11 de Abril, 2013 - 06:38 ( Brasília )

Toneladas de Diplomacia - Porta-aviões: novo nível ou fim do jogo?


Nikita Sorokin

Peritos militares norte-americanos dizem ter dúvidas quanto à eficácia estratégica dos grupos de porta-aviões. Todavia, segundo analistas russos, não existe hoje um meio convencional mais eficiente de demonstração da força militar.

A doutrina militar dos EUA se baseia no eventual uso de grupos de porta-aviões, desempenhando estes navios um papel-chave. A Marinha dos EUA, considerada a mais potente no mundo, integra onze porta-aviões superpesados, dos quais o conhecido "veterano" Enterprise já passou à reserva. Em vez desse vaso de guerra, nos estaleiros navais do Estado Virgínia prosseguem os trabalhos de construção de três porta-aviões modernos Gerald Ford.

Os EUA se aproveitaram da larga experiência do Japão, que tinha utilizado esse tipo de navios na Esquadra Imperial durante a Segunda Guerra Mundial. No entanto, em 2010, alguns analistas militares puseram em causa a necessidade de manter um elevado número de porta-aviões disponíveis. "Os meios gastos com a sua construção foram, de fato, esbanjados", lamentava o antigo chefe do Pentágono, Robert Gates, se referindo à eficiência dos submarinos russos 670, batizados de "assassinos de porta-aviões". Para além do perigo procedente dos submersíveis, os porta-aviões dos EUA correm o risco de ser atingidos por mísseis russos anti-navio Oniks e pelos Dong Fengchineses.

O Centro de Pesquisas New American Security divulgou recentemente um relatório do perito Henry Hendrix que lança críticas à atual linha estratégica baseada no emprego generalizado de porta-aviões. A sua visão tem sido partilhada por alguns altos dignitários do Pentágono e dos círculos próximos do Ministério da Defesa norte-americano.

Vale realçar que os analistas russos têm defendido uma opinião contrária. O perito militar e vice-redator-chefe do portal digital Ezhednevny Zhurnal,Alexander Golts, disse, em entrevista à emissora Voz da Rússia, ter sérias dúvidas quanto à justeza da tese sobre a presumível "precariedade" dos porta-aviões.

"O porta-aviões é um engenho capaz de provocar power projection, ou seja, a projeção ou o avanço da força. Os porta-aviões desempenharam um papel relevante nas operações levadas a cabo no Afeganistão e no Iraque. Durante a operação no Afeganistão, os americanos não tinham a possibilidade de recorrer ao uso de bases militares terrestres, tendo cabido à aviação um papel de protagonista na componente operacional aérea. O mesmo aconteceu em outros conflitos: no Iraque e na Iugoslávia. Por isso, não posso imaginar a atual estratégia militar dos EUA sem o emprego de porta-aviões em face da sua situação geográfica e do papel desse país na arena mundial."

Ao mesmo tempo, a polêmica sobre eventuais alterações da doutrina militar dos EUA não carece de fundamentos. Aí, o excesso do seu número atual (11 unidades), pode realmente ter importância, prossegue Alexander Golts. Mas se deve entender tratar-se de grupos de navios que abrangem também submarinos e embarcações de escolta. Não se exclui que, perante o eventual corte do orçamento militar em 1 % do PIB, o novo ministro da Defesa, Chuck Hagel, concorde em suprimir um grupo de navios desse gênero.

No entanto, é pouco provável que os EUA se atrevam a fazer reduções mais sensíveis. Caso contrário, como é que irão reforçar o seu contingente militar na península da Coreia? O porta-aviões é uma espécie de "pronto-socorro" da política externa dos EUA, resume o nosso interlocutor.

"Os porta-aviões desempenham um dos papéis-chave na estrutura das Forças Armadas dos EUA, por constituírem uma arma de ataque universal, constata Andrei Frolov, redador-chefe da revista Export Vooruzheny( Exportação de Armamentos). Além disso, os grupos de porta-aviões permitem aos EUA reagir, de forma flexível, a quaisquer ameaças em cinco oceanos do planeta."

No que respeita às dúvidas relacionadas ao seu valor estratégico, aí se deve considerar uma série de fatores. O primeiro se deve ao fato de os porta-aviões, tanto mais os modernos, serem um meio técnico dispendioso. No Pentágono pode acontecer uma concorrência entre diversos ramos militares pelas verbas orçamentais necessárias face aos cortes gerais progressivos do orçamento de Estado. Por outro lado, à medida que os armamentos dos potenciais adversários evoluem, os porta-aviões norte-americanos se tornam aparentemente mais vulneráveis. Por fim, considera Andrei Frolov, muitas missões a cargo dos porta-aviões, podem ser cumpridas com meios mais baratos:

"Por exemplo, empregando mísseis de cruzeiro ou drones. Nesse caso, não é necessário fazer a manutenção técnica, sendo ainda desnecessários navios de escolta com suas numerosas tripulações. Creio que a Marinha dos EUA continuará a ter 11 porta-aviões, podendo suceder uma redução ligeira. Porque, caso contrário, os EUA terão de reconhecer que não podem manter um número necessário de unidades em zonas que se presumem críticas."

Nos EUA foi debatido o programa Global Strike, prevendo a realização de ataques a quaisquer instalações do adversário com ajuda de meios estratégicos não nucleares, ressalta Alexander Golts. Têm-se em vista os mísseis Trident, os mísseis de cruzeiro e outros meios sem cargas nucleares. Mas não se sabe nada sobre o destino desse programa após os cortes orçamentais.

Um outro benefício dos porta-aviões tem a ver com o fato de a Rússia e a China estarem elaborarando seus próprios projetos nessa área. O Comandante-Chefe da Marinha russa, almirante Viktor Chirkov, traçou as perspetivas de modernização das Forças Navais da Rússia. O seu núcleo será constituído por porta-aviões de nova geração. Na ótica de peritos, os porta-aviões serão indispensáveis para garantir a proteção contra submarinos atômicos quando estes forem colocados em estado operacional.

Contas feitas, cada potência marítima tem sua visão do papel de porta-aviões na estrutura das Forças Armadas. Por isso, não faz sentido equiparar conceitos estratégicos e táticos diferentes.