22 de Setembro, 2013 - 14:30 ( Brasília )

INTERNACIONAL - Fragata do Brasil patrulha corredor da guerra civil síria

Missão da ONU atua em áreas do Mediterrâneo usada pelo grupo Hezbollah. Os rebeldes antiAssad para contrabandear armas

A fragata F-45 União, da Marinha do Brasil, está na zona de guerra, no Mediterrâneo, no eixo marítimo do provável escoamento clandestino de armas para o grupo radical Hez-bolla - mas não apenas. Segundo o porta-voz das Forças Navais Libanesas, Ismail Sliarif, "há umá grande preocupação com o contrabando endereçado ao conflito civil sírio. 
 
O navio brasileiro e o líder da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (Unitil). A frota tem sete unidades, alem da F-45 União: duas da Alemanha, duas de Bangladesh, unia da Indonésia, uma da Turquia e uma da Grécia. 
 
Há 269 militares brasileiros, 208 dos quais são tripulantes da Armada, a bordo da fragata - os demais são especialistas, como os 14 do Destacamento Aéreo, os 19 fuzileiros navais, os 15 oficiais do Estado-Maior, os quatro do Corpo de Saúde e os nove mergulhadores de combate. 
 
Esta é a segunda vez que a F-45 atua na região. Ela foi a primeira capitânia do Brasil da FT-Unifil ern 2011. Outras unidades nacionais da classe assumiram a tarefa depois, a intervalos de aproximadamente seis meses. 
 
Desde o começo da participação da Marinha no processo, foram realizadas 19.250 interrogações e cerca de 1.550 inspeções. Essa etapa do procedimento é executada exclusivamente por equipes das forças libanesas. 
 
Tensão - Não é um trabalho burocrático. Talvez 100 disparos reais, porém de advertência, foram realizados para intimidar e constranger embarcações geralmente mercantes, que se recusam a obedecer à norma de verificação estabelecida no mandato da ONU. 
 
Ismail Sharíf garante que "em várias ocasiões o radar de vigilância indicou a presença de drones, os veículos aéreos não tripulados, cruzando o espaço a grande altitude em clara função de observação sobre o mar". 
 
Nada se compara, porém, à tensão causada pelo sobrevoo de caças de Israel, Um oficial, exintegrante do grupamento brasileiro conta que, quase todos os dias, os jatos supersônicos Falcon F-16I invadem o limite do Líbano e cruzam o corredor marítimo utilizado pelos contrabandistas de armas. 
 
"Por esse mesmo motivo, também estamos nessas coordenadas", explica o comandante. E é aí que os pilotos israelenses testam os limites: ativam seus radares e esperam o sinal de detecção do sistema do navio, medindo, assim, o tempo de resposta, "É um jogo pesado de alto risco: uma informação mal interpretada pode ter consequências muito sérias, dramáticas", pondera o militar brasileiro. 
 
A F-45 União, comandada pelo capitão Gustavo Galero Garriga (o comandante da FT é o contraalmirante Joése de Andrade Bandeira) é a mais nova das seis fragatas compradas, há 40 anos, na Grã-Bretanha durante o governo de Ernesto Geisel. As últimas três foram construídas no Rio. Entre 1997 e 2003, todas passaram por um programa de revitalização, ganhando novos radares, recursos eletrônicos sofisticados e armas avançadas. 
 
Celso Amorim, ministro da Defesa, afirmou sexta-feira que o Brasil é "um país provedor da paz", no Instituto Rio Branco, onde são formados diplomatas. O ministro explicou que política externa e política de Defesa se complementam na tarefa, tanto no conjunto regional como no sistema internacional, contexto em que se situam as missões pacificadoras como a da UnifiL.