COBERTURA ESPECIAL - Israel - Geopolítica

22 de Março, 2018 - 09:00 ( Brasília )

Ahed Tamimi, de 17 anos, é vista na Cisjordânia como um ícone de resistência à ocupação israelense.

Jovem palestina é condenada à prisão por agressão a soldado Após se declarar culpada, Ahed Tamimi, de 17 anos, alcança acordo por pena de oito meses de detenção com tribunal de Israel.

Um tribunal de Israel condenou nesta quarta-feira (21/03) a adolescente palestina Ahed Tamimi, de 17 anos, a oito meses de prisão pela agressão a um soldado israelense.

A jovem alcançou um acordo com a Justiça depois de se declarar culpada. Segundo a advogada de Tamimi, Gaby Lasky, o acordo, que determinou uma pena mais branda para a jovem, prevê ainda o pagamento de uma multa de cerca de 1.400 dólares.

A jovem deve ser solta no verão. Detida desde dezembro, Tamimi admitiu ser culpada em quatro das 12 acusações que pesam contra ela: agressão, dificultar o cumprimento dos deveres militares e em dois casos de incitação à violência.

A mãe de Tamimi, que também está detida, fez um acordo semelhante com a Justiça israelense. Lasky afirmou que o processo foi uma farsa e visava apenas impedir que outros palestinos resistam à ocupação israelense, como Tamimi fez.

O processo também foi criticado internacionalmente. Em janeiro, a Anistia Internacional afirmou que nada do que ela fez contra soldados que usavam equipamentos de proteção pode justificar a detenção de uma adolescente.

Tamimi ficou conhecida após um vídeo, no qual ela aparece agredindo soldados israelenses, viralizar nas redes sociais. Nas imagens, ela aparece ao lado da mãe e de uma prima dando tapas em soldados israelenses na região de Nabi Saleh, na Cisjordânia.

Com um histórico de várias agressões a militares israelenses, a jovem é vista na região como ícone da resistência à ocupação israelense. Em Israel, ela é vista como uma jovem ingênua que é manipulada pelos pais.

Jerusalém, a história de um pomo da discórdia

 

Cidade de Davi

Segundo o Velho Testamento, no ano 1000 a.C., Davi, rei de Judá e Israel, conquistou Jerusalém dos jebuseus, uma tribo cananeia. Ele mudou a sede de seu governo para Jerusalém, que se tornou capital e centro religioso do reino. De acordo com a Bíblia, Salomão, o filho de Davi, construiu o primeiro templo para Yaweh, o deus de Israel. Jerusalém tornou-se assim o centro do Judaísmo.

 

Reino dos persas

O rei Nabucodonosor 2º, da Babilônia, conquistou Jerusalém em 597 e novamente em 586 a.C., segundo a Bíblia. Ele destruiu o templo e aprisionou o rei Joaquim de Judá e a elite judaica, levando-os para a Babilônia. Quando o rei persa Ciro, o Grande, conquistou a Babilônia, permitiu que os judeus voltassem do exílio para Jerusalém e reconstruíssem o templo.

 

Sob o poder de Roma e Bizâncio

A partir de 63 d.C., Jerusalém passou ao domínio de Roma. A resistência se formou rapidamente entre a população, eclodindo uma guerra no ano 66. O conflito terminou quatro anos depois, com a vitória dos romanos e uma nova destruição do templo em Jerusalém. Os romanos e os bizantinos dominaram a Palestina por 600 anos.

 

Conquista pelo árabes

Durante a conquista da Grande Síria, as tropas islâmicas chegaram até a Palestina. Por ordem do califa Umar, em 637, Jerusalém foi sitiada e conquistada. Durante a época da supremacia muçulmana, vários rivais se revezaram no domínio da região. Jerusalém foi ocupada várias vezes e trocou diversas vezes de soberano.

 

No tempo das Cruzadas

O mundo cristão passou a se sentir cada vez mais ameaçado pelos muçulmanos seljúcidas, que governavam Jerusalém desde 1070. Em consequência, o papa Urbano 2º convocou as Cruzadas. Ao longo de 200 anos, os europeus conduziram cinco Cruzadas para conquistar Jerusalém, algumas vezes com êxito. Por fim, em 1244, os cristãos perderam de vez a cidade, que caiu novamente sob domínio muçulmano.

 

Os otomanos e os britânicos

Após a conquista do Egito e da Arábia pelos otomanos, em 1535, Jerusalém se tornou sede de um distrito governamental otomano. As primeiras décadas de domínio turco representaram impulsos significativos para a cidade. Com a vitória dos britânicos sobre as tropas turcas em 1917, a região – e também Jerusalém – passou ao domínio britânico.

 

Cidade dividida

Após a Segunda Guerra Mundial, os britânicos renunciaram ao mandato sobre a região. A ONU aprovou a divisão da área, a fim de abrigar os sobreviventes do Holocausto. Isso levou alguns países árabes a iniciarem uma guerra contra Israel, em que conquistaram parte de Jerusalém. Até 1967, a cidade esteve dividida em lado israelense e lado jordaniano.

 

Israel reconquista o lado oriental

Em 1967, na Guerra dos Seis Dias contra Egito, Jordânia e Síria, Israel conquistou o Sinai, a Faixa de Gaza, a Cisjordânia, as Colinas de Golã e Jerusalém Oriental. Paraquedistas israelenses chegaram ao centro histórico e, pela primeira vez desde 1949, ao Muro das Lamentações, local sagrado para os judeus. Jerusalém Oriental não foi anexada a Israel, apenas integrada de forma administrativa.

 

Muçulmanos podem peregrinar a Jerusalém

Desde esta época, Israel não impede os peregrinos muçulmanos de entrarem no terceiro principal santuário islâmico do mundo. O Monte do Templo está subordinado a uma administração muçulmana autônoma. Muçulmanos podem tanto visitar como também rezar no Domo da Rocha e na mesquita de Al-Aqsa, que fica ao lado.

 

Status não definido

Até hoje, Jerusalém continua sendo um obstáculo no processo de paz entre Israel e os palestinos. Em 1980, Israel declarou a cidade inteira como "capital eterna e indivisível". Depois que a Jordânia desistiu de reivindicar para si a Cisjordânia e Jerusalém Oriental, em 1988, foi conclamado um Estado palestino, com o leste de Jerusalém como sua capital.