07 de Fevereiro, 2012 - 19:46 ( Brasília )

Samsung pode assumir Atlântico Sul

Nos bastidores do Governo - o que inclui Petrobras e Transpetro - costura-se um acordo que implique a transferência do controle acionário do maior estaleiro do país - o Atlântico Sul, de Pernambuco - à coreana Samsung

Hoje, a multinacional tem apenas 10% desse megaestaleiro, que tem encomendas bilionárias, de 22 supernavios e sete navios-sonda. O controle é exercido por Camargo Corrêa e Queiróz Galvão, que entraram em um projeto pioneiro, financiado pelo Fundo de Marinha Mercante (FMM), mas parecem não ter grande interesse em continuar no negócio- nem vocação plena para construir navios. 

O Atlântico Sul surgiu como uma espécie de "projeto-de-governo", na era Lula. Diante de impasses com outros estaleiros, teve-se a idéia de se lançar um super-estaleiro, capaz de construir grandes navios e, além disso, democratizar regionalmente o setor, antes excessivamente concentrado no Rio de Janeiro - o que hoje não mais ocorre, pois, além de projetos em Pernambuco e Alagoas, há pólos crescentes no Rio Grande do Sul e projetos para a Bahia. A descentralização só não é mais intensa porque Santa Catarina rejeitou o estaleiro de OSX, Eike Batista, que traria um pouco de poluição e muitos empregos ao estado e agora cresce de forma acentuada no Norte fluminense. Quando pronto, irá superar o Atlântico Sul em capacidade de produção.

Um fato gerou grandes problemas para o Atlântico Sul: o navio "João Cândido". Houve erros a começar pelo nome do navio, uma provocação infantil à Marinha do Brasil. João Cândido era um suboficial que liderou revolta contra a estrutura da entidade, o que a Marinha, sob qualquer governo, não aceita.

Problemas estruturais e de montagem fizeram com que, primeiro navio da Transpetro a ser lançado ao mar, o "João Cândido" até hoje não fosse entregue. O segundo navio a ser lançado, o "Celso Furtado", do Mauá, ficou com a láurea de ser o primeiro incorporado pela Transpetro.E, se houver mais atrasos, o segundo navio a ser entregue será o "Sergio Buarque de Hollanda", também do Mauá, ou até mesmo o "Rômulo de Almeida". No caso do "João Cândido", observadores pessimistas garantem que o navio não pode navegar. Mas a maioria dos analistas do setor afirma que os problemas decorreram do excesso de soldagem exigido, pois o navio foi feito com mais blocos a serem montados do que seria natural. A pressa de Lula para ter uma solenidade marcante - de recuperação da construção naval e de renascimento industrial no Nordeste - agravou esse fato, mas a maioria dos informantes garante que o American Bureau of Shipping (ABS) irá dar sinal verde ao navio. Com isso, o petroleiro ganharia uma espécie de classificação AAA para a comunidade internacional, pois com aprovação de entidade classificadora internacional, um navio pode ser incorporado à frota alemã ou americana sem ser submetido a qualquer teste.

Resta saber o que irá pedir a Samsung para assumir o estaleiro. Certamente, não irá querer desembolsar altos valores, ao contrário do que desejariam Camargo Corrêa e Queiróz Galvão. Mas, como tem estaleiros na Coréia, a Samsung pode ser atraída pela possibilidade de receber outras obras do Brasil (Petrobras), o que lhe compensaria a árdua tarefa de reorganizar administração e setor técnico do Atlântico Sul. Tudo indica que o acordo pode ser fechado, pois Camargo e Queiróz colheram mais dissabores do que alegrias com o estaleiro pioneiro de Pernambuco. Os estaleiros brasileiros não gostariam de ver obras prometidas ao mercado interno levadas para a Coréia, mas este pode ser o preço para pacificação do Atlântico Sul.

 

ESPECULAÇÕES DO PODER 

Brasília tem poucas esquinas, mas nas salas de espera ministeriais e nos corredores dos palácios correm muitos boatos. Um deles afirma que o sarneysista Fernando Fialho, que está saindo da direção-geral da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), pois a lei só permite uma reeleição, poderá ter novo pouso. Há informes de que iria para a Secretaria Especial de Portos (SEP), onde, está, sem brilho maior, o ex-prefeito de Sobral (CE), Leônidas Cristino. De outro lado, há quem aposte em pura e simples extinção da SEP.

No Senado, Clésio Andrade está de passagem do PR para o PMDB. E não pouca gente especula que Andrade - que preside a Confederação Nacional do Transporte (CNT) iria para o Ministério dos Transportes. Paulo Sérgio Passos é considerado um tecnocrata de primeira linha - honesto e com muito conhecimento administrativo - mas carece de apoio político.

Enquanto continua à frente dos Transportes, Passos fala grosso. No Conselho Diretor do Fundo de Marinha Mercante (CDFMM) corre a informação de que o ministro quer saber onde anda cada centavo financiado pelo fundo. Empresários que conseguem prioridade do FMM e não contratam logo as embarcações estão na lista negra de Passos.

A Transpetro também atrai comentários. Dilma desistiu de afasar Sérgio Machado a pedido da dupla Renan Calheiros/José Sarney. O movimento, no entanto, tira um pouco da ênfase de Machado que, sempre com planos ousados, precisa de forte apoio do Planalto para seguir com seus projetos. A estatal já encomendou 49 navios, com gasto de R$ 10 bilhões, em dois planos de modernização da frota. O terceiro, com mais 20 navios, está na prancheta, mas sem data para virar realidade.

Por fim, dúvidas e comentários agitam a maior empresa da América Latina. Sérgio Gabrielli era defensor entusiasmado do conteúdo nacional e não se exatamente o que pensa Maria das Graças Foster, prestes a ser a nova titular da Petrobras. Ainda na era Gabrielli, a licitação para 21 navios-sonda - estimada em US$ 18 bilhões - foi adiada. Com o real valorizado e dólar barato, não se sabe se a política de estímulo a estaleiros do ex-metalúrgico presidente Lula será mantida por Dilma Rousseff.