COBERTURA ESPECIAL - Guarani - Terrestre

29 de Dezembro, 2015 - 09:20 ( Brasília )

17º RCMec – Recebimento de Viaturas Blindadas Guarani


No mês de dezembro, o 17º Regimento de Cavalaria Mecanizado recebeu cinco Viaturas Blindadas de Transporte de Pessoal – Média de Rodas (VBTP-MR) Guarani, que faz parte do Projeto Guarani, um dos Projetos Estratégicos Indutores da Transformação, responsáveis pela entrega de capacidades específicas para a Força Terrestre, propiciando a geração de aptidões diversas para o cumprimento de uma variada gama de tarefas e missões.

A Modernização da Cavalaria Mecanizada

É inegável que a Cavalaria Mecanizada (C Mec) sempre foi o melhor exemplo da flexibilidade, adaptabilidade e modularidade agora preconizadas pelo documento Bases para a Transformação da Doutrina Militar Terrestre, com vistas à preparação do Exército para a Era do Conhecimento.

Na conjuntura em que foi criada, na década de 1970, a tropa de natureza C Mec representou uma solução inovadora para uma grande quantidade de desafios da Força Terrestre. Entretanto, nos dias atuais, diversos aspectos que marcam o emprego desse tipo de tropa apresentam condicionantes bastante distintas.

No que concerne às operações de reconhecimento, parece óbvio que os dados sobre a região de operações e sobre o oponente são ainda mais importantes nos dias atuais, fazendo com que a busca pela superioridade das informações seja vital para o sucesso.

Os novos meios impactam também as missões nos graus de segurança “proteger” e “vigiar”, exigindo um repensar quanto à adequabilidade delas às concepções de emprego da C Mec atual. São grandes as possibilidades de ajustes na organização e no emprego da C Mec, em função da utilização dos novos sensores tecnológicos para melhor cumprimento de suas missões clássicas e ampliação das capacidades operacionais nas demais tarefas no amplo espectro.

Em síntese, a C Mec é obrigada a se modernizar para manter sua invulgar versatilidade, fator que a tornou imprescindível em todas as fases do combate e impôs sua articulação no território nacional nas principais áreas consideradas estratégicas, dentro de concepções condicionadas por dinâmicas regional e internacional já transformadas.

A C Mec modernizada será fundamental para que o Exército seja conduzido ao patamar de força armada de país desenvolvido e ator global, capaz de se fazer presente, com a prontidão necessária, em qualquer área de interesse estratégico. Será construída partindo da mesma base que se tem hoje, com ousadia e sem ansiedade, com foco nos resultados, vencendo, com respeito e tolerância, as resistências culturais que dificultam as mudanças e, principalmente, de forma escalonada, respeitando a realidade orçamentária da Força Terrestre.

Fruto de um dos Projetos Estratégicos do Exército

A Viatura Blindada de Transporte de Pessoal – Média de Rodas (VBTP-MR) Guarani, de uso exclusivo das Forças Armadas, tem capacidade para transportar até 11 pessoas (oito combatentes, um atirador e um piloto) e pode alcançar velocidades de 100 km/h em terra e 9 km/h na água. Além disso, possui tração 6x6, mede cerca de sete metros e custa aproximadamente R$ 3 milhões.

O sistema utilizado nesse veículo é reconhecido internacionalmente por aliar modernização e segurança. O Guarani já foi testado com muito sucesso no Complexo da Maré, no Rio de Janeiro, e, em todas as experiências promovidas pelo EB, tivemos a certeza de que é uma viatura de rodas de alta tecnologia.


O poder de fogo da artilharia do Guarani é variável, podendo ser dotado de um canhão de 30mm ou metralhadoras .50 e 7,62. O veículo possui, ainda, GPS e blindagem especial antiminas terrestres (contando, também, com assentos suspensos no teto do veículo que visam diminuir os danos em caso de um impacto vindo por baixo).

Possui diversos recursos tecnológicos de primeira linha, dentre eles, o sistema automatizado de pressurização dos pneus, as suspensões independentes em cada uma rodas e o ar-condicionado com sistema de filtros contra armas químicas, biológicas e nucleares.

O novo blindado desenvolvido pelo Exército e fabricado pela Iveco veio para substituir o Urutu EE-11, veículo desenvolvido no Brasil pela extinta Engesa, na década de 1970. O Guarani é fabricado em Sete Lagoas (MG), onde sai da linha de montagem com um índice de nacionalização superior a 60%. A empresa tem capacidade para produzir até 200 blindados por ano.

Nota DefesaNet

O acompanhamento completo da evolução daa Nova Família de Blindados de Rodas do Exército Brasileiro desde o então URUTU 3 , até o Guarani pode ser acompanhada na Cobertura Especial: Cobertura Especial Guarani (Link)


 

Vídeo: Walkaround VBTP-MR Guarani



Outras coberturas especiais


Crise Militar

Crise Militar

Última atualização 18 AGO, 00:20

MAIS LIDAS

Guarani

6