COBERTURA ESPECIAL - HO - Defesa

12 de Março, 2014 - 23:38 ( Brasília )

F-X2: Entre a Concorrência e a Linha de Voo, o Contrato

A audiência pública requerida pela Sen. Ana Amélia (PP-RS), onde foi ouvido o Cmt da Aeronáutica, Ten-Brig-do-Ar Juniti Saito, na CRE, em debate sobre o Projeto F-X2, revelou-se uma das mais esclarecedoras discussões desde a escolha do caça, Gripen NG

 

F-X2: Entre a Concorrência e a Linha de Voo, o Contrato



por Vianney Jr
Analista de Defesa e Aeroespaço /
Editor de Avaliação de Aeronaves

 

 
 
Tanto embora muito ainda haja a ser acompanhado, a ação dos senadores da CRE - Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional, trouxe ao grande público a mais abrangente discussão, até o momento, sobre o programa de reequipamento e modernização da Força Aérea Brasileira, o F-X2. As perguntas diretas, e por vezes contundentes, lideradas pelo senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), presidente da comissão, demonstraram uma postura compatível com o que espera o contribuinte, a prestação de contas e a transparência no que se refere à compra dos 36 caças Gripen NG, ao custo anunciado de 4,5 bilhões de dólares. De forma mais ampla, prestou-se ao tema da Defesa, um valioso serviço de desmistificação dos investimentos militares, revelando o outro lado da moeda. No caso, o retorno gerado pela elevação do padrão industrial e nível de excelência profissional no País.

 
Muito além da Guerra
 

A senadora Ana Amélia (PP-RS), foi muito feliz ao desvincular os investimentos nos caças como uma questão unicamente bélica. “Nós estamos em um ousado projeto, que não é apenas de Defesa. Eu penso que a absorção tecnológica numa área tão refinada e tão especializada como essa, dá ao Brasil um salto de qualidade e de acesso à tecnologia no desenvolvimento industrial e econômico do País, que é incalculável”, definiu a Senadora. Trouxe à luz, toda a esteira de desenvolvimento e capacitação que os projetos militares deixam ao dia a dia de toda a sociedade. A indústria aeronáutica, por si só, notabiliza-se pela qualificação dos postos de trabalho.



Senadora Ana Amélia (PP/RS) e Senador Eduardo Suplicy (PT/SP)

 

O comandante da aeronáutica estimou que 2.000 a 3.000 empregos diretos, além de 22 mil indiretos deverão ser criados em razão da produção de 80% do novo caça em território nacional, número que leva em conta a fabricação das aeronaves para a própria Suécia, e eventualmente para a Suíça, além das encomendas de exportações diretas a partir do Brasil. No aspecto da propriedade intelectual, cerca de 40% do projeto será desenvolvido por engenheiros brasileiros, segundo a empresa sueca SAAB, responsável pelo design do Gripen. Em suma, o contrato contemplará compensações (offset na linguagem de aquisições militares) da ordem de 170% de seu valor. Dentre as vantagens intangíveis, a qualificação necessária ao ingresso no seleto grupo de fabricantes de aviões supersônicos. A conquista desta e outras expertises é esperada refletir-se na qualidade das já conceituadas aeronaves fabricadas pela Embraer, que cada vez mais ocupam espaço no mercado internacional.
 

Nota DefasaNet,

Colocamos o estudo do Brigadeiro Crepaldi sobre Offsets (Contrapartidas Comerciais):

A POLÍTICA DE OFFSET DA AERONÁUTICA NO ÂMBITO DA ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA PDF  Link


 

O Relatório da FAB

 
O Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, fez-se acompanhar do Brigadeiro-do-Ar José Augusto Crepaldi Affonso, presidente da COPAC - Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate, responsável pela confecção do relatório da Aeronáutica (concluído em janeiro de 2010) ao então Presidente Lula, e que segundo a FAB, balizou tecnicamente a decisão final da Presidente Dilma. Aqui vale lembrar o trabalho desenvolvido por dois destacados antecessores, Brigadeiro Fernando Cima, hoje na reserva, e o Major-Brigadeiro-do-Ar Carlos Baptista Jr., no momento deixando o COMDABRA - Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro, e assumindo a DIRMAB - Diretoria de Material Bélico Aeronáutico.



 
Brigadeiro Saito e Brigadeiro Crepaldi na Audiência Pública.
Foto Agência FAB


A apresentação do Brigadeiro Crepaldi construiu o mais relevante argumento no que pese à decisão no F-X2, repetido por várias vezes ao descrever a jornada do piloto brasileiro, de cadete à operacionalidade: o de cumpri-la em uma aeronave “desenvolvida e fabricada no Brasil”. “Não há defesa eficiente sem a participação da indústria nacional. Com o Gripen NG o Brasil dará o primeiro passo para o desenvolvimento de um caça de 5ª geração, além de permitir o domínio de novas tecnologias e, posteriormente, exportar tecnologia”, destacou o presidente da COPAC.
 

Pingos nos “i”s

Mesmo com este forte argumento do voo em aeronave “desenvolvida e fabricada no Brasil”, o Ministério da Defesa havia derrapado no tom das explicações iniciais quando do anúncio da decisão pelo Gripen NG. Muitos foram os superlativos usados para descrever o caça escolhido.


 

Apresentação do hot site www.gripenng.fab.mil.br  Clique no link ou na foto


O próprio hotsite hospedado no domínio da FAB, na internet, ainda exibe o título de “Aeronave de Combate Mais Avançada do Mundo”! Talvez algum superlativismo inicial tenha sido oriundo do peculiar sentimento brasileiro de necessariamente se ter o melhor, o maior... Bem, nesta escolha, não é o caso. Numa grosseira analogia “automotiva”, um carro com configuração para sete passageiros não é necessariamente a melhor escolha para uma família de pai, mãe e um único filho, simplesmente por oferecer quatro assentos extras. Tudo é uma questão de adequação, e aqui, o argumento central da apresentação do presidente da COPAC indica um caminho convincente e justificável.
 
Mas aí, exatamente, a Audiência Pública da CRE deu oportunidade a esclarecimentos em pontos de suma importância, como por exemplo, o cronograma de desenvolvimento da aeronave.
 
Quanto ao frequente questionamento de que o caça sueco seria um “avião de papel”, o Tenente-Brigadeiro Saito respondeu aos senadores que o Gripen NG deverá ter seu protótipo construído provavelmente em 2015.
 
O Comandante da Aeronáutica disse, no entanto, não acreditar em gargalo tecnológico uma vez que o novo caça a ser desenvolvido é um “derivativo do Gripen C/D”, em voo desde 1997, e hoje em operação em seis países (Suécia, República Checa, Hungria, África do Sul, Tailândia, e uma aeronave na Escola de Pilotos de Teste - ETPS, no Reino Unido).
 
Sempre com uma postura bastante disponível, o Tenente-Brigadeiro Juniti Saito procurou traduzir ao linguajar comum, termos técnicos, fazendo uma exposição muito acessível ao contribuinte interessado em compreender o processo de compra dos caças. Neste particular, não se furtou a estender esclarecimentos sobre o eventual interesse do desenvolvimento de uma versão naval para a Marinha do Brasil, capaz de ser operado a partir de porta-aviões, como o NAe São Paulo, pertencente à Esquadra Brasileira. E atende ao futuro porta-aviões em desenvolvimento dentro do PRONAE (Programa de Obtenção Navio-Aeródromo).

Um Caça entre Gerações

Ao ser indagado pelo senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) quanto ao significado prático de “Geração” de uma aeronave de combate, o Comandante Saito valeu-se da licença poética ao chamar o Gripen NG de um caça de geração “4.6”, uma vez que em sua avaliação, as características do avião, após concluído, o posicionarão em uma escala de desenvolvimento entre um caça de 4ª e um de 5ª geração (operacionalmente disponível apenas nos Estados Unidos).
 
Vide a matéria: Caças: O “X” da Quest..., digo, da Geração Link


Quem Protege os Céus do Brasil até a Chegada do Gripen NG?

 
Outra preocupação dos senadores foi esclarecer como fica a defesa do espaço aéreo brasileiro até a chegada dos Gripen NG. O inventário atual de aviões de combate a jato da FAB é de 57 caças F-5 para a defesa aérea, 43 aeronaves A-1 de ataque-ao-solo, a serem desativados a partir de 2025 e 2030, respectivamente.
 
Com a desativação das aeronaves de interceptação Mirage 2000C/B em dezembro de 2013, os caças F-5 assumiram esta tarefa. “Naturalmente não é a aeronave ideal, mas cumpriremos [a missão de defesa aérea] da melhor maneira possível”, explicou o Comandante da Aeronáutica.
 
Como forma de mitigar o gap gerado na capacidade de defesa do espaço aéreo brasileiro, já avançam as negociações para um leasing de caças da versão em operação, Gripen C/D, diretamente oferecidos pela Flygvapnet, a Força Aérea da Suécia. Este contrato abrangeria algo entre 10 e 12 aeronaves, a chegarem a partir do segundo semestre de 2015, ou primeiro semestre de 2016, uma vez que os primeiros caças Gripen NG do programa F-X2 só seriam entregues no final de 2018, mas mesmo assim “só poderemos estruturar um esquadrão a partir de 2019 ou 2020”, afirmou Saito.

Postura Republicana

Afora as questões de natureza tecnológica, operacional e técnica, os senadores Ricardo Ferraço, Aloysio Nunes Ferreira, Ana Amélia e Eduardo Suplicy exploraram os tópicos relativos ao incentivo à indústria nacional, geração de emprego e renda, e os itens atinentes ao orçamento e financiamento previstos para o F-X2. Quando indagado sobre o efetivo desembolso de valores referentes à compra das 36 aeronaves, o Tenente-Brigadeiro Juniti Saito explicou que entre as cláusulas contratuais em discussão, está contemplado o início do pagamento do financiamento, entre 6 a 8 meses após a entrega da última aeronave, a princípio prevista para 2023.



Senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), presidente da CRE conduz os trabalhos


Também discute-se o escalonamento dos pagamentos, que devam ficar ao redor de parcelas anuais de 500 milhões de dólares, durante 9 anos até a quitação total. Para uma simples referência, estas parcelas representariam algo em torno de 10% do orçamento anual da Aeronáutica.
 
O senador Aloysio Nunes Ferreira manifestou sua preocupação quanto à demora excessiva nas decisões, e quebra da continuidade da alocação de recursos para os programas de Defesa, alertando para o prejuízo que tais condutas podem causar ao Brasil, quer pela diminuição de efetividade de suas Forças, quer pelo enfraquecimento e defasagem da indústria nacional.
 
Vide a matéria: Quando o Interesse do Estado perde para o Projeto Eleitoral Link

Com uma intervenção técnica, a senadora Ana Amélia manifestou sua preocupação com a garantia de recursos, e lembrou que por se tratar, o F-X2, de contrato internacional, não há possibilidade de contingenciamento. Em suas colocações, o senador Aloysio Nunes Ferreira cobrou de seus pares ressonância do tema no mundo político, e fez alusão ao papel primordial da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional nesta seara.


O proceso de Avaliação e Seleção do Programa F-X2 do dentro da COPAC.
Ainda a percorrer o processo Legislativo, Relações Exteriores Planejamento, Fazenda, e outros 


Ponto marcante desta Audiência Pública, a louvável demonstração do Parlamento com uma perceptível postura mais dinâmica no envolvimento com as questões de Defesa, dando prova de que o acompanhamento de tais matérias tem migrado de uma mera formalidade, para o bom debate dos projetos de interesse do País nesta área. Sim, o Brasil tem grandes déficits sociais, mas a iniciativa do Senado, apoiada pela Força Aérea, contribuiu para fazer despertar no cidadão comum brasileiro a compreensão de que Defesa é também importante, assim como o são a Saúde, a Educação. Talvez menos perceptível no dia a dia de um povo tão carente, mas certo é que os investimentos neste setor contribuem para o desenvolvimento do País, além de garantirem o exercício pleno da soberania sobre seu território e suas riquezas, para o bem comum de todos os brasileiros.
 
É pois, um ato republicano cobrar das Comissões, tanto no Senado como na Câmara dos Deputados, que cumprindo com suas atribuições legais, e em defesa da instituição FAB, se comprometam em acompanhar de perto o desenrolar dos capítulos decisivos do F-X2, e garantam a alocação de recursos para sua conclusão, uma vez que o mesmo implicará em grande parte no futuro da própria Força Aérea Brasileira pelos próximos 40 anos, no mínimo.


 



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 22 OUT, 17:30

MAIS LIDAS

HO