COBERTURA ESPECIAL - Especial MOUT - Defesa

12 de Fevereiro, 2012 - 12:00 ( Brasília )

General do povo, não

No século passado, havia generais de direita e de esquerda, deu em ditadura, assassinatos e tortura

General do povo, não
 

Elio Gaspari


No século passado, havia generais de direita e de esquerda, deu em ditadura, assassinatos e tortura

A cena de confraternização do general Gonçalves Dias, comandante da 6ª Região Militar, com os PMs amotinados de Salvador foi constrangedora e impertinente.

Constrangedora porque o general foi aos amotinados, recebeu um bolo de aniversário e abraçou um deles. Esqueceu-se de que estava no comando de uma operação militar. Desde o início do motim, mais de 135 pessoas foram assassinadas em Salvador. A Assembleia Legislativa fora ocupada. Lojas e casas foram saqueadas. O prejuízo do comércio vai a centenas de milhões de reais, e os rebelados cantavam "Ôôô, o Carnaval acabou".

O general foi impertinente ao dizer o seguinte: "Peço aos senhores: se as pautas que estão sendo discutidas pelos políticos não forem atendidas, vamos voltar a uma negociação. Não poderá haver confronto entre os militares. Eu estarei aqui, bem no meio dos senhores, sem colete".

A primeira impertinência esteve na afirmação de que "as pautas estão sendo discutidas pelos políticos". A negociação estava na alçada dos Poderes constituídos, aos quais as Forças Armadas estão subordinadas. A segunda impertinência estava na afirmação de que "não poderá haver confronto entre os militares". Os PMs amotinados não estavam ali como militares, mas como desordeiros, cabeças-de-ponte de um motim articulado que se estendeu ao Rio de Janeiro. A ideia de que a negociação estava nas mãos dos "políticos" e de que "não poderá haver confronto entre os militares" é subversiva e caquética.

A tropa do Exército é mobilizada para exercer um efeito dissuasório. O discurso do general e a cena do bolo transformaram o poderio militar em alegoria carnavalesca. Se "não poderia haver confronto", com que autoridade um coronel ordenaria a um capitão que respondesse a uma agressão? (No dia seguinte, no peito, cerca de 50 pessoas furaram o cerco da tropa e juntaram-se ao motim. Na quinta-feira, no Rio, a polícia baixou o pau nos trabalhadores vitimados pela SuperVia.)

No século passado havia os "generais da UDN" e a eles contrapuseram-se os "generais do povo". Deu no que deu. O tenente que em 1964 comandava os tanques que guarneciam o Palácio Laranjeiras tornou-se um dos "doutores" da Casa da Morte, onde se assassinavam presos políticos. Em 1981, estava no carro que jogou a bomba na casa de força do Riocentro.

Outra explodiu antes da hora, matou um sargento e estripou um capitão.

CINCO E-MAILS PARA DILMA.ROUSSEFF@GOV

De Barack.Obama@gov:
"Onde está o general Stanley McChrystal? A senhora não sabe. Se eu não o tivesse mandado embora em 2010, depois de dizer bobagens, minha Presidência estaria na lata do lixo. (Ele é um dos diretores da JetBlue.)"

De João.Figueiredo@com:
"Se eu tivesse demitido o comandante do 1º Exército depois da explosão da bomba do Riocentro, não teria deixado o Palácio do Planalto pela porta lateral."

De Ernesto.Geisel@edu:
"Se eu não tivesse demitido o ministro Sylvio Frota em outubro de 1977, a senhora teria voltado para a 'Torre das Donzelas'. Ele estava de olho na sua vida, e o SNI dizia que a senhora articulava uma tal de Junta de Coordenação Revolucionária, uma invenção do Pinochet."

De Castello.Branco@edu:
"Em 1965, quando o general Costa e Silva fez um discurso impertinente em Itapeva, eu deveria demiti-lo. O Costa emparedou-me e forçou sua indicação para a Presidência."

De João.Goulart@com:
"O general Castello Branco disse-me que se eu tivesse prendido os marinheiros rebelados no início de março de 1964, não teria sido deposto."



Outras coberturas especiais


Base Industrial Defesa

Base Industrial Defesa

Última atualização 15 NOV, 01:30

MAIS LIDAS

Especial MOUT

1