COBERTURA ESPECIAL - HO - Aviação

02 de Fevereiro, 2013 - 17:33 ( Brasília )

Irã - Qaher-313: Melhor Isso Que Nada

Com direito à presença do presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad e toda a cúpula militar do país, anunciou-se o mais recente desenvolvimento da indústria aeronáutica do Irã, o caça stealth Qaher-313,"Conquistador 313".

 

por Vianney Jr.
Envie suas opiniões e questões ao autor no seu Twitter
@jrvianney


O Irã domina como poucos a utilização de um elemento cada vez mais importante no arsenal de Defesa. Seguido de perto por Coréia do Norte e China, cada nova “notícia” ganha repercursão internacional, debates acalorados nas redes sociais, e de alguma forma atinge em cheio o alvo, e cumpre bem a sua missão. “Dissuadir”, ainda que pelo benefício da dúvida.
 
Com direito à presença do presidente iraniano, Mahmud Ahmadinejad e toda a cúpula militar do país, anunciou-se o mais recente desenvolvimento da indústria aeronáutica do Irã, o caça stealth Qaher-313 ("Conquistador 313"), que segundo Ahmadinejad, já voou "milhares de horas" e deixou seus pilotos "muito satisfeitos com os resultados", mas também apressou-se em “tranquilizar” o mundo, declarando que "a potência militar iraniana não tem por objetivo agredir e dominar outros países, pois é puramente dissuasiva".
 
O elemento de “dissuasão” em pauta despertou elocubrações de toda ordem, principalmente pela especulação de que a bem sucedida captura de um drone stealth americano RQ-170 Sentinel no ano passado, possa ter subsidiado o domínio de mais elementos desta tecnologia e em função disto, viabilizado o desenvolvimento do caça apresentado por ocasião das celebrações do 34º aniversário da revolução islâmica de 1979.
 
A verdade é que, denunciado pelas próprias imagens e vídeo veiculados como parte desta “Guerra de Informação”, o tal caça stealth não passa de uma “pegadinha”. Uma arma de propaganda com chancela presidencial, mas, inverossímil sob o aspecto aeronáutico e militar. 



 

Para aqueles que queiram esticar o assunto analisando apenas superficialmente fotos e vídeo apresentados por mera frivolidade:

1) O tamanho do “caça” não é compatível com um piloto real (ou, em caso de ejeção, use o cabeção para quebrar o canopy!!!)

2) As entradas de ar são insólitas até mesmo para um drone com capacidade de voo limitada ao reto e nivelado, o que dirá para um caça impossibilitado de assumir altos α (AoA), e ainda mesmo, inimaginável para um voo lento.

3) Nem pense em acionar a pós-combustão (se houvesse!) pois você iria brincar de soldador e fundiria a cauda do caça.

4) Provavelmente colado com aquela super cola instantânea, já que se dispensou o uso de parafusos e rebites.

5) Os canards fixos? Para que servem? Dão um charme a mais!

6) Apenas não vou comentar o cockpit e o painel de instrumentos. São muito complexos para mim!

Mas, em compensação.....

...pelo vídeo, eles provaram que construíram um aeromodelo irado!


Jocosidades a parte, o outro lado da moeda, é que mesmo em se fazendo “mock-ups”, aprende-se alguma coisa, e o fato concreto da captura de um drone com tecnologia ainda não dominada por aquele país, serve sim de elemento contribuitivo para a composição do conhecimento. O mais importante porém, é a percepção da relevância de um país manter junto com suas Forças Armadas projetos que levem ao aprimoramento da indústria, e desenvolvimento de uma autonomia tecnológica nos setores estratégicos. Nesta seara, Irã, Coréia do Norte e China tem muito a ensinar aos governantes brasileiros.
 
Se a Força Aérea do Brasil tivesse o apoio necessário a pelo menos não perder para o exterior as grandes capacidades formadas em seus institutos de tecnologia, como o ITA, e reverter a reconhecida criatividade e pensamento inovativo de seu povo em um projeto nacional voltado ao futuro (combustível, propulsão, radares, interfaces homem-máquina e furtividade, por exemplo) do velocíssimo meio aeronáutico, talvez fosse o Brasil a apresentar seu “mock-up de 5ª geração”, onde em se tratando de terras tupiniquins, ainda haveria de se aproveitar uma vantagem. Na pior das hipóteses, no atual período Momino, um Qaher-313 ("Conquistador 313") serviria aos propósitos de um bom carnavalesco como inusitado elemento para um carro alegórico!


 



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 21 OUT, 12:30

MAIS LIDAS

HO