20 de Fevereiro, 2017 - 11:10 ( Brasília )

ADEREX I realiza tiro sobre alvo com canhão de 4,5”


Após três dias de comissão, diversos exercícios programados e inopinados já foram realizados. No dia 16 de fevereiro, os navios do Grupo-Tarefa (GT) realizaram tiro sobre o alvo Killer Tomato. Os armamentos utilizados foram o canhão de 4,5” e a metralhadora de 20mm. O exercício foi considerado satisfatório, pois atingiu o seu propósito.

À tarde, dois caças AF-1 da Marinha do Brasil participaram do exercício de trânsito sob ameaça aérea. Durante a atividade, que envolveu todos os navios participantes da operação, as aeronaves foram detectadas pelo GT a uma distância acima de 200 km, o que permitiu o pronto guarnecimento dos navios, contra um possível ataque aéreo.

No decorrer do dia, houve também os exercícios de light line (no qual foram passados cabos entre os navios navegando lado a lado, com a finalidade de receber ou repassar algum material), homem ao mar e manobras táticas diurna e noturna.

Patrulha Naval na Bacia de Campos, durante Operação ADEREX I

Dando continuidade às ações planejadas para a Operação ADEREX I, os meios navais e aeronavais, pertencentes ao Grupo-Tarefa (GT) da Comissão, realizaram ação de presença na Bacia Petrolífera de Campos, no dia 15 de fevereiro. O propósito da atividade foi realizar patrulha naval, tendo especial atenção ao tráfego marítimo relacionado à exploração de petróleo na Amazônia Azul.

No mesmo dia, aconteceu o exercício de Helicopter In-flight Refueling (HIFR), tendo como objetivo realizar reabastecimento em voo e, consequentemente, adestrar os pilotos e as tripulações dos navios. Participaram da atividade os helicópteros UH14/15 e o SH-16, além das Fragata “Constituição” (F42) e “Rademaker” (F49).

Houve também, de maneira simulada, as formações de Grupo de Ação de Superfície (GRASUP), no qual os navios do GT se unem, com objetivo de defesa contra possíveis ataques e de Unidade de Busca e Ataque (UBA), quando um ou mais meios navais são organizados separadamente ou destacados de uma formatura, para buscar e destruir submarinos, além de diversos outros exercícios inopinados, tais como: Grupo de Visita e Inspeção; Grupo de Presa; e Economia de Combustível.

Os navios chegaram ao Porto de Santos-SP, no dia 17 de fevereiro. Houve visitação pública nos dias 18 e 19 de fevereiro, das 14h até o pôr do sol, ocasião em que os visitantes foram convidados a participar do cerimonial à Bandeira Nacional.