnologia em uma área complexa como é a de fabricação de armamentos de guerra.

 

“Nós precisamos entender que transferência de tecnologia só acontece quando duas cabeças estão dispostas a cooperar. Ela não acontece via computador, ou mesmo em sala de aula. A transferência de tecnologia só acontece quando alguém que não tem o conhecimento necessário tenta fazer alguma coisa e tem outro alguém que sabe e se prontifica a dar as respostas adequadas”.

Para ele, o fato em questão tem grande importância, “pois representa a possibilidade de estender, por muitos anos, a vida útil dos mísseis que o Brasil possui”. O vice-almirante afirmou ainda que a parceria também representa a possibilidade de exportação de produtos e serviços, pela Base Logística de Defesa Brasileira, relacionados a esse míssil e, no futuro, a outros equipamentos desse gênero.

O vice-almirante ressaltou o fato de que o domínio de tecnologia de fabricação dos motores para o Exocet MM40 poderá resultar em um possível desdobramento que venha a beneficiar o projeto AM39, um outro modelo de Exocet. “E isto faz parte de um processo de melhoramento da aquisição das aeronaves EC-725 (helicóptero militar comprado na empresa francesa Marignane para uso da Marinha, Aeronáutica e Exército).

Outro detalhe do projeto utilizado no teste de avaliação de risco foi a substituição da cabeça de combate do míssil (a carga explosiva) por um sistema de telemetria fabricado pela Mectron, empresa brasileira que atua nos mercados de defesa e aeroespacial, e que também participou do desenvolvimento do projeto.

O lançamento e o desenvolvimento cooperativos entre as empresas Avibras e MBDA, que resultaram na fabricação, com tecnologia desenvolvida no país, dos motores para mísseis Exocet MM40, fazem parte do ciclo de manutenção e renovação do míssil e dos planos, por parte da MBDA, de criar parcerias duradouras com empresas nacionais brasileiras.