27 de Setembro, 2013 - 10:46 ( Brasília )

Países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa realizam Operação “Felino 2013”


Do horizonte da praia de Itaoca, no Espírito Santo, surgem oito Carros Lagarta Anfíbio (CLAnf) em direção à terra. Eles fazem parte da Força de Fuzileiros da Esquadra – a Força que vem do mar, prontos para emprego rápido. A ação, ocorrida, na manhã de 23 de setembro, fez parte do da Operação “Felino 2013”, que acontece, de 16 a 27 de setembro, no Espírito Santo. Participam da operação sete Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP): Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.
 
A “Felino” é coordenada pelo Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, do Ministério da Defesa, e este ano está sendo planejada e executada pela Marinha do Brasil. Durante duas semanas, uma série de situações simuladas foram apresentadas para treinamento do pessoal envolvido, com o intuito de preparar as Forças Armadas participantes da CPLP, para o eventual emprego em Operações de Paz e Assistência Humanitária, sob a égide da Organização das Nações Unidas (ONU). Em 2013, aproximadamente mil militares da Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, Força Aérea Brasileira e dos demais países da CPLP participam das ações.
 
Entenda o cenário fictício
 
Os exercícios foram ambientados em um cenário fictício de disputa territorial entre dois países de língua portuguesa: o Verde e o Amarelo. Após acordos internacionais, fica decidido que esse território passa a pertencer ao país Amarelo, que indenizará a população Verde instalada no local. No entanto, o acordo não é cumprido em sua totalidade, gerando insatisfação em grupos radicais de Amarelo e instabilidade entre os países. Faz-se necessária, então, a intervenção da ONU, que convida os Estados-membros da CPLP para integrar uma Força de Paz, liderada pelo Brasil.
 
CLAnf
 
Os Carros Lagarta Anfíbio vencem ondas de até 3 metros de altura e realizam o movimento navio – terra, terra – navio. Embarcam 22 militares equipados e armados. Possuem dois armamentos para proteção individual – uma metralhadora .50 e outra metralhadora 40 milímetros. Já foram empregados em sete operações de apoio a Segurança Pública do Rio de Janeiro.