COBERTURA ESPECIAL - KC-390 - Aviação

20 de Junho, 2016 - 14:20 ( Brasília )

Portugal investe 21 milhões de euros no KC-390

Participação de Portugal no desenvolvimento e fabricação da aeronave de transporte KC-390 atinge os 59,1 milhões de euros em 2017

DIÁRIO DE NOTÍCIAS (PT)
via Notimp FAB


Portugal vai investir este ano quase 17 milhões de euros no projeto de desenvolvimento e construção, em Évora, da aeronave militar de transporte KC-390, num total de 20,8 milhões de euros até 2017.

Este montante, que visa concluir o envolvimento português no projeto da empresa brasileira Embraer em cuja construção participam vários países, foi agora publicado em Diário da República e eleva o contributo financeiro de Lisboa para 59,1 milhões de euros. Este investimento iniciou-se em 2012 e previa um total de 57 milhões de euros até 2013.

A resolução do Conselho de Ministros coincide com a aprovação do processo de modernização dos Hércules C-130, aeronaves sujeitas há anos a fortes restrições de voo sobre a Europa por falta dos equipamentos exigidos pelas autoridades aeronáuticas. A sua compra esteve dependente da decisão sobre o novo avião de transporte estratégico (que ainda não foi formalizada) e esse investimento tem agora um teto de 29 milhões de euros, a concretizar até 2023.

As verbas afetas ao projeto do avião de transporte KC-390 "não constituem auxílios de Estado", disse o Ministério da Economia ao DN, pois é um projeto de investigação e desenvolvimento, não uma injeção de dinheiro numa empresa pública e que viole as regras da concorrência comunitária - como Bruxelas considerou ter havido nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC).

Parceria industrial

Agora, a exemplo do que ocorreu na década de 2000 com o projeto do avião militar europeu A400M, Portugal decidiu participar desde o início no projeto de construção do KC-390 pelas mais valias que daí decorriam para a economia nacional (investigação, desenvolvimento, novas tecnologias, retorno financeiro com a venda em larga escala dessa aeronave).

Lisboa, que desistiu do A400M com o então ministro da Defesa Paulo Portas, apostou depois no KC-390 para substituir os C-130 da Força Aérea. Para isso manifestou interesse em adquirir seis aparelhos - a exemplo da Argentina e do Chile - e apoiou a instalação em Évora de duas fábricas da Embraer (num investimento de 177 milhões de euros inaugurado em 2012).

Com o KC-390 - aparelho preparado para aterrar nos gelos da Antártida - a realizar esta semana testes de voo na base aérea de Campo Grande (Mato Grosso do Sul), o que ocorre pela primeira vez fora das instalações do fabricante em São José dos Campos (São Paulo), a Força Aérea portuguesa tem vindo a acompanhar o evoluir do projeto que se prevê estar certificado pelas autoridades aeronáuticas civis no final de 2016 e, pelas militares, no segundo semestre de 2017.

"Não houve nada excecionalmente complexo", entre os pedidos feitos à Embraer, "que não tivesse sido feito com o avançar do projeto. Os requisitos reais têm vindo a ser testados e comprovados", revelou ao DN uma fonte do ramo, que criou no final de 2014 um grupo de trabalho para definir as exigências operacionais do sucessor do C-130 e acompanhar o desenvolvimento e comportamento do KC-390.

Descolar com um certo peso numa determinada distância com e sem mau tempo, numa pista não alcatroada ou com piso irregular é um dos exemplos de testes pedidos pela Força Aérea - que tem, no aeródromo açoriana de São Jorge, talvez a pista mais complicada para o sucessor do C-130 operar em território nacional (pelo comprimento da pista, iluminação ou condições meteorológicas).



Outras coberturas especiais


PCC - Gangues

PCC - Gangues

Última atualização 17 DEZ, 20:52

MAIS LIDAS

KC-390