29 de Janeiro, 2014 - 09:20 ( Brasília )

Lanchas colombianas reforçam fiscalização de fronteiras na região Norte


A fiscalização na área de fronteira na região Norte do país passa a contar com mais duas embarcações colombianas. Como parte de acordo comercial formalizado pelo ministro da Defesa, Celso Amorim, a Marinha do Brasil terá duas novas lanchas de patrulha de rios (LPR) para o emprego em missões de vigilância, fiscalização e deslocamento de tropas naquela região. Outras duas já haviam sido entregues ao Comando Militar da Amazônia (CMA), no final do ano passado.

As novas lanchas chegaram de navio no Porto de Chibatão, em Manaus (AM), onde passam pelo desembaraço alfandegário junto à Polícia Federal. Após o trâmite, serão rebocadas por via fluvial até a Estação Naval do Rio Negro, localizada também em Manaus.

Na Estação Naval, as novas lanchas passarão pelas seguintes fases: montagem de acessórios; treinamento de operação e manutenção; e testes finais de recebimento, como as provas de rio, quando se que verificam o desempenho (velocidade), manobrabilidade, estabilidade e equipamentos auxiliares - radar, holofotes de busca, equipamentos de comunicações navegação e de combate.

Essas etapas são necessárias para a avaliação do comportamento das embarcações nas condições especificadas em contrato. Os técnicos devem analisar, ainda, a segurança operacional e o funcionamento de todos os sistemas de forma conjunta e integrada.

O corpo técnico da Marinha, juntamente com especialistas do estaleiro colombiano Cotecmar, cumprirá um cronograma de avaliações técnicas para a entrega final. O recebimento e avaliação das lanchas estão a cargo da Diretoria de Engenharia Naval. A previsão é de que elas sejam definitivamente incorporadas à Força Naval no início de março.

Acordo Brasil-Colômbia

A aquisição das embarcações faz parte de acordo firmado em 2012 pelos ministros da Defesa do Brasil, Celso Amorim, e da Colômbia, Juan Carlos Pinzón. O documento, assinado em Bogotá, prevê a entrega de quatro unidades: duas para o Exército Brasileiro e duas para a Marinha. No caso da Força Terrestre, as embarcações foram entregues no final do ano de 2013.

O convênio entre Brasil e Colômbia visa ao fortalecimento da cooperação entre os dois países na área de defesa, com ênfase na proteção da Amazônia.

Descrição das Lanchas

As lanchas de patrulha são basicamente iguais às entregues ao Exército, com algumas especificidades adequadas ao emprego nas atividades da Marinha. As alterações são internas e abrangem os equipamentos de comunicação e acessórios. As embarcações são confeccionadas com fibra de vidro, blindadas e possuem quatro estações de tiro.

Especificações

  Largura - 2,9 metros;

  Comprimento - 12,7 metros;
  Deslocamento - 11 toneladas;
  Calado estático - 0,9 metros;
  Velocidade de cruzeiro - 28 nós
  Velocidade máxima - 38 nós;
  Tripulação - 6 militares;
  Tropa - 10 militares.

  Armamento das LPR possuem 4 estações de tiro, sendo: 

 
  - Reparo duplo de metralhadoras .50 na proa;
  - Reparo singelo de metralhadoras .50 na popa ou lança-granadas; e   
  - Duas metralhadoras 7.62 internas na cabine, uma em cada bordo.