COBERTURA ESPECIAL - Le Bourget - Aviação

17 de Junho, 2019 - 10:00 ( Brasília )

Boeing em crise, Airbus tensa. Paris AirShow começa sob questionamentos


Preocupações com segurança, guerras comerciais e aumento das tensões com segurança no Golfo estão enfraquecendo os espíritos dos maiores fabricantes de aviões do mundo enquanto chegam no Paris Airshow desta semana, com pouco a celebrar apesar de crescentes encomendas.

O evento de destaque da indústria aeroespacial é uma chance de entender as expectativas da indústria de aeronaves comerciais de 150 bilhões de dólares por ano, a qual muitos analistas acreditam estar entrando em uma desaceleração devido à pressões globais de tensões comerciais à economias debilitadas.

Afetada pela suspensão do seu 737 MAX após dois acidentes fatais, a fabricante de aviões norte-americana Boeing tentará tranquilizar clientes e fornecedores sobre o futuro do avião e acalmar as críticas à forma como lidou com a crise que durou meses.

A crise com a última versão do jato mais vendido do mundo abalou os fornecedores e até abalou a rival Airbus, com a empresa europeia evitando a isca tradicional da Boeing, enquanto permanece distraída com sua própria investigação sobre corrupção.

Executivos do setor aeroespacial dos dois lados do Atlântico estão preocupados com o impacto da crise na confiança do público em viagens aéreas e o risco de uma reação negativa que poderia criar uma barreira entre os reguladores e enfraquecer o sistema de certificação de aviões.

As companhias aéreas que se apressaram em comprar o MAX, mais eficiente com combustível, estão tendo problemas desde que tiveram que cancelar milhares de vôos após a suspensão mundial em março.

Mesmo o lançamento planejado de uma nova versão de longo alcance da bem sucedida família de jatos A320neo da Airbus, a A321XLR, não deve acabar com a incerteza do setor, disseram analistas. “A crise da Boeing no MAX não é a nuvem negra mais sinistra, uma vez que pode ser resolvida, mas os números de tráfego são realmente assustadores”, disse Richard Aboulafia, analista aeroespacial do Teal Group.

Outros rejeitam temores de uma recessão, citando o crescimento da classe média na Ásia e a necessidade de as companhias aéreas comprarem novos aviões para cumprir metas ambientais.

A Airbus e a Boeing estão analisando medidas para tornar suas aeronaves mais eficientes em termos de consumo de combustível e reduzir sua pegada de carbono em meio a um crescente movimento de protesto ambiental na Europa.

“A única solução que a indústria tem é a mais nova aeronave mais eficiente em termos de combustível”, disse à Reuters John Plueger, presidente-executivo da Air Lease Corp. “Então, esse ciclo de substituição vai continuar. Estamos conversando com tantas companhias aéreas que ainda querem mais aeronaves, e realmente não houve redução dessas discussões”, disse ele.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


PCC - Gangues

PCC - Gangues

Última atualização 20 NOV, 13:26

MAIS LIDAS

Le Bourget