09 de Janeiro, 2012 - 10:09 ( Brasília )

Navio dinamarquês aborda embarcação com piratas e liberta reféns


COPENHAGUE, 8 Jan (Reuters) - Um navio da marinha dinamarquesa apreendeu um navio que estava sob controle de piratas perto da costa da Somália e libertou 14 reféns, informaram militares do país neste domingo.

O navio de guerra Absalon, servindo no combate à pirataria na missão Ocean Shield (Escudo Oceânico), da OTAN, capturou o navio de pesca e 25 supostos piratas no sábado, um porta-voz da marinha da Dinamarca afirmou.

Os piratas suspeitos, que se acredita serem da Somália, estavam sendo interrogados neste domingo.

"A operação correu como planeado, sem baixas para a tripulação, reféns ou piratas", afirmou o comandante do Absalon,

Carsten Fjord Larsen, em comunicado.

Os reféns eram do Paquistão e do Irã, informou a nota.

A pirataria é comum ao largo do Chifre da África, interrompendo rotas marítimas entre a Europa e a Ásia, colocando marinheiros, navios e cargas em risco e custando milhões a operadores marítimos.

O navio de pesca estava carregando botes pequenos com grandes motores de popa. Piratas usam frequentemente estes tipos de embarcações mais leves para abordar navios.

COPENHAGUE, 8 Jan (Reuters) - Um navio da marinha dinamarquesa apreendeu um navio que estava sob controle de piratas perto da costa da Somália e libertou 14 reféns, informaram militares do país neste domingo.

O navio de guerra Absalon, servindo no combate à pirataria na missão Ocean Shield (Escudo Oceânico), da OTAN, capturou o navio de pesca e 25 supostos piratas no sábado, um porta-voz da marinha da Dinamarca afirmou.

Os piratas suspeitos, que se acredita serem da Somália, estavam sendo interrogados neste domingo.

"A operação correu como planeado, sem baixas para a tripulação, reféns ou piratas", afirmou o comandante do Absalon,

Carsten Fjord Larsen, em comunicado.

Os reféns eram do Paquistão e do Irã, informou a nota.

A pirataria é comum ao largo do Chifre da África, interrompendo rotas marítimas entre a Europa e a Ásia, colocando marinheiros, navios e cargas em risco e custando milhões a operadores marítimos.

O navio de pesca estava carregando botes pequenos com grandes motores de popa. Piratas usam frequentemente estes tipos de embarcações mais leves para abordar navios.