18 de Setembro, 2013 - 10:54 ( Brasília )

Aviso Hidroceanográfico Fluvial “Rio Negro” é incorporado à Armada da Marinha do Brasil


No dia 15 de agosto, foi realizada a cerimônia de Batismo, Mostra de Armamento e Transferência para o Setor Operativo do Aviso Hidroceanográfico Fluvial (AvHoFlu) “Rio Negro”, na Estação Naval do Rio Negro, em Manaus (AM). O meio naval, incorporando-o à Marinha do Brasil, é o quarto de uma série de quatro navios da Classe “Rio Tocantins”.
 
A cerimônia contou com a presença dos Ministros da Defesa do Brasil, Embaixador Celso Amorim; da Colômbia, Sr. Juan Carlos Pinzón Bueno; e do Equador, Sra. Maria Fernanda Espinosa Garcés; do Vice-Governador do Estado do Amazonas, Sr. José Melo de Oliveira; do Presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas, Desembargador Ari Moutinho; do Comandante da Marinha, Almirante-de-Esquadra Julio Soares de Moura Neto; do Chefe do Estado-Maior Armada, Almirante de Esquadra Eduardo Monteiro Lopes; do Comandante de Operações Navais, Almirante-de- Esquadra Luiz Fernando Palmer Fonseca; dentre outras autoridades civis e militares.
 
A quebra do champanhe no casco do navio, cujo dispositivo foi acionado pela madrinha do Aviso, Sra. Neilda Bustamante Monteiro Lopes, é uma das partes mais tradicionais da cerimônia e simboliza o batismo do navio. Logo após, a assinatura do Termo de Armamento, foi realizada pelas seguintes autoridades: o Ministro da Defesa; o Comandante da Marinha; o Chefe do Estado-Maior da Armada; o Diretor-Geral do Material da Marinha; o Comandante de Operações Navais; o Comandante do 9º Distrito Naval; o Comandante da Flotilha do Amazonas; e o Comandante do Navio, Capitão-Tenente Louza.
 
Em seguida, a placa alusiva à Incorporação do meio à Armada foi descerrada pela madrinha do navio acompanhada dos Ministros da Defesa do Brasil da Colômbia, Equador e pelo Comandante da Marinha. Ao final, o Capitão-Tenente Louza recebeu a Estrela de Comando das mãos de sua esposa.
 
O AvHoFlu “Rio Negro” destina-se à execução dos levantamentos hidroceanográficos em águas interiores da Bacia Amazônica, com a finalidade de atualização contínua da cartografia náutica das principais hidrovias da região, o que possibilitará aumento da segurança da navegação.