COBERTURA ESPECIAL - Especial MOUT - Defesa

16 de Fevereiro, 2018 - 01:40 ( Brasília )

Exército Comandará a Segurança no Rio de Janeiro

Governo federal fará intervenção na segurança do Rio



Andreza Matais, Tânia Monteiro
e Vera Rosa

 

O presidente Michel Temer decidiu decretar intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro. O Exército irá assumir a segurança pública do Estado, com responsabilidade sobre as polícias, bombeiros e a área a de inteligência, inclusive com poder de prisão de seus membros. O interventor será o general Walter Braga Neto. Ele, na prática, vai substituir o governador do Rio na área de segurança pública.

A decisão, segundo apurou a Coluna, contou com o aval do governador do Rio, Fernando Pezão (MDB).

Pela Constituição, cabe ao presidente do Congresso, Eunício Oliveira (MDB-CE), convocar sessão para que as duas Casas Legislativas aprovem ou rejeitem a intervenção em dez dias. O decreto tem validade imediata.

Enquanto a intervenção vigorar não pode ser haver alteração na Constituição. Ou seja, nenhuma Proposta de Emenda Constitucional pode ser aprovada. É o caso da reforma da Previdência, que começa a ser discutida na segunda.

A Coluna apurou que uma ideia é decretar a intervenção e suspender seus efeitos apenas por um dia para votação da reforma do INSS.

A decisão foi tomada em reunião tensa que acabou neste momento (cerca de meia noite) entre o presidente Temer, ministros e representantes do Congresso.

Na mesma reunião, o presidente Temer bateu o martelo sobre a decisão de criar o Ministério da Segurança Pública. A proposta partiu do presidente do Senado.

A Coluna apurou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), precisou ser convencido da decisão. Ele se queixou que não foi convidado a participar de reuniões sobre a crise na segurança desde o início. Maia teria se irritado fortemente com o ministro da Justiça, Torquato Jardim. Maia foi inicialmente contra a intervenção no Rio, mas foi avisado de que ele seria responsabilidade publicamente pela crise na segurança do Estado e acabou cedendo.

O decreto com os termos da intervenção será publicado nas próximas horas. O texto já foi elaborado na reunião.

A intervenção é prevista no artigo 34 da Constituição que diz: “A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para manter a integridade nacional…” O artigo 60 diz o seguinte, parágrafo primeiro. “A Constituição não poderá ser emendada na vigência de intervenção federal, de estado de defesa ou de estado de sítio”.

 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Africa

Africa

Última atualização 21 MAI, 02:00

MAIS LIDAS

Especial MOUT