09 de Dezembro, 2011 - 12:29 ( Brasília )

Marinha britânica permitirá mulheres em seus submarinos


Pela primeira vez na história, a Marinha britânica permitirá que mulheres sirvam em seus submarinos, segundo confirmou nesta quinta-feira o ministro da Defesa do Reino Unido, Philip Hammond. As primeiras submarinistas embarcarão em quatro submarinos, os maiores e mais modernos da Royal Navy, entre 2013 e 2015, no que o Departamento de Defesa britânico considera como sendo mais um passo de sua política de inovação.

Até agora as mulheres tinham sido excluídas deste tipo de embarcação porque se acreditava que o dióxido de carbono da atmosfera dos submarinos era prejudicial para a saúde feminina, mas recentes estudos demonstraram que estes temores são infundados. Desde 1990 as mulheres serviram nos navios da Royal Navy e cerca de 9% de seu pessoal é feminino, um total de 3.420 oficiais. Esta decisão da Marinha britânica chega depois que em 2010 o Exército americano decretou sua proibição de embarcar mulheres em seus submarinos.

Os especialistas consideram que a decisão chega motivada, além de avançar na igualdade de gênero, pela dificuldade de encontrar militares de carreira dispostos a embarcar durante meses nas claustrofóbicas embarcações, apesar dos salários serem muito mais altos. Superadas as questões sanitárias, um dos aspectos mais polêmicos na hora de permitir a presença feminina em submarinos são os espaços reduzidos, nos quais os militares dormem em beliches e dormitórios compartilhados, além de em alguns casos compartilharem a cama.

Por enquanto, a Royal Navy não confirmou se os submarinos serão adaptados para suas novas ocupantes. Em comunicado, o ministro da Defesa transmitiu sua satisfação pelo fato de que mulheres tenham agora a oportunidade de servir a bordo de seus submarinos, "realizando tarefas vitais para nossa defesa por todo o mundo".

Além disso, lembrou que "a Marinha britânica sempre esteve na vanguarda da inovação, e esta decisão representa mais um passo em sua tradição de reconhecer a contribuição de sua gente e fazer o melhor uso do talento pelo qual foram recrutados".