11 de Novembro, 2011 - 11:59 ( Brasília )

Rússia começa a construir porta-aviões

Após anos de discussões, o governo russo decidiu construir dois grupos tarefa especializados em porta-aviões para suas esquadras do Pacífico e do Mar do Norte.

Andrêi Kisliakov

De acordo com o relato do Estado Maior General da Marinha de Guerra russa, a primeira embarcação poderá ser lançada à água já em 2023. É um dos elementos do plano de construção de Forças Armadas correspondentes às ambições da Rússia de ser uma grande potência.

No entanto, em que medida esse desafio é economicamente viável na presente conjuntura econômica do país?

Segundo uma fonte da Corporação Estatal de Construção Naval, os futuros  porta-aviões terão propulsão nuclear. A versão com propulsão a diesel foi rejeitada porque consome muito combustível e precisa ser acompanhada por um navio-tanque para o reabastecimento.

Como mostra a experiência do uso  do único cruzador porta-aviões russo, Admiral Kuznetsov (Almirante Kuznetsov), os problemas em termos de reabastecimento não permitem que essa embarcação seja plenamente utilizada para as missões de patrulhamento nos oceanos. Por isso, o  cruzador passa a maior parte do tempo de serviço nas docas.

 

Mas porque a Rússia não tem porta-aviões? A resposta está na política ideológica e militar da extinta União Soviética. O governo soviético encarava esses navios como “ferramenta de agressão de países imperialistas contra toda a humanidade progressista”, dando prioridade à frota de submarinos que, em caso de conflito, deveriam ser usados para um ataque nuclear de retaliação.