17 de Janeiro, 2012 - 10:33 ( Brasília )

Prosuper - Plano inclui sistema de combate dos EUA


O sistema de combate Aegis, fabricado pela americana Lockheed Martin, é apontado pelo estaleiro Navantia como um dos pontos fortes da proposta espanhola para as fragatas que estão sendo oferecidas à Marinha do Brasil. Empregado por mais de 100 navios em seis países, o sistema é o mais avançado do mundo em guerra antiaérea. Só na Marinha americana, mais de 80 navios estão equipados com o Aegis, onde já foram investidos mais de US$ 80 bilhões.

A despeito dos comentários em relação às restrições de transferência de tecnologia de sistemas americanos, o representante da Lockheed Martin no Prosuper, Peter Buckley, afirma que o governo dos EUA aprovou a exportação do sistema Aegis para o Brasil. O executivo ressalta que a empresa também já trabalhou em estreita colaboração com a Marinha americana para fornecer o mesmo sistema ao Japão, Espanha, Noruega, Coreia do Sul e Austrália, onde operam sem nenhum problema.

"Em cada um desses casos, as Marinhas receberam os requisitos de transferência de tecnologia exigidos para operar e manter o sistema Aegis e em todos os países esse processo tem sido feito com sucesso", disse. Buckley comenta que a experiência com o sistema Aegis na Espanha é o melhor exemplo da compreensão do nível de transferência de tecnologia desejado pela Marinha do Brasil.

"O nível de transferência de tecnologia para a Espanha é tão maduro que o estaleiro é o contratante principal da oferta ao Prosuper da Marinha do Brasil. E isso envolve não só o fornecimento do casco dos navios, como também dos sistemas mecânicos e elétricos e do sistema de gerenciamento de combate", explicou o executivo. A Navantia é a líder e integradora do sistema de combate dos navios escolta.

A Navantia explica, na proposta feita à Marinha do Brasil, que o sistema de combate das fragatas é desenvolvido pela própria empresa e 100% integrado ao radar SPY-1 da Lockheed, o que simplifica a transferência de tecnologia. A Navantia também pretende repassar às empresas brasileiras o domínio em tecnologia de sistemas de combate, que poderá ser útil na adaptação do sistema brasileiro de controle tático Siconta, atualmente instalado em diversos navios brasileiros.

Caso a oferta da Navantia seja a vencedora do Prosuper, a Lockheed Martin, segundo o Buckley, pretende apoiar a transferência de tecnologia ao Brasil em todas as fases do programa: engenharia de sistemas, projeto, integração, teste de integração de bordo, testes em mar, produção, operações e manutenção.

O executivo da empresa americana comenta ainda que a equipe da Lockheed Martin que está trabalhando com a Navantia no Prosuper é a mesma que recentemente concluiu, com sucesso, a modernização do sistema de combate do Tapajó, submarino da classe Tupi, da Marinha do Brasil.

Em entrevista ao site especializado em temas de defesa, os representantes da Lockheed Martin no Prosuper disseram que existe um imenso mercado potencial para o fornecimento de sobressalentes do sistema Aegis pelas empresas brasileiras que conseguirem atingir um preço competitivo. A companhia informou ainda que, além do Prosuper, está muito interessada em participar dos programas Sisfron (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras) e SisGAAz (Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul) e que por isso tem a intenção de abrir um escritório no Brasil.