04 de Junho, 2015 - 12:30 ( Brasília )

Marinha forma 1.157 novos sargentos


A Marinha do Brasil formou, nesta quarta-feira (3), 1.157 sargentos, que concluíram cursos em diversas especialidades no Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA), no Rio de Janeiro. A cerimônia foi presidida pelo ministro da Defesa, Jaques Wagner. “Orgulho-me em ser o primeiro titular da pasta a participar de uma formatura no CIAA”, disse.

Em seu discurso, o ministro destacou o processo de modernização pelo qual a Força Naval vem passando. “Vivemos um momento de planejamento de longo prazo e desenvolvimento de equipamentos. O Programa de Submarinos (Prosub) da Marinha prevê a construção, no Brasil, de quatro submarinos convencionais a diesel-elétrico e um à propulsão nuclear”. De acordo com ele, a iniciativa irá aumentar o “poder dissuasório do país”.

Do total de formandos, 174 eram mulheres. Além disso, cinco eram alunos vindos da Namíbia. Acerca do assunto, Jaques Wagner citou a integração com a nação-amiga. “Temos um modelo bem-sucedido de cooperação com a Namíbia, que possibilitou criar a Marinha deles. Ademais, possuímos sólido programa de intercâmbio escolar.”

Cerimônia e visita

O comandante do CIAA, contra-almirante Hermann Iberê Santos Boehmer Junior, fez leitura alusiva à data e afirmou que o evento é um dos mais importantes no calendário da Força. “Vocês são verdadeiros homens e mulheres do mar. Respondam às expectativas da Marinha”, completou.

Em seguida, os padrinhos e madrinhas realizaram aposição das divisas nos novos praças. O ministro da Defesa entregou placa e diploma ao sargento Jadson Rosenmann, primeiro colocado da turma Almirante Maximiano. Ele foi condecorado com a Honra ao Mérito do Ministério da Defesa por ter se destacado em suas atividades. Um desfile encerrou a cerimônia de formatura.

Logo após, Jaques Wagner visitou algumas salas, onde são ministradas as aulas do Curso Especial de Habilitação a Sargento. Conheceu, por exemplo, um pouco dos ensinamentos na área de “máquinas”, como regulagem de registro de motor e manutenção em aparelhos de refrigeração.

Passou, ainda, pelo setor de “marinharia” e ficou a par das técnicas utilizadas para fazer diferentes tipos de nós – importantes para o uso a bordo. Visitou também o Laboratório de Mecatrônica, onde a técnica de domínio nacional simula o timão de um navio.

Todas as atividades foram acompanhadas pelo comandante da Marinha, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira.

Sobre o Centro

O CIAA é o maior centro de instrução de praças da Força Naval. Somente este ano, vão passar pela instituição 6.517 alunos. Os cabos que são qualificados saem promovidos a terceiro-sargento e poderão alcançar até a patente de suboficial. No local, são ofertadas aulas teóricas e práticas de especialidades como aviação, administração, comunicações, eletrônica e máquinas, entre outros.  

Ministro conhece tecnologias empregadas para instrução dos alunos

O ministro da Defesa, Jaques Wagner, passou a tarde desta quarta-feira (03) na Escola Naval, no Rio de Janeiro. No local, que é a instituição de ensino superior mais antiga do Brasil, almoçou no refeitório com os 906 aspirantes (entre eles, 23 mulheres) e conheceu equipamentos e tecnologias utilizadas nas aulas.

No refeitório, Wagner ouviu as palavras do comandante-aluno, Matheus Cordeiro Wilhelm da Costa. Ele explicou que a formação da instituição é da data de 1782, ainda em Portugal. Desde 1938, a Escola está nas atuais instalações. “Aqui são preparados os aspirantes para os primeiros postos da carreira”, explicou. Wilhelm recebeu, das mãos do ministro, placa de agradecimento para ser colocada na instituição.

Em seguida, o titular da Defesa cumprimentou as alunas presentes e a almirante Dalva Mendes, primeira oficial-general das Forças Armadas. “A Marinha foi desbravadora na participação das mulheres”, elogiou.

Destacou, também, o esforço para melhorar as condições materiais “daqueles que abraçam a carreira militar”. “Em Itaguaí (RJ) vemos um símbolo deste esforço que é o Programa de Submarinos da Marinha. Temos também o domínio do enriquecimento de urânio”, completou.

Tecnologia

Logo que chegou, o ministro foi recebido pelo comandante da Escola, contra-almirante Marcelo Francisco Campos, que proferiu palestra sobre histórico, estrutura, corpo de alunos e demais aspectos do órgão que lidera. “Nós temos que formar bem nosso pessoal para que tenham brilho nos olhos”, disse Campos.

Durante visita às instalações, Jaques Wagner entrou no Simulador de Avisos de Instrução. O aparelho possibilita o adestramento para navegações e foi criado por um oficial da Força Naval brasileira. Militares mostraram ao ministro um exercício de desatracação do navio com o simulador.

Outra tecnologia vista foi o Laboratório Radar. Nele, foram feitas demonstrações de interferências por meio de estratégias clássicas de guerra eletrônica. Passou, ainda, pela biblioteca e pelo Simulador de Navegação Integrada (software canadense).

Por fim, o ministro foi homenageado no Planetário, ao ver o céu da data de seu nascimento (16/03/1951) ser projetado no local. Por meio de sistema moderno, os alunos estudam as constelações, zodíacos, posições das estrelas, entre outros. A técnica é importante para a orientação espacial a bordo do navio. O projetor permite mostrar para anos anteriores ou posteriores a situação do céu.

A visita, que foi encerrada com desfile, contou com a presença do comandante da Marinha, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira.

A Escola Naval forma oficiais da Marinha nas áreas de Intendência, Armada e Fuzileiros Navais. Após quatro anos de estudos, os alunos são graduados a guarda-marinha – último estágio de aprendizagem antes de iniciar a carreira.