19 de Setembro, 2013 - 10:40 ( Brasília )

Adestramento em Unidade Médica Nível Dois


Foi realizada a cerimônia de conclusão da Fase 1 do Adestramento em Unidade Médica Nível Dois 2013 (ADE-UMND 2013), nas instalações na UMND, no dia 6 de agosto. De acordo com a sistemática da cadeia de evacuação adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU), a UNMD corresponde ao primeiro nível de Hospital de Campanha com a capacidade de terapia intensiva e de realização de cirurgias.
 
 
Em julho de 1998, a Marinha do Brasil formalizou sua adesão ao United Nations Stand-By Arrangements System (UNSAS) perante a ONU, com o compromisso de manter uma UMND em condições de ser rapidamente disponibilizada para o emprego em uma Operação de Manutenção de Paz (OMP).
 
Em seis edições, mais de 240 militares foram adestrados, entre Oficiais e Praças dos diversos quadros e especialidades da Marinha do Brasil. O treinamento tem como propósito capacitar os militares a tripular uma UMND inserida em uma OMP.
 
O Centro de Medicina Operativa da Marinha (CMOPM), localizado no Rio de Janeiro (RJ), planeja e desenvolve a Fase 1 do adestramento, dividida em duas etapas, com duração total de três semanas.  É nessa fase que os militares recebem instruções teóricas e práticas sobre assuntos diversos relacionados ao desenvolvimento das Operações de Manutenção da Paz, incluindo, entre outros: noções de Direito Internacional Humanitário; noções de Defesa Nuclear, Bacteriológica, Química e Radiológica; uso de Equipamento Individual Básico de Combate; manuseio de armamento portátil; técnicas de sobrevivência, orientação e camuflagem; técnicas de combate em localidade; técnicas de atendimento pré-hospitalar tático e cuidados aos feridos sob fogo; evacuação aeromédica; e treinamento de técnicas de resgate de ferido com emprego de técnicas verticais (rappel).
 
O ADE-UMND atinge o seu clímax durante a etapa final da Fase 1, que  correspondente à sua terceira semana. Desenvolvida no Centro de Adestramento da Ilha da Marambaia, com apoio do Batalhão de Operações Especiais do Corpo de Fuzileiros Navais, é durante essa etapa que se realizam exercícios para reproduzir situações de combate e cenários potenciais de uma OMP, dando aos militares participantes do adestramento a oportunidade de colocar em prática os conhecimentos previamente adquiridos.
 
Este ano, além dos militares da Marinha, o ADE-UMND registrou a participação de cinco militares da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, quatro dos quais oriundos do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), incluindo o seu Major Médico. Essa participação simboliza não somente a qualidade do adestramento ministrado, mas também a disposição do CMOPM em ampliar o intercâmbio de informações com as demais Forças Armadas e Forças Auxiliares, visando ao engrandecimento da Medicina Operativa da Marinha do Brasil.